Roriz e Serra em baixa no DF

2 09 2010

Se até o Correio Braziliense, típico subproduto do pior jornalismo brasileiro, reconhece que Agnelo lidera a disputa ao Buriti, imagine-se o que será a realidade. É preciso entender que hoje a opção por Roriz sobrevive nos grotões. Além dos números ndas pesquisas, há algo mais a preocupar Roriz e isto se manifesta na contudência de suas agressões verbais e na treuculência de seus meliantes, melhor, pseudo-militantes.

Ele sabe que está perdido. Ele sabe que muitos candidatos a distrital pegam os tickets de combustível e vendem – porque sabem que a aventura eleitorald ele é totalmente furada. Roriz vive a mesma situação eleitoral de Serra: derrotados, apelam. Como diz um velho aforisma dos tempos de infância: apelou, perdeu.

E o que não tem faltado são agressões. No Riacho Fundo é assim. No dia do julgamento do TSE foi assim. Ontem à noite ao final do debate na Associação Comercial do DF também foi assim, tanto que os marginais contratados para causar tumulto impediram que o vice de Agnelo, Tadeu Filipeli, saísse do prédio.

A pesquisa a seguir foi veiculada no Correio Braziuliense de hoje e mostra que Agnelo, Dilma, Rorigo Rollemberg e Cristovam Buarque são os preferenciais no DF.

Agnelo lidera corrida pelo GDF; para o Senado, Cristovam está na frente
Publicação: 02/09/2010 05:00 Atualização: 02/09/2010 11:42
Em pesquisa realizada pelo Instituto CB Data (1), o candidato do Partido dos Trabalhadores, Agnelo Queiroz, tem a liderança das intenções de voto para governador do Distrito Federal com 40%. Joaquim Roriz, do PSC, vem em segundo lugar com 34%. A margem de erro é de 3%, para mais e para menos.

A vantagem do candidato do PT refere-se à abordagem estimulada, quando uma lista com o nomes dos candidatos é apresentada. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE-DF) com a inscrição 28640/2010 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 27326/2010. Os questionários foram aplicados a 1.100 eleitores do Distrito Federal entre 29 e 31 de agosto.

Toninho do PSol aparece em terceiro lugar com 2% das intenções, seguido por Eduardo Brandão, do PV, que tem 1%. Os outros candidatos não pontuaram. Os votos nulos totalizaram 8%. Já os brancos e indecisos somaram 14%. A rejeição de Roriz é de 38%, contra 23% de Agnelo.

Planalto

A candidata do PT ao Planalto, Dilma Rousseff, também tem a preferência do brasiliense, com 42% dos eleitores. José Serra (PSDB) aparece em segundo, com 22% das intenções, seguido por Marina Silva (PV), que receberia 15% dos votos.

Dilma também lidera a disputa na pesquisa espontânea, quando não é apresentada uma lista com os nomes dos candidatos. Ela tem com 36% das intenções, seguida por Serra, com 17%, e por Marina, com 13%. Quando o assunto é rejeição entre os três mais bem colocados, 36% não votariam em Serra, 28% em Marina e 25% na postulante do PT.

Senado

Para as duas vagas que estão sendo disputadas no Senado Federal, Cristovam Buarque, do PDT, aparece com 49% das intenções de voto, seguido pelo companheiro de coligação Rodrigo Rollemberg (PSB) com 31%. Maria de Lourdes Abadia (PSDB) é a terceira com 26% e Alberto Fraga (DEM) tem 10%. Chico Sant’Anna (PSol), Milton Tadashi (PTN), Robson (PSTU), Rosana Chaib (PCB) e Gerônimo (PSL) somaram 1% cada.

Metodologia
Como em 3 de outubro os eleitores escolherão dois senadores, para ter um quadro das intenções de voto o Instituto CB Data formulou perguntas de respostas múltiplas, situação em que mais de uma opção é anotada. Assim, explica o coordenador da pesquisa, Adriano Cerqueira, a soma dos percentuais de todos os candidatos chega a 200%, pois cada entrevistado apontou dois nomes entre a lista apresentada. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do DF sob o número 28640/2010 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 27326/2010.

1 – CB Data
» O Instituto CB Data foi criado em 2006 e atende exclusivamente a demanda do Correio Braziliense por pesquisas eleitorais. O Instituto CB Data, a exemplo do EM Data, que trabalha para o jornal Estado de Minas desde 2002, não atende partidos políticos nem candidatos. Nas eleições de 2006, o CB Data realizou seis pesquisas de opinião durante a campanha no DF.




Oposição, mídia e judiciário preparam o golpe

2 09 2010

Assumindo a derrota nas urnas, logo eles que pensavam que seriam aclamados como os salvadores do caos, os tucanos armam o circo para preparar o terreno para um golpe ou apostar na ‘ingovernabilidade’ pelo verdadeiro inferno que pretendem criar caso Dilma Rousseff confirme nas urnas em 3 de outubro o que apontam as pesquisdas.

É importante dizer que o governo Lula em muito contribuiu para este estado de coisas em três instâncias.

Primeiro, ao manter na Secom um grupo com um modo de agir tucano – marcado pelo cinismo, pela hipocrisia e pelo reiterado culto aos padrões do mercado. Qual outra justificativa para o governo despejar generosos milhões de reais.

Em segundo ao render-se ao poder das bancas na indicação de ministros ao STF – sendo que estas sempre usaram Marcio Thomaz Bastos como mensageiro de seus intereses junto ao presidente. A manutenção de um Supremo com um viés reacionário não condiz com as indicações de um governo democrático e popular.

Em terceiro, ao não fortalecer os mecanismos alternativos e populares de comunicação. E neste ponto volta-se outra vez para o nefasto papel cumprido pela Secom. Dizer que houve a pulverização na liberação dos recursos é misturar alhos com bugalhos. Distribuíram recursos sim, mas para representantes da mesma velha e preconceituosa mídia, valendo-se dos mesmos mecanismos de protecionismo político. A ‘pulverização’ não contemplou com um montante específico – 40%, o que seria o mínimo – para rádios, jornais e tvs comunitárias.

A Secom com suas mentiras e sua manipulação afronta a inteligência de qualquer pessoa que consiga viver sem o cabresto da conveniência. E hoje o governo e a sociedade pagam o duro preço do padrão tucano de legalismo e de hipocrisia.

A bem da verdade, a única rede de sustentação que o governo ainda mantém é pela internet, onde o trabalho militante acontece. Enquanto o governo despeja milhões na Veja, os blogueiros que fazem a resistência penam para defender o emprego do pessoal da Secom. Estranha e absurda ironia.

É dentro deste quadro que a oposição arma, de modo descarado na repetição da aliança entre a mídia e o Judiciário, o cenário para um golpe e, este não podendo acontecer, para a infernalização do mandato de Dilma.

Volto a dizer: boa parte da culpa de trudo que acontece hoje foi pela prevalência do modo tucano de agir de muitos pseudo-petistas.