Os jornais do DF e o estranho jeito de ser independente

14 04 2011

Quando comecei a escutar a chiadeira de algumas vozes e o burburinho feito eco de outros anunciando um tempo de coas e obscurantismo cercando a imprensa do DF, com fechamento de jornais e a demissão em massa de profissionais, confesso que fiquei preocupado.
Mas como sou de um tempo onde sempre considero mais prudente esperar a poeira baixar para ver melhor o cenário, eis que se desenha um novo quadro. É importante deixar de lado o choro das viúvas e dos que perderam o acesso facilitado ao modus operandis que era vigente nos últimos 12 anos e entender que o governo mudou.
Confesso que de cara levei um susto, pois li Liliane Roriz defendendo jornais e jornalistas, logo ela que não saiu em defesa da irmã quando esta foi exposta ao opróbio das imagens degradantes de uma visita dela à sala de Durval. Logo ela que durante os oito anos de desgoverno de Roriz, seu pai, em nenhum momento questionou o favorecimento de jornais aliados, de líderes comunitários (que, inclusive, usavam supostos ‘jornais’ para reforçar o orçamento; enquanto que o GDF de então usava o garrote financeiro para reforçar a lealdade).
Escutei muchochos da Celina Leão, também sobre o mesmo tema. Inclusive com a mesma variante, cabendo para as duas, a necessária extensão do questionamento também para o governo Arruda – onde a prática se manteve intacta (inclusive com o mesmo esquema operacional e com as pessoas mantendo os postos e gostos).
Sinto muito pelos colegas que perderam o emprego. Muitas vezes um emprego precário, que atrasa o salário, é ainda muito melhor do que estar desempregado. Sei do pânico que se instaura neste momento, porque é uma realidade que já vivi ao longo de quase quatro décadas de jornalismo –sendo 24 anos só aqui em Brasília.
Poderia dizer que eu próprio vivi esta realidade, mas o que é o ‘eu’, quando no contexto se fala em um todo com ares de tragédia? Mas é ignorar que no mais das vezes quem coloca um jornal ‘alternativo’ ou ‘comunitário’ em circulação o faz sem estudos de mercado, acreditando em promessas e com recursos para no máximo seis edições. Eu falei: no máximo.
Ignorar a dinâmica do processo de comunicação, a rotatividade das redações e o abre-fecha de jornais comunitários é ter vivido sempre dentro do casulo do amparo de um esquema de mídia viciado que funcionou no DF nos últimos 12 anos. E que é o mesmo processo em Candelária, Blumenau, Florianópolis, Curitiba, Goiânia ou Brasília. Jornais construídos tendo como principal fonte de sustentação o governo ‘local’ têm prazo de validade condicionada ao mandato deste próprio governo ou, quando muito, do seu sucessor se houver ranços de um no governo do outro.

Dependência e comodismo

A grosso modo, pode-se dizer que esta é a realidade do GDF de hoje, onde alguns políticos que serviram e se serviram das benesses e da mídia nos governos Roriz e Arruda – inclusive chafurdando na lama e sendo alvo de denúncias – continuam pressionando o ‘anunciante’ para que mantenha o apoio a certos comunitários que servem como ‘jornais particulares’.
Voltando ao DF, os jornais que fecharam e em torno do qual se faz tanto alarde, estranho é alguém se surpreender com o fim dos mesmos. O Tribuna do Brasil, cujo dono foi flagrado enfiando dinheiro pra dentro das roupas, era muito mais uma negação de si mesmo do que um projeto de comunicação – desde o seu nascedouro. Durante a campanha eleitoral apostou tudo em Roriz – e perdeu. Os demais, queiram me desculpar os que ficaram desempregados, sempre foram jornais que fizeram parte de um esquema de favorecimento de mídia. E poderia elencar aqui mais uma dezena de jornais ‘comunitários’ que não circulam mais e cujos ‘donos’ estão pelos corredores da Câmara Legislativa buscando um novo padrinho.
Dentro deste quadro, é preciso saudar a manifestação do Distrital e empresário Olair Francisco ao questionar esta dependência exclusiva das verbas do GDF, provocando os ‘empresários’ da área de comunicação a construir alternativas – algo que hoje em dia virou uma imensa falácia, porque é muito mais fácil ficar uma, duas ou três horas esperando para ser recebido por algum políticos do que bater pernas atrás de anúncios (como fazem muitos jornais) ou colocar a cabeça para funcionar no sentido de construir novos meios de sustentabilidade.
Existem alternativas, mas o choro de viúvas é normal – inclusive se forem divulgados os valores repassados a certos jornais nos últimos anos, muita gente vai ter dificuldade de continuar com este discurso de vítima.

Em tempo: estive no Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF para saber efetivamente quantos profissionais devidamente contratados, com carteira assinada e legalmente exercendo a profissão foram demitidos. Pediram para que eu voltasse lá para pegar os dados.

Anúncios




GDF – cheiro de armação na festa da Capital!

13 04 2011

A denúncia é grave.
Uma história escabrosa e que, confirmada, enlameia uma vez mais o aniversário de Brasília. É intolerável imaginar que isto esteja acontecendo. Com a palavra, o povo da Secretaria de Cultura.
No apagar das luzes, a Secretaria de Cultura está criando mecanismos para fraudar um processo pseudo-democrático. Há uma cláusula no Edital de Chamamento Público para o aniversário da cidade que afirma, categoricamente, que é necessário apresentar uma declaração de que nenhum integrante dos grupos classificados é integrante ou faz parte do GDF. Entretanto, após o processo estar quase finalizado, mudaram a regra permitindo tais incrições de funcionários!
Este fato – mudança de regras durante o jogo! – foi informado pelo coordenador do processo, sr. Dilnei, que sequer conhece as regras do processo que está coordenando ou, simplesmente, ignora. Qual o motivo de concordar com uma ignomínia deste tamanhop? Alguma vantagem pessoal? Estará advogando em favor de quem?
Isso é uma vergonha!
Seria prática verdadeira de um novo caminho mudar as regras durante o jogo para benefício próprio?
Ou essa também é herança maldita?
Entre os contemplados, há grupos com músicos e artistas funcionários do Metrô, Fundação Educacional, Secretaria de Comunicação e Sedest…
Com a palavra a Secretaria de Transparência do GDF, do Ministério Público.
Como diz parte da denúncia enviada ao blog: “Nós cidadãos, artistas estamos sendo enganados! Precisamos tornar isso público para tentar evitar essa mudança no grito e no tapetão! Exigimos transparência e o cumprimento do edital!”
Vamos, agora, esperar as explicações.





UnB define nesta segunda, 11, retorno à normalidade

11 04 2011

Ainda não está definido que as aulas da UnB, no Campus Darcy Ribeiro, voltam à normalidade nesta terça-feira, 12. Tudo vai depender de uma rigorosa inspeça feita pelos técnicos de segurança da insituição, além da defesa civil e da própria CEB.
Alguns segmentos acadêmicos defendem que as aulas sejam suspensas durante toda a semana, fazendo assim com que os calendários dos campus de Ceilândia, Gama e Darcy Ribeiro voltassem ao mesmo ciclo – lembrando que nos dois primeiros houve paralisação por conta da luta dos alunos por melhores instalações e para pressionar pela conclusão das obras.
Pelo modelo ‘pedagógico’ utilizado pela UnB, o fato de um instituto ou departamento não ter sido atingido pelas águas não quer dizer muita coisa, porque é comum, por exemplo, que alunos de Administração tenham aulas no ICC. E o mesmo vale para outros cursos.
Até o final do dia a UnB anuncia um cronograma de volta às atividades.





Domingo: Se Nietzsche falasse

3 04 2011

Manhã de domingo.
Um carreteiro com ‘carne verde’ sendo feito na velha panela de ferro, em um fogão a lenha que serve para me unir um pouco mais as saudades que carrego lá da Linha Palmeira.
E repassando velhos escritos, eis que me defronto com um perdido eu.
Sem confronto, apenas reencontro.
Aos olhos, pelo menos.
Na alma, com certeza…

Se Nietzsche falasse

Alfredo Bessow

Quando vemos o que somos
é que na verdade sabemos
as raízes do que buscamos
Das coisas que perdemos,
o valor é criação humana
e nos tornamos escravos
dos relógios e das semanas,
trocando sonhos por centavos

Quem se aparta do que é
sempre vive bem dividido,
na verdade não sabe o que quer
e anda no mundo perdido
Inventa palavras pra mentir,
se apega a coisas, fantasias
e pra ter forças e prosseguir
se mata por outras ideologias

Um homem não pode agora
abandonar o que viveu de fato,
fica na alma tempo afora
grudado feito um carrapato
E ainda que seja teimoso
dizendo que sabe mudar,
o tempo é cruel e ardiloso
dando pra depois cobrar





1º de abril de 1964 – Pelo direito de saber!

1 04 2011

Transcrevo aqui no blog o texto de capa do Jornal Passe Livre que, excepcionalmente esta seman, estará sendo distribuído nesta sexta-feira aqui na rodoviária de Brasília. Ainda durante a parte da manhã, a edição estará disponível online. Lembrando sempre que o Passe Livre foi lançado em 1998, é semanal, num formato único e especial e tem tiragem semanal de 60 mil exemplares. A edição desta semana é a de número 494

1º de abril de 1964 – Pelo direito de saber

A história é um lamaçal onde geralmente os vitoriosos tentam adequar o que foi ao que desejam que no futuro se tenha como verdade. Aqui no Brasil, são os derrotados que querem perpetuar uma versão de heroísmo que em nada condiz com a longa noite de terror, morte, tortura e repressão que os brasileiros viveram a partir de 1º de abril de 1964. Sim, estimados: não foi em 31 de março, mas sim num prosaico 1º de abril que se implantou uma das mais sangrentas e perversas ditaduras de todos os tempos – como se houvesse ‘ditadura’ mais ou menos cruel.
Mas ao contrário de tantos outros povos e países, aqui os remanescentes e bajuladores da repressão continuaram vivos e ativos e tratam de impedir que se faça o necessário resgate da memória destes tempos. Não se trata de revanchismo, mas sim do direito de mostrar às gerações futuras o que realmente aconteceu.
Não podemos continuar reféns de manipulações e omissões. O golpe, que sempre foi apoiado pela chamada grande imprensa (a mesma que passou oito anos atacando Lula e o Governo do PT), ainda hoje tem muitas viúvas. Cabe lembrar que a própria Folha de São Paulo emprestava seus veículos, devidamente pintados, para que o Dops pudesse fazer o serviço sujo sem gerar a curiosidade das pessoas.
Este é um dos epísódios maca-bros, mas que serve para revelar a identidade entre os golpistas de 1º de abril de 64 e aqueles que continuam, sob qualquer pretexto, insinuando e defendendo a urgência de um golpe para restaurar os seus benefícios e privilégios. Porque, a bem da verdade, eles odeiam a liberdade e a democracia.





E viva a passionalidade do torcedor!

31 03 2011

Comecei a escrever este post no dia 19 de março. E o retomo agora – convicto de que vale sim uma provocação.
Antes de mais nada: sou gremista, que isso fique sempre bem claro.
Mas me permito falar de outros times – porque também torcedores de outros falam do meu.
Vamos, pois, aos fatos – uma vez que a mídia hoje só tem olhos e ouvidos e atenção para Obama (quando, na minha opinião, o mais notável é saber que ele veio com esposa, filhas e sogra). E agora começa a colocar os pés num lodaçal tipo Vietnã, Afeganistão e Iraque – sem saber como fazer para derrubar Kadaffi – que não é molenga como Sadam.
De repente, uma estranha contradição: os rebeldes líbios são apoiados pela “Alcaida” do Bin Laden e pelos ianques de Obama. Até parece o samba do afro-descendente com problemas mentais.
Quando Renato chegou ao Grêmio, o time estava na zona do rebaixamento.
Isto todos lembram. Silas era um boneco nas mãos dos jogadores.
Renato chegou e foi para o emocional.
Indicou alguns reforços que se encaixaram perfeitamente e alguns até jogaram bem mais do que podiam.
O 2º semestre de 2010 foi de intensa sinergia entre Renato – time – torcida.
Veio dezembro e diante da tragédia do Goiás, a vaga para a LIbertadores caiu no colo do Grêmio. Uma espécie de prêmio – que se revelou também um castigo.
O Grêmio mudou a diretoria. Saiu um Duda Kroeff que estava mais preocupado com a sua fazenda do que com o Grêmio. Entrou Odone, mais preocupado com seu ego e sua carreira política do que com o Clube.
E Odone desandou a fazer trapalhadas – e o preço está sendo pago agora, com um time que se arrasta em campo… Quis Ronaldinho e deixou Jonas sair de graça. É um pavão que administra o Grêmio com ódio de Koff – que irá derrota-lo no final de 2012. Ou algum dos leitores acredita que com este time limitado, sem esquema de jogo, sem jogadas treinadas, sem dinâmica e nem mecânica de jogo… alguém acredita que se poderá ganhar algo além de um Gauchão?
Dispensou Paulo e Anderson Paixão – pai e filho que fizeram o Grêmio correr no final da temporada atropelando adversários. O novo preparador físico não consegue fazer os jogadores correrem no começo da temporada. Dizem que Renato e nem Odone gostam do Paixão porque ele é voz forte de vestiário, mobilizador e incendiário.
E o que se vê em campo é um time sem esquema tático, cheio de canhotinhos padrão enceradeira (Douglas, por exemplo, é pra mim um Zinho piorado). O time não tem padrão, corre feito um bando. A defesa leva gol de cabeça de jogadores altos, baixos – basta cruzar a bola na área e o pânico está instaurado.
E lá vem o Renato dizer que não escala o Mário Fernandes na zaga porque ele não sabe cabecear? E qual dos atuais sabe? Gilson? Gabriel? Rafa? Rodolfo?
Renato começa a naufragar no Grêmio porque o seu ego não permitiu que tivesse uma compreensão de que futebol não é apenas vamos-vamos.
O Grêmio não tem esquema tático. O Grêmio está mais pra bando do que pra time.
Não é só o Gilson que está ocupando espaço indevido.
O que dizer de Vinicius Pacheco… de Carlos Alberto… de Diego Clementino…
Enquanto isso, o Lins, aquele que veio do Criciúma e que na minha opinião seria o jogador de velocidade lá na frente, nem concentrar, concentra. Ele não faz parte da panela do Renato. Não foi jogador indicado por ele.
Tenho olhado os jogos. Sei que não vamos passar da próxima fase da Libertadores. Pode ser bom, uma vez que assim talvez o Renato comece a trabalhar fundamentos – passes, cobrança de lateral, cobranças de falta (não aquela porcaria de levantamento de bola para a área, nossa única jogada). Coisas assim prosaicas e que revelam o quadro de abandono do futebol do Grêmio.
Hoje o Grêmio precisa de um zagueiro pela direita; um lateral esquerdo; um meia de qualidade e que jogue com o pé direito e um atacante de melhor qualidade do que o Borges.
A torcida sempre é passional. Eu também sou.
Por isso, para mim, este time do Grêmio em 2011 é vergonhoso, patético e ridículo.
A mística da suposta imortalidade não pode nos cegar ao ponto de ver que o Grêmio em 2011 está matando o seu torcedor de raiva e também matando torcedores de outros times de tanto rir deste timeco bem limitado – mas ainda arrogante, sem perceber que a simples identificação com uma mística imortalidade não tem como transformar pernas de pau em jogadores dignos de vestir a camiseta do Grêmio.





Blogueiros e patrulhas ideológicas

30 03 2011

Já faz tempo que não me debruço sobre os e-mails que chegam por meio de listas pela repetição temática.
Não é um problema ‘desta’ lista, mas que se repete em maior ou mais intensa escala em cada uma delas.
Mas creio que, aqui, tem acontecido algo que tem a ver com o DNA ideológico de boa parte dos seus integrantes e principalmente pelo viés de censura e de imposição de uma só voz que advém do núcleo político-partidário que tenta, insiste e persiste no trabalho de colocar cabresto, de colocar viseiras em um movimento – a blogosfera – que nem a direita e nem a esquerda ainda conseguiram entender e, por isso mesmo, tentam controlar e manipular.
Estive no 1º Encontro em São Paulo e percebi que se tratava da construção de uma escada, na qual caberia a plebe de blogueiros o papel de incensar e emular os escolhidos. Disse isso na minha intervenção e destaquei que havia um claro sistema de castas.
Mantenho um blog que está migrando para um portal onde estarão todos os meus produtos de comunicação. Não posso, não tenho do que me queixar da minha média diária de acessos – 4.158 na última semana. Faço isso sem contar com a escada que outros blogues fazem, exatamente porque não me interesso em fazer parte de panelas. Acho interessante no twitter, por exemplo, como alguns ‘blogueiros’ ajudam os outros. Acho isso bacana, legal – este é o sentido e espírito de uma panela.
Percebo que existe uma preocupação em não fortalecer a diversidade, mas sim em fortalecer uma unidade em torno de alguns. É do jogo. Estamos repetindo aqui a mesma estratégia da grande imprensa: a Folha publica, a Veja replica e a Globo sataniza os personagens. Esta é a escada que ocorre em nosso meio.
Vejo, com preocupação, a tentativa de criar uma ‘linha editorial’ para os blogues. Existe o AI-5 Digital do Azeredo e existe a Sibéria da esquerda – porque nem a direita e nem a esquerda sabem conviver com a democracia, com a diversidade.
Espero que não se queira transformar o II Encontro Nacional dos Blogueiros numa espécie de ‘congresso da Une’, com delegados escolhidos/eleitos nos estados para formar claque. Vejo como infantil a colocação de ‘progressistas’ como parte do nome do evento, porque se trata de um conceito pessoal, um auto-elogio que precisa ser visto de uma perspectiva mais ampla. Ao reduzir a blogosfera entre ‘progressistas’ e ‘atrasados’ estamos criando guetos, porque nada impede que os atrasados se sintam, na verdades, ‘mais progressistas’…
Eu, de minha parte, sei quais os ‘post’ aqui da lista que me interessam ler. Os demais apenas excluo.
Considero petulante, arrogante e descabido que uma pessoa se sinta no direito de pedir que alguém pare de falar ou de tocar em determinado assunto.
A blogosfera precisa ser livre e respeitar a diversidade. Quer a esquerda empedernida e que se auto-intula progressista quer ou não queira.

Sobre o assunto leia também, se quiser:

https://passelivreonline.wordpress.com/2011/02/28/patrulhas-ideologicas-na-blogosfera/