Aécio: mais para Collor do que para Tancredo

7 04 2011

Escutei o discurso de Aécio.
Confesso que esperava mais.
Mas devo reconhecer que FHC tinha razão quando ele disse que Aécio é apenas o parente de Tancredo.
O discurso é uma colagem de clichês – como alguém que pega um roteiro e vai preenchendo com aquilo que pode impactar. Como ensinava meu velho pai: em terra de vesgo, quem tem um olho no máximo enxerga meia realidade.
Pensei que depois de dois anos de mandato de governador, tendo uma passagem apagada antes como Federal… pensei sinceramente que Aécio tivesse crescido intelectualmente, tivesse amadurecido politicamente, tivesse aprendido com os mineiros. Mas me lembrei: ele não é mineiro. Ele é uma espécie de carioca que optou por Minas apenas por comodismo e a facilidade de se apresentar sempre com um caixão debaixo do braço.
Definitivamente, Aécio, depois deste dircurso, cheio de lugares-comuns, cheio de futilidades linguísticas.. ele está sim mais para o Collor caçador de marajás e que falava qualquer besteira e a mídia do Rio e São Paulo transformava em grande evento político.
E sem querer fazer qualquer ironia, cabe lembrar que Collor e Aécio são dois cariocas – inclusive recaindo sobre os dois as mesmas dúvidas quanto a condutas e hábitos.
A dúvida que fica depois de tanto vazio em palavras é se a mídia irá tornar o vazio um poço de sabedoria.
Para quem esperava ver surgir, no discurso, a esperança de um futuro líder da oposição, a papagaiada de Aécio deixou a firme convicção do ressurgimento de um fantasma do passado. Resta saber se o povo brasileiro aceitará ser tapeado mais uma vez.





FHC – arrogância do porta-voz das elites

20 10 2010

Eu considero FHC uma das figuras mais representativas do pensamento das elites nacionais. Uso sempre como partâmetro a sua conduta pessoal. Fosse ele uma pessoa comum – preto, banguela; branco e mal-pago – seria um legítimo putanheiro. Mas como é branco, supostamente educado e delicado, ele é apenas um verme.
Assim, trata-se de um verme pelo que pensa e fala, mas também o é pela conduta pessoal. Esperou a esposa morrer – de desgosto? – para só então reconhecer um dos filhos ‘extra’ que fez. Eu fico imaginando se fosse o Lula…
Mas a revelação de excertos do que aocnteceu lá em Foz do Iguaçu em um hotel paradisíaco quiando ele, FHC, destilou arrogância e prepotência, deve servir de reflexão a todos nós neste momento pré-eleitoral.
Vou apontar alguns itens que extrai do blog Brasil Mobilizado, do grande e incansável Laerte Braga. Ele desmascarou cada uma das mentiras de FHC que negou estar vendendo o Brasil. Não só está vendendo, como revelando a opionião dele, o pulha, sobre o Brasil e o atual quadro. Vou colocar alguns exemplos – lembrando que o evento foi realizado e oprganizado por um alto executivo da Globo (Famiglia Marinho):

Sobre o nordeste:

“Com o Aécio neutralizado o Nordeste não conseguirá derrotar São Paulo e Minas”. E acrescentou – “as coisas no Brasil hoje não se decidem em Brasília, nem no Nordeste, mas em São Paulo. Lá está a locomotiva, o resto da composição vem atrás sem poder contestar”.
Percebe-se o descaso com a democracia, com o valor dos brasileiros. FHC mostra toda a arrogância e a soberba dos paulistas. É de rebolcar o estômago, de causar nojo.

Sobre Aécio

“Aécio está domado. É só um menino que acha que pode ser presidente por ser neto de Tancredo. É neto, não é Tancredo”.
Vale a pena ler de novo… Aécio domado… como quem doma um pequeno animal, domestica-o. Quando Aécio estiver por Brasília vou entrevistá-lo para, de contraponto, saber qual o tipo de bichinho de estimação no qual o FHC o transformou depois de ‘domá-lo’. Ou terá sido domado financeiramente?

Sobre Paulo Afrodescendete

Sobre os escândalos do governo José FHC Serra principalmente o último, envolvendo o engenheiro Paulo Preto, Fernando Henrique Cardoso disse que “essa figura é um arranjo do Aloísio (referia-se a Aloísio Nunes, senador eleito do PSDB paulista), mas já está controlado. Coisa do Aloísio e da filha do Serra, a imprensa não vai tratar disso por muito tempo, está sob nosso controle”.
No caso me pergunto: controlar é pagar o preço requerido? Quanto à filha do Serra, provavelmente o FHC resgate o fato dela ser ávida por trambiques e tramóias – como por exemplo a quebra do sigilo bancário de 62 milhões de brasileiros no governo do próprio FHC e que ele, como omisso que sempre foi, nada fez.

Serra mentiroso

“O Serra vai continuar mantendo essa postura nos debates, ele sabe fazer bem esse jogo, e na última semana a mídia vai aumentar o tom das denúncias contra Dilma.(…)”
A senha está dada…
Quem vai deixar se enganar?

A extrema-direita / a gráfica / o fascismo / a Opus Dei

“Temos o apoio de alguns bispos e o povo brasileiro é muito influenciável em se tratando de religião. O D. Luís está disposto a tudo, é nosso sem limites, é amigo íntimo do Alckimin. A descoberta da gráfica foi um golpe de sorte do PT, um vacilo da nossa segurança”.
Confessemos todos juntos: são declarações de arrepiar. Mostra o quanto é podre esta elite paulista. O quanto ela tem nojo do Brasil e dos brasileiros. Como ela vê o brasileiro: um imbecil que se deixa levar no bico (pelo bico dos tucanos).

Mentindo sobre o que não conhece

“Vocês já notaram que quase não existe gaúcho negro? O eleitorado lá é branco em sua grande maioria e vai votar conosco”.
Este é um dos momentos mais assustadores de desconhecimento do Brasil. Talvez a fonte de informação de FHC seja o Pedro Parente, que foi ser o manda-chuva do grupo RBS – os sionistas que dominam a comunicação no Sul e que, infelizmente, ganharam rios de dinheiro do Governo Lula. Dizer que nãoe xistem negros no RS é um desrespeito para com o povo gaúcho. O que é Paulo Paim, senador do PT? O que é Alcéu Collares? Dá vontade de mandar o FHC para os quintos… mas lá ele já foi mandado tantas vezes…

Marina Silva – igual a papel higiênico: descartável

“está fadada a ser uma nova Heloísa Helena, vai acabar sendo vereadora. O encanto do primeiro turno terminou, foi ajudada pelos nossos para forçar o segundo turno”.
Pior que é preciso concordar. Só a Marina pensa que tem algum valor fora do PT. Mas que não há como questionar esta declaração… tanto assim que há vários post aqui neste meu blog (www.passelivredf.com.br) tratando a Marina da mesma forma… Mas é bom saber que a direita assume que a Marina teve um papel estratégico para evitar a vitória de Dilma no 1º turno.

Vamos privatizar o BB, Petrobras e Itaipu

Para o ex-presidente a privatização de ITAIPU, BANCO DO BRASIL e PETROBRAS “deve ser tratada com calma e paciência, vamos ter que contornar algumas dificuldades com militares e é preciso ir amaciando esse pessoal com calma”
Leia de novo comigo e reflita…
É preciso ter muita cara de pau… m as ainda bem que ficamos sabendo destes propósitos…

Bases americanas no Brasil?

E sobre bases militares norte-americanas no Brasil. “É o assunto mais delicado. Um tema explosivo, mas temos alguns apoios nas forças armadas e vamos ter que negociar esse assunto com muito tato”.
É mole? O que este cara tinha bebido… para revelar assim sua face mais pilantra?

Desdenha sindicatos e centrais

Perguntado sobre as reações de sindicatos, centrais sindicais, da população em geral contra a entrega da PETROBRAS, o ex-presidente afirmou que à época que privatizou a VALE DO RIO DOCE enfrentou essas resistências “com polícia na rua e pronto”.
É impressionante o simplismo deste cara. Simplismo ou cinismo?

Opinião sobre o brasileiro

“O brasileiro é passivo não vai lutar por muito tempo contra a força do governo”.
Ele continua com aquela visão das elites que o povo brasileiro é tudo bunda-mole, com complexo de vira-lata. Mas, ainda que seja revoltante e enojante, é importante que o brasilerio saiba o que esta figura pensa de nós (brasileiros).

Brasil de 4 para os EUA

FHC falou ainda sobre a possibilidade de ressuscitar a idéia da ALCA – ALIANÇA DE LIVRE COMÉRCIO DAS AMÉRICAS – “com outro nome, esse ficou marcado negativamente”.
Ou seja: os nossos diplomatas vão de novo tirar os sapatos para entrarem nos EUA. E o nosso produto de exportação continuará sendo o sexo…

Opinião sobre soberania nacional e militares

E assegurou aos investidores norte-americanos que os acordos para compra de submarinos nucleares franceses serão revistos e dificultados. “Não temos necessidade desses submarinos”. Sobre a compra de aviões para a FAB foi sarcástico – “para que? Meia dúzia de brigadeiros brincarem de guerra aérea?”
Pior é que é bem assim que ele fala…

Mineiro não serve para nada…

Para FHC “quando um brasileiro nasce já começa a sonhar com São Paulo. Não precisam se preocupar com o resto do Brasil, muito menos com Minas Gerais. Foi-se o tempo que os mineiros decidiam alguma coisa na política brasileira. São Paulo hoje é a capital real do Brasil”.
Com a palavra, meus amigos mineiros…
Não posso falar pelos outros, falo apenas por mim. Se tem lugar onde NUNCA aceitei trabalhar foi em SP.

Serra é vaquinha de presépio

Fernando Henrique jactou-se que fosse ele o candidato e já teria liquidado a fatura a mais tempo. “Serra não e Fernando Henrique, costuma se perder em algumas coisas e não sabe absorver golpes, fica irado e acaba criando problemas desnecessários. Mas vou estar por trás e asseguro cada compromisso que assumi aqui.”
Todos nós sabemos que Serra é um desqualificado. Mas escutar da boca do próprio FHC tem outro peso…
Fica claro que Serra é vaquinha de presépio…

Inveja de Lula
“Lula não tem coragem de debater comigo. É um analfabeto, não passa de um pobretão que virou presidente num golpe de sorte. Acabou o tempo dele. Não vai eleger Dilma e vai terminar seus dias no ostracismo”.
Pobre FHC.
A senilidade parece ter apenas servido para aumentar o ciúme, a inveja…

===
ENFIM: vamos aceitar tudo isso calado?





Sigilos: Serra e a histeria da derrota

11 09 2010

Neste episódio todo envolvendo a ‘violação’ do sigilo de milhares de pessoas, sai das sombras a fdigura perversa da ‘filha’ do Serra. Sabe-se, com o suceder das revelações, que a filha de Serra é contumaz contraventora – daquelas que orgulhariam qualquer pai mafioso.
Não se trata de suposição, mas da perversa e cruel realidade decorrente da impunidade desta figurinha – Verônica Serra – sócia e amiguinha de outra figurinha perversa – Verônica Dantas, irmã do maior criminoso no Brasil, o único que conta com um defensor dentro do Supremo. É muito chique alguém ter um ministro no Supremo só para cuidar dos seus interesses criminosos…
O que dirá Serra agora, quando enfim é revelado que o filho de Lula também teve o seu ‘sigilo’ devassado? Terá a mesma ênfase cênica de indignação? Ou assumirá que não passa de um parlapatão cínico, hipócrita e imbecil…?
Tenho sempre dito que o PT ganhou duas eleições – se encaminha para a terceira. O que não quer dizer que ganhou o Governo. O Governo brasileiro traz uma cultura construída ao longo de 500 anos de desmandos, de transformação do poder em instrumento de uma elite perversa – da qual Serra, Alckmin, Aécio e mesmo alguns petistas (tipo Mercadante e Martha) são os representantes do momento. Descartáveis, partes de um jogo.
Vamos ver como o Serra irá reagir depois que a imprensa passou a noticiar que também o filho de Lula teve o seu sigilo violado. Vai ficar quieto feito uma anta de presépio?
Transcrevo a seguir a nota do Lauro Jardim, da enojante Veja. E vou continuar esperando alguma reação de Serra em defesa do filho de Lula.

Nada menos que sete CPFs diferentes com o nome de Fábio Luiz da Silva foram consultados pelo terminal de Adeildda Ferreira dos Santos no escritório da Receita Federal em Mauá. Os acessos ocorreram no intervalo de tempo de apenas vinte e oito segundos da manhã do dia 20 de setembro do ano passado.

Não é possível saber pelo relatório da Serpro, que foi enviado à Receita Federal para ajudar nas investigações da quebra de sigilo fiscal dos tucanos, qual tipo de dado desses Fábios foi acessado – se as declarações de imposto de renda ou apenas dados cadastrais – e a motivação para cada uma das consultas.

Aliás, há um quase homônimo famoso deles: Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho do presidente Lula.Por Lauro Jardim





Roriz e Serra em baixa no DF

2 09 2010

Se até o Correio Braziliense, típico subproduto do pior jornalismo brasileiro, reconhece que Agnelo lidera a disputa ao Buriti, imagine-se o que será a realidade. É preciso entender que hoje a opção por Roriz sobrevive nos grotões. Além dos números ndas pesquisas, há algo mais a preocupar Roriz e isto se manifesta na contudência de suas agressões verbais e na treuculência de seus meliantes, melhor, pseudo-militantes.

Ele sabe que está perdido. Ele sabe que muitos candidatos a distrital pegam os tickets de combustível e vendem – porque sabem que a aventura eleitorald ele é totalmente furada. Roriz vive a mesma situação eleitoral de Serra: derrotados, apelam. Como diz um velho aforisma dos tempos de infância: apelou, perdeu.

E o que não tem faltado são agressões. No Riacho Fundo é assim. No dia do julgamento do TSE foi assim. Ontem à noite ao final do debate na Associação Comercial do DF também foi assim, tanto que os marginais contratados para causar tumulto impediram que o vice de Agnelo, Tadeu Filipeli, saísse do prédio.

A pesquisa a seguir foi veiculada no Correio Braziuliense de hoje e mostra que Agnelo, Dilma, Rorigo Rollemberg e Cristovam Buarque são os preferenciais no DF.

Agnelo lidera corrida pelo GDF; para o Senado, Cristovam está na frente
Publicação: 02/09/2010 05:00 Atualização: 02/09/2010 11:42
Em pesquisa realizada pelo Instituto CB Data (1), o candidato do Partido dos Trabalhadores, Agnelo Queiroz, tem a liderança das intenções de voto para governador do Distrito Federal com 40%. Joaquim Roriz, do PSC, vem em segundo lugar com 34%. A margem de erro é de 3%, para mais e para menos.

A vantagem do candidato do PT refere-se à abordagem estimulada, quando uma lista com o nomes dos candidatos é apresentada. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE-DF) com a inscrição 28640/2010 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 27326/2010. Os questionários foram aplicados a 1.100 eleitores do Distrito Federal entre 29 e 31 de agosto.

Toninho do PSol aparece em terceiro lugar com 2% das intenções, seguido por Eduardo Brandão, do PV, que tem 1%. Os outros candidatos não pontuaram. Os votos nulos totalizaram 8%. Já os brancos e indecisos somaram 14%. A rejeição de Roriz é de 38%, contra 23% de Agnelo.

Planalto

A candidata do PT ao Planalto, Dilma Rousseff, também tem a preferência do brasiliense, com 42% dos eleitores. José Serra (PSDB) aparece em segundo, com 22% das intenções, seguido por Marina Silva (PV), que receberia 15% dos votos.

Dilma também lidera a disputa na pesquisa espontânea, quando não é apresentada uma lista com os nomes dos candidatos. Ela tem com 36% das intenções, seguida por Serra, com 17%, e por Marina, com 13%. Quando o assunto é rejeição entre os três mais bem colocados, 36% não votariam em Serra, 28% em Marina e 25% na postulante do PT.

Senado

Para as duas vagas que estão sendo disputadas no Senado Federal, Cristovam Buarque, do PDT, aparece com 49% das intenções de voto, seguido pelo companheiro de coligação Rodrigo Rollemberg (PSB) com 31%. Maria de Lourdes Abadia (PSDB) é a terceira com 26% e Alberto Fraga (DEM) tem 10%. Chico Sant’Anna (PSol), Milton Tadashi (PTN), Robson (PSTU), Rosana Chaib (PCB) e Gerônimo (PSL) somaram 1% cada.

Metodologia
Como em 3 de outubro os eleitores escolherão dois senadores, para ter um quadro das intenções de voto o Instituto CB Data formulou perguntas de respostas múltiplas, situação em que mais de uma opção é anotada. Assim, explica o coordenador da pesquisa, Adriano Cerqueira, a soma dos percentuais de todos os candidatos chega a 200%, pois cada entrevistado apontou dois nomes entre a lista apresentada. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do DF sob o número 28640/2010 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 27326/2010.

1 – CB Data
» O Instituto CB Data foi criado em 2006 e atende exclusivamente a demanda do Correio Braziliense por pesquisas eleitorais. O Instituto CB Data, a exemplo do EM Data, que trabalha para o jornal Estado de Minas desde 2002, não atende partidos políticos nem candidatos. Nas eleições de 2006, o CB Data realizou seis pesquisas de opinião durante a campanha no DF.




Aécio queria os dados de Verônica

1 09 2010

A desinformação é a mais vil das estratégias políticas em tempos de eleição. O que ninguém quer fazer é pensar, é avaliar a realidade.
Os dados de Verônica foram acessados em setembro de 2009.
Foi mais ou menos por este mês que os tucanos Serra e Aécio estavam eriçados, um querendo a confirmação da can didatura e outro defendendo as prévias.
Foi mais ou menos por este mês que o jornalista Juca Kfhouri, da turma do PPS paulista e amigo de Serra, publicou inclusive a suposta agressão de Aécio a uma mulher numa festa no Rio.
O clima entre os dois era de beligerância total.
Aécio, mineiro e matreiro, conhece bem o modo de Serra fazer política e tratou de se precaver. Ele foi atrás de onde tem marimbondo.
Os dados de Verônica destinavam-se aos dossiês de Aécio. Para atacar Serra. O resto é invenção.





Quem será o vice do Serra?

9 06 2010

Para um candidato moribundo, que se arrasta nas pesquisas, empacado no patamar de 36% das intenções de voto, a situação começa a ficar patética. Os nomes sondados para vice, logo tratamd e sair de fininho, alegando outros compromissos, aniversário dos filhos e uma cólica. Na verdade, até mesmo aos aliados, Serra e seu jeito de permanente azedume, trata-se de alguém indigesto.

Percebe-se, a cada dia mais, que o vice dela será por exclusão – tipo: ficou alguém na sala, este será.

A bola da vez está apontando para dois nomes que, destituídos de representatividade política, poderiam aceitar o fardo. Especulam-se os nomes de Álvaro Dias, senador tucano pelo Paraná, que ficou famoso por ter feito um dossiê contra FHC com ajuda de um funcionário seu e depois ter tentado imputar a responsabilidade ao governo, e o de Patrícia Amorim – a tucana que preside o Flamengo do Rio, time que mais deve no futebol mundial, algo acima dos R$ 350 milhões.

São dois nomes sob medida para Serra. Será a típica soma do nada com coisa alguma.

O difícil será convencer a turma do Demo que já avisou que quer o posto de vice e só abriria mão em favor de Aécio que, pelo visto, está cada vez mais fechado com Dilma…





Salvemos o Brasil! Ninguém merece o Serra…

7 06 2010

O pior que pode acontecer para Serra e seus tresloucados amigos é a veradde. E ela vai aparecendo. A cada novo dia.

É o que ocorre em relação a esta história fantasiosa do dossiê. O que o Sera e o Itagiba queriam mesmo era plantar, infiltraralguém na estrutura da Dilma. Não se trata de teoria conspiratória, mas fatos que vão surgindo com o desnudamento de personagens enojantes como o própri Sera, o Itagiba e este Onézimo.

Coloquei no meu comentário no Jornal Passe Livre desta semana (edição 435) que o mais estranhável em tudo isto é alguém ainda acreditar no Serra. Trata-se de uma pessoa doente, que mente sobre tudo que faz. E logo me lembrei também daquela tiradinha dele ao pré-convidar o Arruda para ser o seu vice (você vota num careca e leva dois). Poderíamos dizer por exemplo: você vota em um corrupto e leva dois; você vota em um mentiroso e leva dois.

Os métodos perversos e doentios do Serra estão, inclusive, afastando todos os pretensos candidatos a vice – porque a pessoa já sabe que vai ser menos do que um boneco decorativo.

Se ainda resta alguma dúvida sobre a tentativa de infiltrar alguém na campanha da Dilma, a reportagem a seguir revela quem são os personagens.

domingo, 6 de junho de 2010
Confirmado: Onézimo integrou aparato de arapongagem de José Serra no Ministério da Saúde

O infiltrado

As relações do ex-delegado Onézimo das Graças Souza, fonte da revista Veja, são mais próximas de José Serra (PSDB/SP) do que se imaginava.

E fica cada vez mais claro que houve tentativa de infiltrar na campanha de Dilma, num primeiro instante. Não conseguindo, resolveram apenas produzir um encontro público que desse margem à versão da encomenda do suposto dossiê.

A fabulosa máquina de espionagem de José Serra no Ministério da Saúde

É preciso voltar ao tempo, no fim da década 90, no governo FHC, quando José Serra era ministro da Saúde, para encontrar os primórdios das relações de José Serra como o ex-delegado Onézimo.

Marcelo Itagiba, ex-chefe do Centro de Inteligência da PF, foi chamado e aceitou integrar a assessoria de José Serra no ministério da Saúde, para montar um aparato de inteligência.

Oficialmente a função seria combater fraudes. Extra-oficialmente, o que se comenta como certo, em todos os meios políticos e jornalísticos de Brasília, é que funcionou como um serviço de arapongagem aos adversários políticos.

A escolha de Itagiba não foi por acaso. Como ex-chefe do Centro de Inteligência da PF, ele tinha conhecimento dos grampos legais da PF a serviço do governo. Tinha acesso a tudo o que se conversava pelos telefones grampeados na PF, desde traições políticas, corrupção, propinas, subornos, casos extra-conjugais, estado de saúde de políticos. Até bizarrices constrangedoras, que um grampeado cometesse o deslize de falar ao telefone, estava ao alcance do Centro de Inteligência da PF.

Além disso, Itagiba fazia parte do núcleo de confiança de Serra, a quem tentou indicar como chefe da Polícia Federal. Era até casado com uma prima do tucano Andrea Matarazzo, muito ligado à Serra.

No aparato de espionagem a adversários, montado no Ministério da Saúde, junto com Itagiba, havia outros delegados da PF, entre eles Onézimo das Graças Souza.

Quando pipocaram denúncias de que esse dispositivo de arapongagem estava colocando a máquina pública para investigr ilegamente adversários, Serra desmontou tudo, pois o caso caminhava para virar um Watergate, com denúncias na área criminal.

Mas, ao que tudo indica a arapongagem não parou, foi apenas terceirizada. Em vez de um órgão com funcionários públicos, Serra, autorizou a contratação por R$ 1,8 milhão (dinheiro da época) da empresa carioca Fence Consultoria Empresarial, especialista em detectar escutas clandestinas.

O dono da Fence era Enio Gomes Fontenelle, um ex-coronel do Exército que por muitos anos trabalhou no extinto Serviço Nacional de Informação (SNI), órgão de investigação oficial durante a ditadura militar. Ex-chefe da área de comunicações do SNI, Fontenelle era um dos maiores especialistas em espionagem eletrônica.

O trabalho oficial da empresa era rastrear a existência de grampos ou emissores de rádio clandestinos. Mas estranhamente, Fontenelle esteve várias vezes no Ministério da Saúde, onde encontrava-se com Serra, quando ainda era ministro.

Quando houve o caso Lunus, em 2002, o PFL (que quis dar o troco e salvar a candidatura da pré-candidata), havia contratado detetives particulares para descobrir os bastidores da operação. As investigações sobre grampo ilegal na sede da Lunus haviam apontado para uma possibilidade: a empresa Interfort Sistemas de Segurança, de Brasília. Isto porque José Heitor Nunes, gerente da empresa, esteve várias vezes no Maranhão nas semanas que antecederam a invasão da Lunus.

Ex-militar do Exército, Nunes tinha trânsito nos órgãos de informação do governo. Como consultor de segurança, Nunes dava aulas para os arapongas da Polícia Federal e da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Durante sua militância empresarial e militar, conheceu Itajiba e o coronel Fontenelle. Era ainda amigo do delegado Onézimo, aquele da revista Veja, que aposentou-se da PF e passou a trabalhar na empresa ControlRisk, especialista em investigações e medidas de segurança.
A Fábrica de dossiês, naquela época, atribuída à arapongagem a serviço de José Serra:

Em 2002, pipocavam denúncias de dossiês contra rivais de Serra. Alguns adversários diretos dentro do PSDB, como Paulo Renato de Souza e Tasso Jereissati. Outros rivais em outros partidos, como Lula, Roseana Sarney, Ciro Gomes, Garotinho. Outros seriam líderes partidários a quem Serra queria o apoio, como o falecido deputado José Carlos Martinez, na época presidente do PTB.

Ciro Gomes, denunciou, naquela época, a existência de uma estrutura de arapongagem, um grupo de 40 pessoas plantado em São Paulo para bisbilhotar a vida dos possíveis adversários do candidato do PSDB à Presidência, José Serra. Os principais alvos seriam, segundo Ciro, Lula, do PT, e Roseana Sarney, do PFL.

Anthony Garotinho, denunciou que foi procurado por um político do PSDB, a mando do deputado Márcio Fortes (PSDB-RJ, hoje pré-candidato a vice de Gabeira), que pretendia lhe passar um dossiê com denúncias contra Roseana Sarney.

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva (que foi vice de Ciro em 2002), também afirma ter tido acesso a um dossiê. Ele teria informações que embasariam reportagem de uma revista de circulação nacional.

O presidente do PTB, deputado José Carlos Martinez, que ainda articulava uma aliança com Ciro Gomes, foi fotografado com uma amiga durante uma viagem a Miami. Uma revista de circulação nacional iria publicar a foto. Martinez procurou a direção da empresa e conseguiu evitar a publicação.

Pelas conversas, esses dossiês foram usados nos bastidores, para afastar candidatos de disputarem com Serra. Um deles não funcionou nos bastidores. Resultou na espalhafatosa operação Lunus, diante da ameaça de Serra ficar fora do segundo turno.

(Com informações resgatadas da reportagem da edição de 14/03/2002 do jornal Correio Braziliense, cuja íntegra está no Blog Os amigos da presidente Dilma).