Três cores de emoção

2 03 2011

O Bruno Henrique, gremista de paixão e entrega, fez uma edição de imagens muito legal tendo como música Três cores de emoção – letra de Alfredo Bessow e música/voz do Lucas Araújo.
Valeu Bruno Henrique e que Deus sempre te mantenha este menino talentoso e especial.





Taça das Bolinhas: Serra é o vencedor

1 03 2011

Pesquisa realziada pelo blog do Passe Livre mostrou que, para os internautas, a famigerada Taça das Bolinhas – razão de antiga disputa entre Flamengo e São Paulo e cuja discussão ganhou força com a ordem da Globo para que a CBF reconhecesse o título do Flamengo de 1987 – quem merece levar o troféu para casa é José Serra.
Foi o seguinte o resultado geral:
1 – José Serra com 48,78%
2 – Rede Globo com 21,95%
3 – Flamengo com 14,63%
4 – São Paulo com 12,2%
5 – Eurico Miranda com 2,44%
Ou seja… aqui, Serra, o azedo, venceu!





Viva a pirataria: enigmas do futebol e o preço das camisetas

9 02 2011

É claro que torço para o Grêmio e se já escrevo compromissado e emocionalmente amparado quando trato de política, imagina como será meu escrever sobre futebol onde em meu coração há três cores?
Gosto de futebol tanto na condição de quem jogou como de quem já ‘fez’ futebol pelo rádio. Perdi um pouco o gosto, até porque tenho a convicção firmada de que os jogadores/atletas venham partidas, jogos – mas quem define e ganha competições são os esquemas comerciais.
E falo isto não apenas lembrando do Corinthians em 2005; mas também o Inter contra o Nacional na Libertadores de 2006, a palhaçada do juiz que deu o título para o Flamengo contra o Atlético Mineiro no Serra Dourada e muitas situações que fizeram com que eu definitivamente deixasse de lado a crença na supremacia dos jogadores e passasse a ver apenas as armações.
Mas a minha maior indignação se dá com este verdadeiro acinte do preço das chamadas camisas oficiais. Vamos usar apenas como referência: a melhor camisa social brasileira é produzida pela Dudalina, de Blumenau. É talvez uma das melhores do mundo – em qualidade do material utilizado e também do acabamento. Uma camisa assim custa em média R$ 200,00 – vem acondicionada em caixa, com proteção para golas, etc. Pode parecer estranho, mas é quase artesanal a produção de camisas sociais, tendo em vista que inclusive pode ser requerida a aplicação das iniciais dos nomes – uma distinção que a despeito do seu caráter de exclusividade, anda um tanto quanto esquecida.
Pois bem… e daí os clubes de futebol do Brasil querem vender suas camisetas oficiais por preços escorchantes de R$ 189,00 – que é quase um monopólio. E depois reclamam da pirataria! Estou esperando que algum clube tenha a capacidade de ser inteligente e colocar uma camiseta a venda por R$ 60,00 reais – por exemplo. Duvido que não seja possível confeccioná-la e ter lucro, possibilitando ao seu torcedor o uso de produto original.
Estas camisetas de clubes são feitas em larga escala, praticamente numa linha de montagem e não há nada que justifique o seu elevado preço. Eu gostaria que o meu Grêmio, por exemplo, tivesse um departamento de marketing competente e tratasse de inverter esta perversa lógica que empurra, que obriga o torcedor a optar pela pirataria. Mas em se tratando do meu Grêmio eu já desisti, porque aquele povo de lá não é capaz de entender lhufas e nem ter idéias próprias – talvez o Grêmio seja o último reduto onde a visão de que o time e o clube pertence a famílias seja uma espécie de norma.
Tenho absoluta certeza se um time vender as camisetas por R$ 50 ou R$ 60, terá muito mais lucro e irá esvaziar o mercado dos piratas.
Mas parece que a estultice é norma e particularmente no marketing esportivo, os dirigenets em nosso País ainda andam de ‘gatinho’, preferindo esquemas e privilegiando famílias, em detrimento da ousadi a edo respeito ao torcedor.





Brasileirão 2010: Quando o juiz decide…

21 11 2010

Cá entre nós…
Este juiz que hoje ajudou o Fluminense no jogo contra o São Paulo é o mesmo que garfeou o Grêmio no jogo no Rio contra o Flu – quando ele operou direitinho. Para quem não lembra, naquela oportunidade, 1 a 0 para o Flu, o zagueiro do pó de arroz simplesmente atropelou Jonas. Dentro da área. E o juizinho mequetréfe ficou com aquela cara de bobão dele. Mas, no fundo, bobos somos nós…
Ou seja: nos momentos decisivos, o apito do Heber faz a diferença.
Ele está para o Flu como o Gilmar Mendes está para o Dantas: sempre a postos para salvá-lo.





Serra e Globo mentem: 2º objeto nunca existiu!

22 10 2010

Antes de começar:
A Globo mente. O Serra mente.
Vejam neste blog a prova de que o 2º objeto é ‘adição’ gráfica. Ou seja: pilantragem.
Méritos na difusão do blog acima devo ao twitter da @Alice_Alvarez – que por sua vez foi informada pelo pessoal do Tomando na Cuia (@tomandonacuia).
Nunca esquecendo: Molina é especialista em ‘voz’. Mas hoje se sujeita a qualquer serviço. Atuou no caso Nardoni, tentando inocentar assassinos. Já foi desmascarado pela PF. É apenas um venal a mais a serviço do Serra.

Isto posto…

Eu bem sei que está todo mundo estressado.
Esta reta final de campanha vai ser um ‘Deus nos acuda’ da gota serena.
Hoje, por exemplo, circula a edição 465 do Jornal Passe Livre – na rodoviária de Brasília com 150 mil exemplares (pró Dilma e Agnelo e sem apoio de ninguém, mas que sobrevive graças a ação de amigos sonhadores tais quais este que vos escreve). E semana que vem será diário – de terça a sábado…
Eu sei que está em curso uma batalha muito interessante. De um lado a Record e o SBT. De outro a Globo e suas afiliadas operacionais e aliadas da imbecilidade (Band, RedeTV, etc).
Uma pena que o Governo Lula não teve culhão para, a exemplo do que fez Getúlio, apoiar a criação de um grande jornald e circulação nacional e que neste momento poderia fazer um contraponto as asneiras da Folha e outros papeis de embrulho.
Na medida em que os tucanos desdenham a diferença de 12 pontos pró-Dilma que os institutos apontam, quero lembrar que prefiro estar 12 na frente do que um atrás…

E sobre o azul e o vermelho?

Acontece que muito além das questões políticas, domingo – dia 24, tem Grenal. Assim, neste domingo sou azul. Espero que o Grêmio ganhe – confirme o melhor momento e tudo mais.
Assim, mesmo sendo gremista, vou fazer minha festa em vermelho no domingo dia 31. Mas neste caso, será a festa de todo um Brasil que luta, sonha, espera e quer fazer de todos os brasileiros parte de suas conquistas.
Nós não podemos aceitar a volta daqueles que querem o Brasil apenas para bancar os sonhos das elites. Eu quero, sonho, defendo e luto por um Brasil que seja meu, seu e de todos os ‘eus’ que se esparramam Brasil afora.
Assim, no domingo (dia 24), estarei na ponta das chuteiras de cada um dos jogadores do Grêmio, na possibilidade de uma cabeça para salvar e nas luvas de milagres de Victor – como um dia foram de Mazaroppi.
Depois, no outro domingo (dia 31), meu coração estará no coração de todos aqueles – e aquelas, para não ferir suscetibilidades – que, com o seu coração, com os seus sonhos, estaremos ajudando o Brasil eleger Dilma.





Domingo sem futebol

3 10 2010

Claro, hoje é dia de eleição.
Hoje é dia de votarmos para que o Brasil continue mudando.
Mesmo distante, torço para que o meu Rio Grande deixe de ser manipulado pela RBS e eleja um governador que nos dê orgulho. E que este governador não fique de joelhos para a RBS. E que a futura presidenta do Brasil não trate a RBS com tanto dinheiro como o governo do Lula tratou.
Hoje é dia de nós, que vivemos, que escolhemos o DF para viver, morar e criar nossos filhos, começarmos a enterrar a página mais nefasta, vergonhosa e deprimente da nossa incipiente vida política local. É preciso enterrar Roriz, Arruda, PO, Rosso, Estevão e tantos outros e começar a reconstgruir o DF.
Por contraditório que seja, ao menos para mim, hoje é dia de torcer pela vitória de Anastasia em Minas – porque será insuportável ver um funcionário da Globo como governador das Gerais. Este mesmo funcionário da Globo que enquanto Ministro das Comunicações desencadeou sistemática, violenta e fascista campanha contra as rádios e tvs comunitárias. Que os petistas mineiros me perdoem, mas foi um equívoco o poder central determinar a aliança com Hélio Costa.
Ainda que hoje seja dia de eleição, nunca custa lembrar de futyebol e daí saudar o crescimento do Grêmio. Comendo pelas ‘berada’, está em 8º – o que é muito para quem, faz pouco, estava em penúltimo.
Está a 3 pontos do Atlético Paranaense – contra quem jogará na 35ª rodada (21/11 às 16h no Olímpico) – que seria o 4º clube brasileiro na Libertadores de 2011.
Eu acredito que o futebol brasileiro recuperará esta vaga, afinal de contas trata-se de algo que já estava valendo quando a competição (Brasileirão) começou e que portanto não poderia mudar durante o desenrolar da competição.
De qualquer sorte, são nove pontos longe do Cruzeiro (contra quem o Grêmio joga no Olímpíco na 30ª rodada, dia 17/10 às 16h). Mas se os ponteiros da competição continuarem vacilando e facilitando como na rodada do fim de semana (antes das eleições), não duvide…
Basta lembrar que antes da bola rolar no sábado, dia 2/10, o Grêmio estava a 15 pontos do Flu (51 a 36). Terminados os jogos, ficou a 13.
Sonhar, nunca é demais…
Por falar nisso, estimado leitor: você já votou para transformar em realidade o nosso sonho de continuar mudando o Brasil?





O Dunga me obrigou a torcer pelo Brasil

23 06 2010

Todos nós somos movidos por ódios e paixões. A razão é só uma fuga, quando o coração está em dúvida. Desde a confirmação do Dunga como treinador, tinha decidido torcer pra Argentina. Eu sabia que Dunga era vingativo demais para perdoar Ronaldinho pelos dribles humilhantes em um Grenal de 1999. Também sabia de antemão que jamais convocaria Vitor, por ele jogar no Grêmio.

Também sei, por gaúcho que sou, que Dunga sempre foi um cara de direita, inclusive apadrinhado e fazia campanha para o povo da Arena e do PDS. Certamente é eleitor do Serra. Da Yeda. Enfim, politicamente é um cara que não possui uma visão do que seja o compromisso com os setores e segmentos democráticos da sociedade.

Certo de minhas convicções, passei a torcer pela Argentina. Afinal de contas, ela tem Messi. Tem Maradona. E não tem Dunga.

E assim fiquei com as minhas convicções e minhas certezas.

Mas a Globo me fez mudar de idéia. Depois do jogo do Brasil contra a Costa do Marfim.

Dispensei a camiseta da Argentina. Comprei duas da Seleção Brasileira.

A Globo fez eu mudar de idéia.

Ao partir para o ataque contra o Dunga, que por sua vez revidou bem no seu estilo de jogador limitado, mas disciplinado, o povo da Globo não sabia que havia em Dunga um viés de dignidade que anda ausente dos nossos homens públicos, todos babões da Globo. Ao afrontar a poderosa Globo – algo que nem o Lula com seus mais de 80% de avaliação positiva teve coragem – Dunga mostrou que é possível ter dignidade e não aceitar o achincalhe de quem se pensa dona do Brasil. Lula, por sinal, nesta questão de manter o apoio financeiro aos veículos que batem no Brasil revelou que o pragmatismo em excesso é pernicioso poara o Brasil. Mas também o que dizer, se este memso Lula transformou o seu governo numa pequena sucursal da Globo?

Voltando ao Dunga…

Ao afrontar a Globo. Ao não permitir as exclusividades e benefícios dos deuses da Globo, Dunga revelou ao Brasil que é possível sim dizer não à chantagem. O Lula, que recebeu o Dunga antes dele ir para a África, deveria chamá-lo a um canto e perguntar: de onde você tirou esta coragem. Sim, o Lula precisa imitar o Dunga e mandar o pessoal da Globo pra merda.

Mas o Lula não é Dunga, infelizmente.

Mas foi o colorado Dunga. O antigremista Dunga, com sua hombridade, com sua coragem, quem fez eu torcer pelo Brasil de novo. Mas eu queria que esta coragem do Dunga contaminasse o Lula, ele que gosta tanto de futebol – mesmo sendo torcedor do Corinthinas (time, onde, por sinal, Dunga também andou quebrando a bola).

Há duas chagas no governo Lula – uma é esta dele mandar seu governo ficar de joelhos e despejar dinheiro nos veículos que são contra o Brasil (grupo RBS, Folha, Globo, Veja, Estadão, Band e alguns gatos pingados). O outro é deixar esta raposa do Meirelles tomando conta do galinheiro.

Mas ainda bem que temos o Dunga. Ele mando a Globo para o lugar dela: para ser igual a qualquer outra emissora. Não é possível tolerar esta chantagem permanente. Quem é jornalista. Quem já trabalhou em qualquer veículo, sabe que os coleguinhas da Globo são uns profissionais muito filhos da puta. Não repseitam os colegas de profissão. Tivéssemos um Conselho Nacional de Jornalismo e eles certamente seriuam proibidos de exercer a profissão. Tal a arrogância. Tal a empáfia.

Claro que o exercício da arrogância deles é amparado na babação de ovos de quem vai ser entrevistado. Pode ser o Lula. Pode ser o sindicalista. Pode ser quem quer que seja. Eles gostam de endeusar o povo da Globo.

Mas ainda bem que temos o Dunga. O Dunga foi o primeiro – depois do velho Brizola – a  ter culhões para mandar o povo da Globo pro raio que os parta.

Digo mais: o Dunga não foi contra a Globo. O Dunga foia  favor do Brasil.

Digo: o Dunga não foi contra os jornalistas. O Dunga foia  favor da igualdade.

Insisto: o Lula precisa se espelhar no Dunga. Precis ater culhões como Dunga e Brizola tiveram. Precisa aprender que não pdoe uma empresa de Tv – que é concessão do Estado – estar acima da Lei (como neste episódio da TV Globo SP).

A Globo vive de chantagear o Governo, o PT e tudo mais porque o Brizola se foi e o Dunga é um só. Claro que vai perder o emprego depois da Copa. Mas ele mostrou uma dignidade que é rara neste País onde os políticos de TODOS os partidos vivem de bajular o povo da Globo.

O que a Globo não sabia é que ainda havia Dunga. Ela pensou que mandava no Brasil. Ela tinha certeza que mandava no Brasil.

Ao não aceitar os privilégios, Dunga fez de mim o mais ferrenho torcedor da Seleção Brasileira.

Obrigado, Dunga!