Professores da rede pública do DF aceitam proposta de reajuste

13 04 2011

Em assembleia realizada hoje, 13, os professores da rede pública de ensino do DF aprovaram a proposta apresentada pelo GDF de reajuste de 13,83% dividido em três parcelas e decretou estado de mobilização para acompanhar a discussão a respeito da reestruturação do plano de carreira e a continuidade das negociações dos outros pontos da pauta de reivindicações ainda não contemplados. Foi aprovada ainda a realização de assembleia geral no dia 11 de maio para avaliar o processo de negociação. Serão realizadas plenárias para discussão do Plano de Carreira a partir dos próximos dias.
Mais detalhes sobre a proposta você encontra acessando: http://www.sinprodf.org.br

Anúncios




Sinpro: Assembleia na quarta pode deflagrar greve

12 04 2011

Notícia importante para a categoria dos professores, alunos e comunidade escolar:
“Até o momento o Governo do Distrito Federal não apresentou nenhuma proposta diferente daquela que foi rejeitada pela categoria no dia 31 de março. Esperamos que até o dia 13, data da Assembleia tenhamos outro contato por parte do governo que garanta o repasse do reajuste do Fundo Constitucional de 13,83%. Portanto, vamos todos à Assembleia marcada para esta quarta-feira, dia 13 de abril às 9h no estacionamento do Mané Garrincha. Professoras e professores, sua presença é fundamental.” (Sinrpo Notícias)





No DF, bandidagem arma esquema para ‘emparedar’ Agnelo

18 11 2010

Meio por baixo do pano, mas não fazendo nenhuma questão de atentar-se aos cuidados e precauções elementares, o grupo criminoso que foi montado durante os governos Roriz – 1999 a 2006 – e que, pela chantagem, conivência e troca de favores, tornou Arruda refém de suas práticas (que continuam intactas no governo Rosso), está atuando fortemente no sentido de colocar Agnelo sob o seu comando.
Trata-se basicamente de um grupo de policiais civis aposentados, capitaneados por Durval Barbosa e Toledo, que se dizem credores de Agnelo por não terem fornecido o material de que dispunham para a campanha de Roriz e, em troca, agora, querem a manutenção de suas benesses.
É muito amplo e estranho o leque de atuação – vai de agências de comunicação com contratos com o GDF e que desavergonhadamente se extenderão pelo primeiro ano do mandato de Agnelo/PT. Mas é bem mais audaciosa a rede montada, inlcuindo a intimidação ao governador no sentido dele aceitar entregar a parte das finanças (Secretaria da Fazenda, BRB), das obras (Secretaria de Obras), transportes (cartelizado ao extremo – enquanto em Salvador atuam cerca de 70 empresas, no DF apenas quatro operam todos os serviços) e a questão fundiária (Terracap e legalização de condomínios e vistas grossas para invasão de áreas públicas – além dos interesses do Creci, Ademi & Cia).
A turma tem expoentes, além dos dois já mencionados. Figuras manjadas das tramóias, falcatruas e malversações de recursos e práticas desabonadoras como Brunelli, Luiz Estevão, Afrânio, Pedro Passos, Zé Edmar, Pedro Barbudo, Rosso, Welligton Morais (conhecido como Baiano) e que foi secretário de comunicação de Roriz por oito anos e fiel escudeiro de Arruda, Omézio Pontes – passando por pessoas do judiciário, ministério público, Tribunald e Contas do DF e União.
Em verdade, trata-se de herança de podridão que a passagem de Roriz e seu modo de fazer política – emporcalhando e enxovalhando as instiutições aqui no DF – conseguiu dar ares de normalidade e de imutabilidade. Será necessária uma urgente e profunda assepsia nas estruturas do pdoer no DF. E o desafio desta turma é impedir que Agnelo tenha condições de fazê-lo.
Quem irá vencer o embate?
Pelos sinais que estamos vendo, teme-se que o crime seja vencedor!





Passe Livre Especial: Dilma e Agnelo

16 10 2010

Sou daqueles que mesmo tendo divergências claras quanto a estultice dominante na Secom do Governo federal – seguramente o antro tucano mais fortalecido dentro do Governo Lula/PT – nunca tive dúvida acerca do lado no qual sempre estive. Divergências são necessárias, ajudam a oxigenar – menos lá na Secom…
Por esta razão, estamos fazendo uma edição especial do Jornal Passe Livre – 463 – que terá tiragem de 1 milhão de exemplares. O desafio é mostrar para Brasília a importância de eleger Dilma e Agnelo. OU, sob outro ponto de vista, ressaltar o perigo que representaria o retorno dos tucanos ao poder por meio desta coisa inominável que é o Serra.
Sempre digo e repito aqui: não me peçam para ser neutro ou imparcial. Eu só entendo a vida quando ela é vivida na plenitude da paixão.

Para ver em tela cheia, basta clicar em ‘Menu’, no canto inferior esquerdo, e, no menu que abrir, selecione ‘View Fullscreen’





TSE: Abadia também é ficha-suja!

3 09 2010

Terminou agora faz pouco o julgamento envolvendo Maria de Lourdes Abadia, ex-governadora do DF. Ela foi impugnada, por 5 a 2, com base na chamada Lei da Ficha Limpa que trata das condições de elegibilidade dos candidatos ao pleito de 2010. Ela ainda pode recorrer a STF.

Cabe lembrar que votaram em favor de Abadia o ministro colorido Marco Aurélio Mello e Marcelo Ribeiro, este último, ex-advogado de Roriz que, pelo visto, continua com o coração mais comprometido com a paixão partidária do que com os anseios e os clamores da sociedade.

Vejamos como a mídia repercutiu o julgamento do TSE.

TSE barra registro de candidatura de ex-governadora do DF

Maria de Lourdes Abadia teve registro negado com base na ficha limpa.
Ex-governadora do DF foi multada por compra de votos, em 2006.

Débora Santos Do G1, em Brasília

Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negaram, nesta quinta-feira (2), por cinco votos a dois, o registro de candidatura da ex-governadora do Distrito Federal Maria de Lourdes Abadia (PSDB), que concorre a uma vaga ao Senado pelo DF. Os advogados da candidata afirmaram vão recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para reformar a decisão.

Abadia teve o registro concedido pelo Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE-DF) no último dia 10 de agosto, mas a Procuradoria Regional Eleitoral recorreu ao TSE.

No recurso, a procuradoria afirma que a candidata se enquadra na Lei da Ficha Limpa por ter sido condenada, em 2006, pelo TRE-DF a pagar multa de R$ 2 mil por compra de votos na disputa pelo governo local. Na época, Abadia não teve o diploma cassado porque não se elegeu.

A Lei da Ficha Limpa barra a candidatura de políticos condenados por decisão colegiada e vale também para condenações anteriores à vigência da norma.

O relator do caso, ministro Arnaldo Versiani, foi contrário à liberação do registro de Abadia e defendeu que a irregularidade de compra de votos aconteceu independente de a candidata ter tido ou não o diploma cassado. Os ministros Aldir Passarinho Junior e Cármen Lúcia acompanharam o voto do relator.

“Não tinha como cassar o registro porque ela [Abadia] não foi eleita. Mas ela foi condenada, não interpôs recurso e foi imposta pena de multa que ela pagou. Parece-me que a hipótese é tipicamente de aplicação da lei”, afirmou Versiani.

O julgamento havia sido interrompido na noite desta quarta-feira (1) pelo pedido de vista do ministro Hamilton Carvalhido. O ministro entendeu que a candidata só não foi cassada, na época da irregularidade, porque perdeu as eleições. Votaram a favor da concessão do registro os ministros Marco Aurélio Mello e Marcelo Ribeiro.





Oposição, mídia e judiciário preparam o golpe

2 09 2010

Assumindo a derrota nas urnas, logo eles que pensavam que seriam aclamados como os salvadores do caos, os tucanos armam o circo para preparar o terreno para um golpe ou apostar na ‘ingovernabilidade’ pelo verdadeiro inferno que pretendem criar caso Dilma Rousseff confirme nas urnas em 3 de outubro o que apontam as pesquisdas.

É importante dizer que o governo Lula em muito contribuiu para este estado de coisas em três instâncias.

Primeiro, ao manter na Secom um grupo com um modo de agir tucano – marcado pelo cinismo, pela hipocrisia e pelo reiterado culto aos padrões do mercado. Qual outra justificativa para o governo despejar generosos milhões de reais.

Em segundo ao render-se ao poder das bancas na indicação de ministros ao STF – sendo que estas sempre usaram Marcio Thomaz Bastos como mensageiro de seus intereses junto ao presidente. A manutenção de um Supremo com um viés reacionário não condiz com as indicações de um governo democrático e popular.

Em terceiro, ao não fortalecer os mecanismos alternativos e populares de comunicação. E neste ponto volta-se outra vez para o nefasto papel cumprido pela Secom. Dizer que houve a pulverização na liberação dos recursos é misturar alhos com bugalhos. Distribuíram recursos sim, mas para representantes da mesma velha e preconceituosa mídia, valendo-se dos mesmos mecanismos de protecionismo político. A ‘pulverização’ não contemplou com um montante específico – 40%, o que seria o mínimo – para rádios, jornais e tvs comunitárias.

A Secom com suas mentiras e sua manipulação afronta a inteligência de qualquer pessoa que consiga viver sem o cabresto da conveniência. E hoje o governo e a sociedade pagam o duro preço do padrão tucano de legalismo e de hipocrisia.

A bem da verdade, a única rede de sustentação que o governo ainda mantém é pela internet, onde o trabalho militante acontece. Enquanto o governo despeja milhões na Veja, os blogueiros que fazem a resistência penam para defender o emprego do pessoal da Secom. Estranha e absurda ironia.

É dentro deste quadro que a oposição arma, de modo descarado na repetição da aliança entre a mídia e o Judiciário, o cenário para um golpe e, este não podendo acontecer, para a infernalização do mandato de Dilma.

Volto a dizer: boa parte da culpa de trudo que acontece hoje foi pela prevalência do modo tucano de agir de muitos pseudo-petistas.





Pesquisas no DF: Agnelo na liderança

31 08 2010

Foi divulgada ontem uma ‘nova’ pesquisa pela Soma – que continua sem informar quem a contratou. A diferença está em abiçais 10 pontos – em favor de Roriz, é claro. Cabe lembrar apenas e para que fique bem claro: o dono da Soma, Ricardo Pena, é antigo aliado de Roriz e de Arruda, tendo sido inclusive notório mensaleiro. Ou seja: é da turma que desde janeiro de 1999 transformou o GDF numa grande fonte de negociata e de poder.
Mal comparando, a Soma está sendo obrigada a fazer a ‘convergência’ de seus números com a realidade, na tentativa de mostrar alguma credibilidade. Algfo pouco provável, levando-se em conta o histórico de parcialidade e de comprometimento da empresa e do seu proprietário.
Mas pode-se dizer também que a diferença entre Agnelo e Roriz é de apenas 3,8% – se levarmos em conta os extremos da margem de erro. Feito este exercício, chega-se a um patamar mais próximo daquilo que as demais pesquisas indicam (38,2 a 35,4 pró Agnelo pela Exata e 41 a 35 pró atraZo pelo Datafolha).
Outra leitura possível está nas linhas das duas candidaturas – e então será possível entender o desespero, a truculência e a agressividade de Roriz (aquele que, segundo o TRE-DF é candidato ficha-suja). O ex-governador está na descendente, perdendo entre 2 e 6 pontos de uma pesquisa para outra. Em contrapartida, desde o início da campanha, Agnelo só vem crescendo nas pesquisas.
Trata-se de algo normal, afinal de contas o nome de Roriz – a despeito de todas as mazelas que seus governos geraram, de ter sido fundamental para o inchaço habitacional e a perda da qualidade de vida dos moradores do DF e a destruição dos serviços públçicos – é parte de uma história do DF que nós, enquanto cidadãos, não precisaríamos ter vivido e com certeza o DF como um todo seria um lugar bem melhor de viver. Mas seu nome é forte, mormente por tudo que ele enseja de ilegalidade (invasão de áreas públicas, negociatas, pirataria, camelôs, vans, etc).
A virada eleitoral de Agnelo, conforme pesquisas, mostra que também aqui no DF, a esperança está vencendo o atraZo.