Folha detona Serra

16 05 2010

Por esta, nem os tucanos esperavam. Depois de receberem no sábado os dados da pesquisa Vox Populi colocando Dilma em 1º lugar nas intenções de voto, na edição deste domingo (16), mais uma revelalção:

Serra utiliza estrutura do Estado após deixar o cargo

Quarenta dias depois de sair do governo, tucano e equipe vão a eventos em carros oficiais

Na quarta-feira, 12 policiais faziam a segurança da casa do pré-candidato; assessorias do PSDB e do governo dizem que não há irregularidades

Eduardo Knapp – 6.abr.10/Folha Imagem
 

No início de abril, alguns dias após Serra ter deixado o governo, seguranças e motoristas aguardavam na frente de sua casa, em SP

CATIA SEABRA
BRENO COSTA
DA REPORTAGEM LOCAL

Quarenta dias depois de deixar oficialmente o governo de São Paulo, o pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra, tem usado estrutura do Estado em sua pré-campanha, iniciada formalmente no último dia 10 de abril.
O ex-governador, que transmitiu o cargo para o vice Alberto Goldman em 6 de abril, conta com policiais militares na sua segurança. Em São Paulo, ele e seu staff têm ido a eventos em carros oficiais.
Os agentes – policiais vinculados à Casa Militar – também acompanham Serra em viagens pelo Brasil. Os gastos com combustível e celular usados pela equipe de segurança também ficam a cargo do governo.
Os profissionais de comunicação contratados para a campanha mantinham, pelo menos até sexta-feira, os mesmos números de celular de quando atuavam na assessoria do Palácio dos Bandeirantes.
Amparado em decreto estadual, de março de 2004, o governo afirma, em nota, que não há ilegalidade no uso da segurança do Estado. O decreto prevê “a prestação de serviços de atendimento funcional e, complementarmente, de segurança” a ex-governadores durante todo o mandato do sucessor.
Contudo não estabelece um limite de policiais a serviço do ex-governador. Na última quarta-feira, 12 homens vigiavam a casa de Serra, no Alto de Pinheiros, na zona oeste da capital. O governo não informou o número de agentes que acompanham o pré-candidato, alegando “razões de segurança”.
Em 2006, quando, sob a vigência do mesmo decreto, também deixou o Palácio dos Bandeirantes para concorrer à Presidência da República, o ex-governador Geraldo Alckmin contou com o serviço de dois ajudantes-de-ordem e circulava em sua Parati particular.
Quanto aos celulares usados pelos profissionais de comunicação, a Secretaria de Comunicação afirma que os jornalistas podem optar pela manutenção dos números após o desligamento do governo. Ainda segundo a assessoria, os cofres públicos são ressarcidos em caso de despesas “residuais ou remanescentes”.
De acordo com a assessoria da campanha tucana, as despesas com comunicação são cobertas pelo PSDB.

Viagens
Embora a campanha só comece oficialmente em julho, Serra tem viajado pelo país desde o dia 14 de abril, quando desembarcou em Salvador (BA) -onde deve ocorrer a convenção oficial para formalizar sua candidatura, em 12 de junho.
Até sexta-feira, já tinha feito 15 viagens, passando por dez Estados. Nessas visitas, concede entrevistas a rádios e TVs locais, participa de eventos com empresários e políticos, e interage com os possíveis eleitores.
Suas atividades de pré-campanha são registradas por uma equipe de filmagem da empresa GW, do jornalista Luiz Gonzalez, responsável pelo marketing de sua campanha. A empresa é paga pelo diretório estadual do PSDB em São Paulo.
Em visita a Maceió, em 16 de abril, Serra disse que as filmagens destinavam-se a um “arquivo” e que, se as imagens fossem para a campanha, estaria usando um microfone de lapela. No entanto, ele tem usado o acessório em várias ocasiões.
A assessoria da campanha informou que “o objetivo das filmagens é documentação”. Não esclareceu se elas serão usadas posteriormente em propagandas eleitorais, com a disputa oficialmente em andamento.
Além de pagar a GW, o PSDB estadual assumiu gastos como aluguel de salas e de avião na atual fase de pré-campanha.





Pesquisa aumenta ódio e rancor dos tucanos

16 05 2010

 

Bastou a divulgação da pesquisa Vox Populi aqui no blog – algo que deveria ser amplamente divulgado por todos os meios de comunicação, mas ficou patente a dificuldade dos de oposição de conviver com a democracia e com uma realidade adversa da qual sempre estiveram acostumados (elogios mesmo sem fazerem nada, etc) – retomando a frase: Bastou a divulgação da pesquisa Vox Populi aqui no blog e aumentou a virulência dos ataques e das mensagens de ódio e de rancor dos tucanos, demos e a tchurma da pesada do Freire e do Jungmann enviadas pelo cyber-espaço. 

É uma soma de rancor e, agora, percebe-se de impotência. 

Além de construírem mentiras, eles apelam a subterfúgios bizarros, a práticas obscurantistas típicas do período inquisitorial, no qual a verdade era um dom restrito a uma religião (Católica). O povo acomodado em siglas como Demos, Tucanos, Malufistas (PP), PasPalhoS ainda não aprenderam nos oito anos de governo que ficar disseminando o ódio e o rancor não os leva a ter empatia com os brasileiros? 

Vale aqui lembrar o que aconteceu com uma das figuras mais bizarras da política nacional, aquele senador tucano lá do Amazonas que todo dia estava no Jornal Nacional xingando, ofendendo e usando de basófia contra Lula e quando nas eleições de 2006 foi concorrer a governador do AM, teve míseros 5% dos votos. Ou aquele sub-político que é ACM Neto, que se pensou herdeiro de um tempo de trevas que cobriu a Bahia e se viu reduzido a sua real dimensão de filhote de vida curta – até mesmo com dificuldade de garantir a sua reeleição para a Câmara Federal em outubro. 

Impressiona o ódio. Chega a causar espanto tamanha estultice que se escondem por trás da cegueira. E olha que a eleição ainda não está definida, ainda que é bem provável que a decisão pró-Dilma aconteça já no 1º turno… 

Manipulada pela mídia, a oposição ficou oito anos batendo no PT e no Governo Lula. Foi  sempre a mídia que determinou o comportamento virulento, rancoroso e de frustração de figuras como Pedro Simon (um leão ético no Senado, um conivente coadjuvante da roubalheira tucana no RS), de Álvaro Dias, de Demóstenes Torres – que até hoje não conseguiu provar que era verdade aquela encenação do grampo da sua conversa com Gilmar Mendes. De sã consciência: quem vai perder tempo com esta figura esdrúxula que é o senador goiano? 

Pois bem… manipulada pela mídia, seduzida pelos holofotes, confortada em seu ego pelos espaços nos jornais, na programação das rádios e tudo mais, a oposição não teve competência de apresentar um projeto alternativo de poder. Criou e se alimentou de factóides. Viveu fomentando escândalos, quando os que ‘estouraram’ neste governo do PT, foram na verdade gestados nos tempos de FHC – quando a PF não podia investigar. Não será com mentiras que a oposição (e nem as empresas de comunicação como mandaletes deste povo rancoroso) conseguirá deter a determinação dos brasileiros de continuar construindo um País onde nós, nossos filhos e e nossos netos poderão viver com dignidade…