Mano Brown e a justiça social do Serra

22 05 2010




Serra, o professor aloprado

22 05 2010


É por estas e outras que a educação em São Paulo é este show… E para quem não sabe, uma informação muito especial: Paulo Renato Souza, o pior ministro da Educação da história recente do Brasil foi o Secretário de Educação do Serra. E ele quer voltar a comandar a educação no Brasil. Não pode ter sido só por coincidência…





Serra, uma mente que brilha

22 05 2010


Imagina o Serra negociando com o FMI… porque com tucano na presidência, o Brasil voltará a ser subordinado ao FMI…





Decisão no 1º turno?

22 05 2010

Até as chamadas ‘Organizações Serra de Comunicação e Manipulação da Realidade’ estão sem saber como fazer para esconder o naufrágio da candidatura do maior dos mentirosos políticos em atividade no País. Serra é mentiroso nato e falso contumaz, a começar pela profissão – não é engenheiro como se apresentou quando candidato ao Senado por São Paulo; não é economista como colocou na ficha quando preencheu os dados para se candidatar a Governador de São Paulo e como professor, ele mesmo confessa, nas suas aulas ia quem queria, sem fazer chamadas ou provas.

Mas tudo isto poderia ser um grande engano na hora de preencher formulários, em lugar de dizer que não tinha profissão, optou por inventar. Mas a grande revelação da falta de escrúpulos de José Serra, se deu na eleição para prefeito da cidade de São Paulo, quando ele assumiu, inclusive assinou documento neste sentido, que em hipótese alguma renunciaria ao mandato de prefeito (caso eleito fosse, como o foi), para ser candidato a Governador de Sp na eleição seguinte (2006).

E disse mais o Serra: “que o eleitor jamais volte a votar em quem trair o seu voto, em quem mentir”. E o eleitor está seguindo inclusive esta orientação do Serra, deixando de votar em alguém que inventa profissões que não tem; que mente para o eleitor acerca de seus compromissos.

Hoje, mais do que nunca, o Psdb sabe que sua viabilidade eleitoral em outubro passa por uma imediata guinada na sua ‘proposta’ e não está descartada a subsituição de nomes. Em viagem ao exterior, Aécio tem sido pressionado quase todo dia para aceitar ser vice de Serra – inclusive sendo colocado claramente que uma ‘derrota’ dos tucanos, demos e coligados será de responsabilidade do ex-governador mineiro.

Dilemas de Aécio

Mas a cabeça de Aécio navega em outra realidade. Sabe que tem um mandato ‘assegurado’ de Senador. O que ele tem avaliado é mais simples: considera definida a disputa presidencial em favor de Dilma (quer no 1º ou no 2º turno, uma possibilidade cada vez menor); considera missão quase impossível alavancar a candidatura de Anastasia como seu sucessor nas ‘alterosas’.

Assim, ele precisa do mandato de Senador para não mergulhar no ostracismo de ficar sem mandato e sem algum cargo para acomodar aliados, barganhar favores e mercantilizar apoios. Aécio teme, de outra parte, que Dilma ganhe agora e Lula volte em 2014 – o que poderia adiar para 2018 ou 2022 seu sonho de ser candidato viável a presidente.

A única hipótese que hoje poderia sensibilizar Aécio seria Serra desistir da candidatura à presidência. Ao menos esta é a opinião dos seus muitos amigos aqui em Brasília, inclusive aqueles que dão suporte operacional a ele.

E a eleição entre Dilma e Serra?

Há uma leitura preliminar que indica o naufrágio da candidatura Serra. Ela cai nas intenções de voto de modo consistente e continuado. É preciso fazer verdadeiros malabarismos para escamotear a realidade.

Serra está no seu natural já detectado faz muito pelas projeções, pelas leituras desapaixonadas de pesquisas que indicavam já em 2009, que a ultrapassagem aconteceria e seria irreversível.

Ainda não é possível assegurar que Dilma vencerá a eleição no 1º turno – tese hoje defendida por um número cada vez maior de especialistas em leitura de pesquisas. Mas até memso o DataSerra, ops, DataFolha, mostra que a simulação entre Dilma e Serra aponta a vitória da primeira.

Mas há piores notícias ainda para Serra na pesquisa do grupo de comunicação que lhe dá sustentação: se na pesquisa anterior (15 e 16 de abril), na resposta espontânea a disputa estava acirrada com 13% para Dilma e 12% para Serra, na mais recente amostragem Dilma disparou para 19% e o homem dos porquinhos que espirram ficou com 14%.





No RS, só o Correio do Povo…

22 05 2010

Trascrevo artigo de Juremir Machado da Silva, publicado no Correio do Povo de Porto Alegre (dia 18 de maio de 2010), que me vem pelas mensagens sempre diligentes de João Lobo. Ele trata de um tema recorrente, mas importante: o desespero da direita.

O título é pra lá de sugestivo: Bateu o pavor.

“É importante ser claro, falar a linguagem das ruas e dar nome aos bois. A verdade é uma só: está batendo o pavor na direita brasileira. Dá para ouvir os dentes rangendo. Por um lado, Luiz Inácio brilha mais do que nunca no cenário internacional. O doutor FHC nunca teve tamanho prestígio no exterior. Independentemente do resultado do papo com Ahmadinejad no Irã, o mundo inteiro ficou esperando que o iletrado brasileiro resolvesse a parada. Os norte-americanos, mais caras de pau do que nunca, andam furiosos com o Brasil. Descobriram até os direitos humanos. Cobram de Luiz Inácio o fato de ele ficar negociando com um país que dá chibatadas nos seus opositores. É o roto falando do descosido. Os Estados Unidos são especialistas em amizades com ditadores. A China, por exemplo, nada deve ao Irã em repressão.

O ranger de dentes tem razões de todo tipo. A inveja em relação a Luiz Inácio não para de crescer. Todas as previsões dos conservadores foram por água abaixo. O Brasil vai bem, superou a crise como se ela não passasse mesmo de uma marolinha, a popularidade do presidente é estratosférica, a vida da população mais pobre melhorou bastante e, na política internacional, nunca mostramos tanta autonomia. Passamos de coadjuvante a protagonista. Para completar o quadro de pavor da direita, que não sabe mais o que fazer ou dizer, a última pesquisa do Vox Populi mostra Dilma na frente de José Serra, 38% a 35%. E agora? Dilma, a guerrilheira, a sem carisma, a criatura, começou a decolar e já parece muito palatável para eleitores que antes a viam com alguma desconfiança.

Se os dentes continuarem a bater assim, dá para ouvir o barulho enquanto escrevo, os dentistas é que vão faturar. Muita gente vai precisar de dentadura ou de aparelho. Passei, outro dia, por um luminar da direita e ele parecia desesperado. Estava branco, verde, azulado. Nem me aproximei. O homem falava sozinho, resmungava, vociferava e espumava de raiva. Dava para entender o nome Dilma no seu discurso enrolado. Tem gente que não dorme mais. Alguns buscam soluções mágicas. Outros, tentando permanecer racionais, buscam culpados. Não encontram. Perguntas esdrúxulas se repetem: por que Luiz Inácio não fez como Evo Morales e Hugo Chávez? Aí está: Luiz Inácio não traiu só a esquerda, traiu a direita também. Frustrou-a terrivelmente ao não se comportar como um ditador ou como um “perfeito idiota latino-americano”.

O que dói mais na direita é ver Luiz Inácio trocando abraços, afagos, sorrisos e ideais com os grandes deste mundo. Dói mais ainda ver Luiz Inácio, com seu traquejo social sem berço nem formação, colocando todos à vontade, fazendo até um russo gelado se derreter e fazer piadinha. Basta Luiz Inácio chegar para o clima ficar mais amistoso. Com essa manha, com essa malemolência, com esse jogo de cintura, Luiz Inácio está prontinho para virar secretário-geral da ONU. Espero que isso não ocorra por uma razão humanitária: FHC não suportaria. Não quero o mal de homem que prestou bons serviços ao Brasil. Luiz Inácio que fique, no máximo, com a OEA. Que loucura!”