A morte do ombudsman na Folha

12 06 2010

Para quem gosta de comunicação, o artigo abaixo, que extraí do sítio da Agência Sindical, leia-se Franzin, revela como a Folha de São Paulo resolveu excluir qualquer vestígio de inteligência e democracia de sua redação e também de sua relação com os leitores.

A morte do ombudsman na Folha

Por Eduardo Guimarães

O jornal Folha de São Paulo inovou ao adotar um ombudsman no fim de 1989. Foi o primeiro – e, até hoje, o único – jornal de projeção nacional a empregar um profissional como esse, o que ajudou o veículo a assumir a liderança dos periódicos brasileiros.

Ombudsman é uma palavra sueca de dois gêneros que significa ouvidor atuante em empresas e órgãos públicos, mas que passou a ser mais usada para órgãos de imprensa.

A finalidade do ombudsman de meios de comunicação é a de criticá-los sob a ótica do publico e dos manuais de jornalismo.

Não se pode negar que a Folha teve ao menos um ombudsman de verdade, mas tampouco se pode ignorar que, por agir como tal, ele foi defenestrado.

Refiro-me a Mário Magalhães, que, por conta de colunas críticas acusando o partidarismo atucanado do jornal e a promiscuidade entre opinião e notícia, foi coagido a pedir demissão em abril de 2008.

Magalhães foi substituído por Carlos Eduardo Lins da Silva, que, apesar de ter sido um ombudsman mais “domesticado”, teve momentos de independência em que fez críticas análogas às de Magalhães.

Em fevereiro deste ano, Lins da Silva, que conheci pessoalmente e com quem mantive uma breve e cordial relação de suposta amizade, abriu mão de um terceiro ano no cargo.

Posso afirmar que ele abriu mão de continuar no cargo não só por conta dos ataques de leitores àquele que se tornaria alvo do inconformismo deles com o mau jornalismo da Folha, mas por perceber que o jornal decidira enquadrar o ocupante de tal cargo.

E foi o que aconteceu. Para um cargo que requer independência a Folha escolheu sua ex-secretária de Redação, que por seis anos ficou encarregada de ignorar as pregações desesperadas dos ombudsmans contra a crescente partidarização do jornal.

Desde 25 de abril, Singer vem publicando colunas dominicais na Folha que cumprem o objetivo de eliminar as acusações de engajamento político pró-PSDB e anti-PT que os três ombudsmans anteriores fizeram ao jornal.

Não era para menos. Em seu período à frente da Redação da Folha, Singer trocava mensagens (públicas e privadas) com os ombudsmans repudiando suas acusações de manipulação.

As colunas publicadas pela nova “ombudsman” desde 25 de abril têm se restringido a amenidades e se esquivado de abordar o viés político da Folha que lhe gera centenas de e-mails de protesto todos os dias.

A morte do cargo de ombudsman na Folha é emblemático do processo de decadência da grande imprensa brasileira, transformada em um partido político dissimulado que vem flertando, inclusive, com a criminalidade.

Eduardo Guimarães no blog da cidadania

Anúncios

Acções

Information

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: