Sou politicamente incorreto

31 12 2009

Nós, enquanto sociedade, estamos enveredando por um caminho cada vez mais sedutor e perigoso. Em lugar de pautarmos nossa vida, nossas relações e nossa forma de ver o mundo segundo alguns parâmetros e referências, optamos por algo bem mais simples e prático: a cada situação avaliamos apenas as conveniências. Ou seja: deixamos de agir segundo um conjunto de pressupostos éticos, de leis e códigos e passamos a reagir não mais segundo o que somos, mas seguindo normas dominantes naquele meio em que estamos naquele momento.

É assustador perceber como a cultura da condescendência pode ser maléfica e destrutiva. O meio está definindo que aqueles que pensam, que estudam, que lêem e que, portanto, são capazes de formular pressupostos e têm coragem de viver referenciados por eles, estes devem ser isolados, eliminados ou ridicularizados. São os chamados radicais – onde maniqueisticamente a palavra ‘radical’ é associada a posturas fundamentalistas e não pontos de vista fundamentados no conhecimento.

Há uma tirania a impor suas verdades, que é esta bizarrice que atende pelo nome de “politicamente correto”. Trata-se de embuste comportamental que traz, como base de aplicação, a ditadura de uma minoria com acesso aos meios de comunicação, que se definem como “formadores de opinião” e que, por isso mesmo, são imolados (mas mantidos vivos) e tratados como donos da verdade. Cria-se uma norma de conduta, encontra-se um segmento disposto a assumir a “idéia” como sendo sua e deste momento em diante torna-se errado o seu questionamento ou a sua avaliaçãos egundo limites éticos. Desta forma, os grupos se estabelecem como pequenas gestapos a perseguir quem não aceita curvar-se aos códigos definidos pelo segmento que se abriga sob o manto do “politicamente correto”.

É uma avalanche tão poderosa que as pessoas optam por aceitar tudo, ainda que não concordem com nada. Temem o isolamento e o opróbrio. Quem resolve enfrentar esta verdadeira correia de transmissão da idiotia que vai se coletivizando, este corre o risco de viver exilado entre os seus, como se estivesse carregando dependurada no pescoço uma ostra* a remetê-lo ao vazio. Sentir-se solitário entre os iguais, sem ter com quem falar, conversar ou interagir.

Dia destes, conversando com o também jornalista Beto Almeida de Brasília, convergimos a conversa sobre o medo que a esquerda e os que se pensam de esquerda têm em se assumir “nacionalistas”. É algo absurdo este receio em divergir, em assumir e em mostrar a importância de um pensamento de esquerda comprometido com um projeto nacional, de fortalecimento das estruturas nacionais e não de usurpação. Como também é também inconcebível, para mim, que um partido de esquerda não tenha como prática o centralismo democrático, pressuposto leninista e que é esquecido pelos ideólogos – e tenho para mim que são ideólogos que jamais leram Trotsky, Lênin, Gramsci e já nem falo em Marx e Engels, que daí seria querer demais.

A esquerda nacional está cada vez mais parecida com a direita – deixando de agir e passando a reagir. E deixa de agir por não ter formulação política e por não ter investido na qualificação de sua militância, preferindo mantê-la em sua maioria como ‘tarefeira’ e não partícipe. E passa a reagir como forma de manter a ocupação dos espaços sociais, deixando de agir no sentido de mudá-los pelo “medo” de perder algo que pensa ter conquistado, quando na realidade deveria se pensar parte ou agente de um processo.

Sou assumidamente alguém que defende o “politicamente incorreto” como caminho para vencer um padrão onde as relações estão fadigadas por não apresentarem perspectiva de mudanças – e não pensem que se possa pensar em alguns arroubos e rompantes como demosntração de que existe algo diferente no horizonte do nosso cotidiano.

Precisamos voltar a ter coragem de não sermos aceitos, de sermos criticados e de sermos até mesmo ridicularizados por insistirmos em ter ponto de vista próprio, em acreditar em valores e referências.

Claro que sei que é muito mais fácil, simples, de prazer inebriante e de palmas da patuléia e da claque sempre disponível a louvar quem fala o que “eles” querem e precisam ouvir. Mas quem foi que disse que eu esotu interessado com o que é mais fácil?

Alfredo Bessow, jornalista e escritor

* Segundo o Dicionário Eletrônico Houaiss 3.0,  ostracismo: “na antiga Grécia, desterro político, que não importava ignomínia, desonra nem confiscação de bens, a que se condenava, por período de dez anos, o cidadão ateniense que, por sua grande influência nos negócios públicos e por seu distinto merecimento ou serviços, se receava que quisesse atentar contra a liberdade pública”.

Anúncios

Acções

Information

3 responses

31 12 2009
allan sales

Pois é Dom Alfredo.Muito antes de tudo isso acontecer, Millor Fernandes já dizia que o Brasil é um país tão surrealista que até a esquerda era de direita.

Em 2000 comecei a guinar para o ponto onde hoje me encontro quando vi os primeiros passos dos esquerdistas com quem me afinava caminharem para a miltância de resultados, o povo se aboletando nos cargos comissionados, exercendo seu compadrio como reza nossa tradição provinciana e caipira.Hoje vejo muitos bem montados em patrimônios materiais vivendo como os burgueses que dizem combater.Vendo partido dito revolucionário fazendo cafés da manhã em buffets de luxo, cobrando taxa de adesão de R$ 50,00 em plena campanha eleitoral sob o pretexto de discutir(com a classe média é claro) o futuro do Recife.

Alguns mais xiitas decretando minha condenação ao futuro tribunal revolucionário deles quando chegarem ao poder um dia.Fui chamado de traidor do povo e de aliado da direita, coisa que nunca fui e nem serei, apenas perdi a crença neles que na prática afundam no pântano da hipocrisia, empurram o processo com a barriga até quando as bolsas de compensação e a repressão pela força segurarem a inevitável explosão social que está em curso e armada como uma bomba de tempo.

31 12 2009
passelivreonline

Allan,
na verdade o que está acontecendo em nosso País é que a esquerda e a direita – toda esquerda e toda direita – estão no mesmo barco. Todos têm vergonha de ‘ser’ nacionalista. É lamentável, mas reflete a pasteurização do pensamento e, ao mesmo tempo, a falta de cultura política de nossos partidos, transformados muito mais em confrarias do que em instrumentos para mudar a realidade (até porque esta somente será mudada quando mudarem as pessoas e seus modos de reagir).

2 01 2010

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: