O mensalão da Abril

21 09 2010

Alguém já perguntou a razão pela qual a Veja ataca tanto o governo Lula, o PT e trata de criminalizar os movimentos sociais? Claro que não se trata de nada ideológico, afinal de contas, uma revista que traz no ‘dna’ as opiniões da famiglia Civita não tem nem ideologia e nem ética. É uma troca de interesses, meros negócios.

O pessoal do Blog da Dilma (não oficial) fez um levantamento de arrepiar – ao qual os demais blogueiros poderiam fazer levantamento semelhante em seus estados. Aqui mesmo no DF, em troca de uma entrevista nas páginas amarelas, a Veja vendeu para o GDF milhares de assinaturas desta coisinha fofinha que é a Veja e outras publicações.

Sugiro que os governos democráticos e populares – a começar pelo governo federal:

1 – cancelem todas as assinaturas da Veja e das demais publicações da famiglia;

2 – cancelem as milhares de assinaturas da Folha de São Paulo e de acesso a Uol;

3 – que o Governo federal suspenda os contratos de veiculaçãod e material ‘educativo’ na TV Globo – principalmente os telecursos e a retransmissão de conteúdo para as escolas pelo País;

4 – que uma vez eleito, Tarso Genro suspenda as assinaturas de Zero Hora, das autorizações de acesso ao conteúdo, das mídias e publicidades na RBS e em seus veículos (principalmente os que se encontram em nome de laranjas);

5 – que não sejam renovadas as assinaturas de O Estadão e também da revista Época,

6 – que seja criado o conselho de comunicação;

7 – que seja democratizado o Núcleo de Mídia – inclusive eliminando a figura perversa que hoje o coordena e que é anti-petista e prestou serviços ao governo Roriz (comenta-se que está no posto por sua amizade com Franklin Martins).

Se cada um de nós fizer um levantamento dos contratos em seus respectivos estados – e alguém tiver a parcimônia de fazê-lo em relação ao Governo federal – veremos que estas revistas não sobrevivem mais de venda em banca ou de publicidade – mas sim das assinaturas.

Este é o texto que copiei do blog da Dilma (http://blogdadilma.blog.br)

O mensalão da Editora Abril


Daniel Bezerra, editor geral


Numa minuciosa pesquisa aos editais publicados no Diário Oficial, o blog descobriu o que parece ser um autêntico “mensalão” pago pelo tucanato ao Grupo Abril e a outras editoras. Veja algumas das mamatas:


– DO [Diário Oficial] de 23 de outubro de 2007. Fundação Victor Civita. Assinatura da revista Nova Escola, destinada às escolas da rede estadual. Prazo: 300 dias. Valor: R$ 408.600,00. Data da assinatura: 27/09/2007. No seu despacho, a diretora de projetos especial da secretaria declara ‘inexigível licitação, pois se trata de renovação de 18.160 assinaturas da revista Nova Escola’.


– DO de 29 de março de 2008. Editora Abril. Aquisição de 6.000 assinaturas da revista Recreio. Prazo: 365 dias. Valor: R$ 2.142.000,00. Data da assinatura: 14/03/2008.


– DO de 23 de abril de 2008. Editora Abril. Aquisição de 415.000 exemplares do Guia do Estudante. Prazo: 30 dias. Valor: R$ 2.437.918,00. Data da assinatura: 15/04/2008.


– DO de 12 de agosto de 2008. Editora Abril. Aquisição de 5.155 assinaturas da revista Recreio. Prazo: 365 dias. Valor: R$ 1.840.335,00. Data da assinatura: 23/07/2008.


– DO de 22 de outubro de 2008. Editora Abril. Impressão, manuseio e acabamento de 2 edições do Guia do Estudante. Prazo: 45 dias. Valor: R$ 4.363.425,00. Data daassinatura: 08/09/2008.


– DO de 25 de outubro de 2008. Fundação Victor Civita. Aquisição de 220.000 assinaturas da revista Nova Escola. Prazo: 300 dias. Valor: R$ 3.740.000,00. Data da assinatura: 01/10/2008.


– DO de 11 de fevereiro de 2009. Editora Abril. Aquisição de 430.000 exemplares do Guia do Estudante. Prazo: 45 dias. Valor: R$ 2.498.838,00. Data da assinatura: 05/02/2009.


– DO de 17 de abril de 2009. Editora Abril. Aquisição de 25.702 assinaturas da revista Recreio. Prazo: 608 dias. Valor: R$ 12.963.060,72. Data da assinatura: 09/04/2009.


– DO de 20 de maio de 2009. Editora Abril. Aquisição de 5.449 assinaturas da revista Veja. Prazo: 364 dias. Valor: R$ 1.167.175,80. Data da assinatura: 18/05/2009.


– DO de 16 de junho de 2009. Editora Abril. Aquisição de 540.000 exemplares do Guia do Estudante e de 25.000 exemplares da publicação Atualidades – Revista do Professor. Prazo: 45 dias. Valor: R$ 3.143.120,00. Data da assinatura: 10/06/2009.

Negócios de R$ 34,7 milhões.


Somente com as aquisições de quatro publicações “pedagógicas” e mais as assinaturas da Veja, o governo tucano de José Serra transferiu, dos cofres públicos para as contas do Grupo Civita, R$ 34.704.472,52 (34 milhões, 704 mil, 472 reais e 52 centavos). A maracutaia é tão descarada que o Ministério Público Estadual já acolheu representação do deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) e abriu o inquérito civil número 249 para apurar irregularidades no contrato firmado entre o governo paulista e a Editora Abril na compra de 220 mil assinaturas da revista Nova Escola.


Esta “comprinha” representa quase 25% da tiragem total da revista Nova Escola e injetou R$ 3,7 milhões aos cofres do ‘barão da mídia’ Victor Civita. Mas este não é o único caso de privilégio ao Grupo Abril. O tucano Serra também apresentou proposta curricular que obriga a inclusão no ensino médio de aulas baseadas nas edições encalhadas do ‘Guia do Estudante’, outra publicação do grupo.