Nova pesquisa confirma: Dilma na frente

24 07 2010

Não gosto de comemorar pesquisas, porque elas não passam de retratos momentâneos – mas quando estas pesquisas trazem indicativos construídos na continuidade de cenários oa longo do termpo. Observemos que, faça chuva ou sol, Serra está ali, feito mula, empacado nos 35% – oscilando para baixo (como parece ser a nova tendência) e subindo um bocado, mais decorrência da tortura de números do que como parte de uma estratégia de fortalecimento.
Dilma tem 41% e ninguém de sã consciência haverá de dizer que apresenta qualquer sinal de fadiga em sua escalada. Ainda tem uma espectro de 18% para crescer – os que querem votar no candidato de Lula, mas não sabem quem é.

Riscos de Serra

Mas as pesquisas, por serem retratos de momento, indicam algo ainda mais assustador para o Serra: a debandada por parte de aliados, o chamado processo de ‘crisatianização’ de sua candidatura. Quem gostará de andar com um cadáver pesado no bolso?
Se tem algo que os políticos dominam com rara maestria é o chamado instinto de sobrevivência. Anastasia que o diga. Alckmin também, ao criticar os pedágios de Serra e dos tucanos…
Ou seja: vai ficar pendurado no pincel, sozinho com o índio – nu, sem documento e cantarolando para os amigos da mídia.
Talvez a dor e a angústia de Serra sejam arrefecidas amanhã, quando virá a pesquisa do DataSerra – mas terão de torturar muitos os números para extraírem outra realidade.
Enfim… agora o que nos resta é esperar pelo começo da campanha pelo rádio e TV, quando então sim se produzirá o ápice da cristianização de Serra.
Cabe lembrar que tenho dito faz tempo que a perspectiva de haver 2º turno em SP é a certeza de vitória da Dilma já no 1º turno.

Matéria do Uol

Transcrevo o material do Uol, porque é o mais ordinário de todos na abordagem da pesquisa. Percebe-se em cada entrelinha o ódio, o nojo e a raiva de Lula, Dilma, PT e do Brasil e dos Brasileiros.

Vox Populi: Dilma tem 41% das intenções de voto; Serra registra 33%

Do UOL Eleições
Em São Paulo

Pesquisa realizada pelo instituto Vox Populi e divulgada nesta sexta-feira pelo Jornal da Band mostra a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, com 41% das intenções de voto, contra 33% de José Serra (PSDB) e 8% de Marina Silva (PV). Num eventual segundo turno, a petista venceria o ex-governador de São Paulo por 46% a 38%.

José Maria Eymael (PSDC) contabilizou a preferência de 1% do eleitorado. Votos brancos e nulos somaram 4%, contra 13% dos eleitores que se disseram indecisos. Trata-se da primeira pesquisa realizada após o início oficial da campanha pelo Palácio do Planalto.

Na pesquisa espontânea, Dilma obteve 28% das intenções de voto, ante 21% de Serra e 4% de Marina. O ex-governador de São Paulo é ainda o candidato com a maior taxa de rejeição, com 24% dos eleitores tendo declarado que não votariam nele em hipótese alguma, ante 20% para a candidata do PV e 17% para a ex-ministra-chefe da Casa Civil.

No levantamento anterior, realizado no final do mês de junho, o Vox Populi contabilizou 40% das intenções de voto para a petista, contra 35% para o tucano e 8% para a candidata do PV.

A margem de erro da pesquisa é de 1,8 ponto percentual para mais ou para menos. O instituto entrevistou 3.000 eleitores entre os dias 17 e 20 de julho. A pesquisa, encomendada pelo IG e pela Bandeirantes, foi registrada no TSE com o número 19920/2010.

Cristianização – o que é?

Muito tem se falado em ‘cristinizar’ o Serra. Fui buscar na internet e acabei encontrando esta explicação no blog http://gilsonsampaio.blogspot.com e transcrevo abaixo

O QUE É CRISTINIZAÇÃO

GilsonSampaio

Eram três, os candidatos a presidência do país em 1950: Getúlio Vargas, Brigadeiro Eduardo Gomes e Cristiano Machado, respectivamente, PTB, UDN e PSD.

Tirando o tema de campanha de Getúlio, ‘Ele voltará’, os outros dois eram ridículos com vizinhança na demência.

Vote no Brigadeiro, ele é bonito e é solteiro – a reserva moral da nação!

Vote Cristiano – a cigana não se engana.

Com esses dois temas não dava mesmo para ganhar. Gegê ganhou, mas, não é o que importa agora. Vamos à cristianização.

O PSD era fortíssimo e rival natural da UDN. O mineiro Cristiano Machado foi indicado candidato à presidência sem muita convicção dos seus correlegionários. Prevendo que a presidência poderia cair nas mãos da UDN, o PSD traiu seu candidato às largas, de manhã, de tarde, de noite, com chuva e sem chuva, com sol e sem sol, e sem o menor resquício de constrangimento ou pundonor, afundou a candidatura de Cristiano ao bandear para os lados de Getúlio.

Taí. Cristianização é igual a traição.

Qualquer semelhança com os tempos de hoje, não é mera coincidência. É só ficar atento às montanhas mineiras, à caatinga e sertão do nordeste, às praias cariocas e à baixada fluminense, à floresta amazônica, ao pantanal. Só o sul mais europeizado ainda não deu sinais.

Pros candidatos miúdos, deputados e senadores, mais importante que uma possível posse de Serra, é garantir seus mandatos. Como fazê-lo sem falar mal da candidata do Lula? É um problema que se assemelha como a quadratura do círculo. A traição é muitas vezes mais fácil. Traição, não. Esse é um termo feio, usemos o eufemístico ‘cristianização’.

ET: Cristiano acreditou quando uma cigana disse que ele seria presidente ao ler suas mãos. O panaca acreditou.

Não. Não sei dizer se a Fundação Cacique Cobra Coral fez alguma previsão.