Fechando o cerco contra Roriz

9 08 2010

Como o pessoal do PT é muito ruim de assessoria de imprensa, o negócio é a gente tratar de ir se virando do jeito que dá. Na verdade, bem que o pessoal poderia fazer um cursinho de fim de semana de como se faz assessoria de imprensa…
Mesmo assim, aí vai a notícia veiculada no portal do Uol:

09/08/2010 – 17h15

Bancada do PT entra com ação no Ministério Público para investigar denúncia contra Roriz
Camila Campanerut
Do UOL Eleições
Em Brasília

Os deputados distritais da bancada petista Cabo Patrício, Chico Leite, Erika Kokay e Paulo Tadeu protocolaram na tarde desta segunda-feira (9) uma representação no MP-DFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) pedindo uma investigação sobre a denúncia contra o candidato ao governo do DF, Joaquim Roriz (PSC).

A ação pede uma análise minuciosa do órgão sobre reportagem da revista Veja desta semana, segundo a qual Roriz foi flagrado em vídeo entregando R$10 mil a André Alves Barbosa, suposto “laranja” dele em imóveis e operações bancárias.
Leia também

Roriz não quis comentar o assunto mas, por meio de seu assessor de imprensa, Paulo Fona, afirmou que entrará até esta terça-feira (10) com uma ação contra André Alves Barbosa, a revista e o jornalista Diego Escosteguy, autor da reportagem.

Segundo Fona, Roriz foi vítima de extorsão por parte de André Barbosa que “cobrou” R$ 50 milhões pelo vídeo – que mostra o recebimento de maços de dinheiro das mãos de Roriz – para que as imagens não fossem divulgadas. O valor chegou a cair para R$ 30 milhões, mas ainda assim, o ex-governador do DF se recusou pagar e continuar o contato com o rapaz, neto de Geraldo Barbosa, amigo de Roriz há mais de 40 anos.

Roriz alega que teria dado o dinheiro para ajudar o avô do rapaz, que estaria doente e teria de pagar um advogado, justificou sua assessoria de imprensa.

Ainda de acordo com a reportagem, o vídeo foi oferecido a outros adversários políticos de Roriz, mas não foi comprado até ter seu conteúdo divulgado na revista. A reportagem também cita o nome do deputado Alberto Fraga (DEM-DF), candidato ao Senado. Fraga não quis se pronunciar sobre o assunto.

A candidatura de Roriz foi rejeitada pelo TRE-DF (Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal), mas os advogados dele já entraram com recurso no próprio tribunal e ele continua em campanha na região.

Na semana passada, o tribunal decidiu, por 4 votos a 2, barrar o candidato da disputa eleitoral, dentro do que prevê a Lei do Ficha Limpa, por ter renunciado ao cargo de senador, em 2007, para escapar de um processo por quebra de decoro parlamentar. Além disso, o Ministério Público Eleitoral também apontou uma pendência dele com a Justiça Eleitoral, de R$ 5 mil por propaganda antecipada.





Quem, ainda, quer Serra?

9 08 2010

Confesso estar preocupado. Tenho conversado com amigos, com especialistas e com pessoas dos mais diversos e distintos matizes ideológicos, conceituais e apego a agremiações clubísticas. E me deparo sempre com a mesma informação: por aqui, o Serra não existe!
Pensei tratar-se até mesmo de uma estratégia tipo aquela de sumir com a pessoa para depois fazê-la voltar em sua plenitude, numa volta triunfal. Na verdade, depois me lembrei que esta tinha sido a ideia genial de FHC ao entregar o Brasil mais parecendo um esmoleiro do que um País. FHC sonhou, e por isso também o seu ódio em relação a Lula, com o naufrágio do governo do PT e com a sua volta ao poder – sabe-se até que entre seus mais próximos apoiadores havia alguns monarquistas (como, por sinal, o vice do Serra, que sumiu do cenário depois de impor a Veja a obrigatoriedade de publicar um direito de resposta do PT, também é monarquista). E estes urdiam um desejo: FHC voltaria ao poder e proporia um plebiscito para restaurar a monarquia e o rei seria ele…
Portanto, esta forma de fazer política com o retorno triunfante já tinha dado com os burros na água neste episódio de 2002/2003. Mas o que mais poderia estar urdindo a turma de Serra? Fabricar dossiês, criar, com apoio de segmentos da PF, novas ciladas do tipo dos aloprados? Ou quem sabe repetir o esquema da Lunus, com a Roseana Sarney em 2002? Ou jogar sujo como ele jogou antes de 2002 inclusive com aliados do PSDB?
Estou começando a me convencer de que esta eleição vai deixar o Serra do tamanho que ele é. E também haverá um novo retrato do poder da mídia. E os chamados formadores de opinião poderão observar que a sua capacidade de influenciar o pensamento alheio está muito aquém do que os seus egos insuflados imaginam.
E isto que nem começou o horário eleitoral, quando então sim nãos erá mais possível escondera vinculação de Dilma com Lula. E nem a tal de Sandra Cureau poderá fazer seus histriônicos e circenses espetáculos.
Aí que reside a minha maior dúvida: qual a mágica e a sujeira da qual se valerão para evitar o vexame em nível federal, tendo em vista que em nível estadual, cada qual está fazendo a sua parte e deixando o Serra de lado?
Circulo muito pelas ruas aqui no DF e ainda hoje passei diante do Comitê Central da candidatura impugnada do Roriz: lá estão cartazes e nenhuma menção ao nome do presidente (e olhe que o PSDB faz parte da coligação da turma do Arruda e do Roriz). O mesmo me dizem que acontece em Goiás, em Minas, em Pernambuco, no RS, em SC e até São Paulo…
Indo para os segmentos sociais, os trabalhadores não querem, os catadores de lixo não querem, os servidores públicos não o querem, o sistema financeiro não o quer, a indústria nacional não o quer, os micro e pequenos empresários urbanos querem distância dele, o pessoal da agricultura familiar sabe que ele é inimigo… Ele ficou, pelo visto, com a mídia, a TFP, a Opus Dei,a turma doente da CNA (que defendo o latifúndio mesmo improdutivo, como moeda de especulação e lavagem de dinheiro) sob o comando da Kátia Abreu e os permissionários das rodovias paulistas…
Ou seja: além destes que são contra o Brasil, quem ainda quer Serra?





Enfim, notícias…

9 08 2010

Somente no final da tarde de domingo, 8, é que surgiram algumas informações sobre a matéria da Veja sobre o vídeo do Roriz em blogs aqui do DF. Depois da edição ter sumido das bancas, comprada que foi por misteriosos leitores adesivados – adivinha de qual candidato?
Mas, o mais estranho de tudo foi o destaque dado aos esclarecimentos. Tudo assim publicando na íntegra a versão dos releases. Nenhum questionamento. Nenhuma dúvida.
Vamos ver os jornais de amanhã. Ainda bem que na terça-feira tem o Passe Livre…