Sindicalista na equipe de transição

13 11 2010

O sindicalista Paulo Antenor, presidente do Sindireceita-Sindicato Nacional dos Analistas Tributários da Receita Federal do Brasil, eleito 1º suplente do senador Magno Malta (PR-ES) foi oficialmente convidado por Agnelo Queiroz (PT), futuro governador do DF, a fazer parte da equipe de transição – ficando com atuação centrada na questão tributária. Paulo Antenor começou a atuar na quinta-feira, dia 11, quando passou a se debruçar sobre o perfil tributário do DF, adequações e ajustes necessários e além da otimização dos mecanismos de Estado para reduzir a sonegação.
A primeira reunião da equipe aconteceu neste sábado.





DF: abstenção não ameaça vitória de Agnelo

31 10 2010

O DF deverá registrar abstenção supeiro a 30% neste 2º turno, mas nem isto coloca em risco a vitória de Agnelo. A pesquisa da Exata, realizada neste sábado, já tinha este ingrediente, e mesmo assim a diferença do levantamento mantinha-se em 64 a 36. A previsão de hoje é que Agnelo deve vencer na proporção de 62 a 38.
No Goiás, pelo que tenho falado com jornalistas que estão afzendo compilação de resultados em cidades de todo estado apontam a vitória de Perillo na proporção de 53 a 47. Por uma questão de estratégia deles, não estão fazendo nenhum trabalho com a eleição presidencial. Neste sentido, valho-me das informações de Delúbio Soares apontando para a força de Dilma no Estado.
Volta a chover pesado em todo o DF.
Meu filho, do alto dos seus 16 anos, indo votar. Aluno de Direito da UnB, eleitor de Dilma e Agnelo. Futuro embaixador. Consciente de que não vota apenas por ele. Mas por todos que sonham com um Brasil mais justo, digno, humano, fraterno e igualitário.
Por telefone, falei com o pessoal do Filippelli – nunca sei como se escreve corretamente o nome dele. Estão também na expectativa.
As denúncias de malversações do rorizismo são esporádicas. Coisas pontuais. As tradicionais maracutaias de gente votando com documento de outros. Gente recebendo dinheiro para votar.
Sobre a Dilma aqui no DF, os dados apontam que ela e o ‘coiso’ disputam cabeça com cabeça. Voto por voto.
É esperar mais um tempo. Os minutos se arrastam…





Jornal Passe Livre nº 462

15 10 2010

A edição 462 do Jornal Passe Livre será distribuída amanhã na rodoviária de Brasília. Trata-se de jornal lançado em 1998 e que tem duas edições por semana com tiragem de 60 mil exemplares cada
Em destaque nesta edição:
– Agnelo desmascara o jogo sujo de Roriz
– A importância de comparar os governos do Psdb/serra com o de Lula/Dilma
– Sindicalistas se unem para alavancar a candidatura de Dilma no DF
– Serra tem nova coordenadora no DF
Na capa:
No 2º turno, vote 13: Agnelo e Dilma





DF: Desafios para o 2º turno

4 10 2010

Antes de mais nada, é preciso reconhecer a força de Roriz – neste patamar de 31,5% que seria a mesma votação se fosse com ele ou a laranja dele. Não foi Roriz quem levou a eleição para o 2º turno, mas alguns equívocos mortais do PT que acabaram tonificando a campanha de Toninho do Psol.
Entre os equívocos, o maior deles é a fragilidade de Agnelo para os debates, para se explicar, para transmitir informações. Passou o tempo todo sendo atacado por Toninho do Psol e jamais conseguiu ter uma resposta convincente para o leque de alianças que fez para dar sustentação à sua candidatura.
Falta para Agnelo a incisão nas respostas. A convicção.
Terá de solucionar estes equívocos e quem sabe mudar a equipe de TV – que deve ter feito os piores programas do País. Não se sabe de onde saiu uma equipe tão ruim. Tenho para mim que os programas de Agnelo eram os piores em nível nacional.
Em lugar de propostas, gracinhas e ataques contra Roriz – algo que pdoe agradar meia dúzia de militantes, mas não agrega nada em termos eleitorais.
Manter a atual equipe de TV é a garantia de derrota no 2º turno. O marqueteiro chefe da campanha tem a capacidade de ‘gerenciar’ uma campanha similar a de um elefante cuiidando de uma loja de cristais.
Ao não ser eleito em 1º turno, talvez alguns petistas sejam tocados um pouco mais pela humildade. Saiam do olimpo e venham trafegar no meio do povo. Aceitem conversar sobre suas verdades com quem vive na chapada.
Desde o começo foi apontado que a arrogância de alguns petistas, a falta de comprometimento de candidatos a distrital extremamente fisiológicos que estavam ‘na base’ de Agnelo e a falta de firmeza de Agnelo poderiam levar para o 2º turno.
Agora, que o 2º mturno é uma realidade, talvez estes deuses com suas verdades aceitem aprender um pouco com os humanos…





Nova pesquisa confirma Agnelo em 1º

1 10 2010

Em fase final de tabulação e checagem, a pesquisa Exata realizada em todo o DF entre os dias 29 e 30 de setembro será oficialmente divulgada amanhã – mas os números consolidados indicam que Agnelo Queiroz (PT) lidera com 46,9% das intenções de voto, Weslian (PSC) tem 24,6% e Toninho (Psol) chegou a 11,2%.
Abstraindo-se nulos, brancos e indecisos, Agnelo tem 56.2%, Weslian 29,5 e Toninho alcança 13,4%.
Para a eleição de domingo, a Exata aponta que Agnelo vencerá com 54% dos votos.
Outra informação: a Exata fará boca de urna na eleição de domingo aqui no DF.





Lula, Dilma e Agnelo no Valparaíso

7 09 2010

Filipeli, Iris, Dilma, Agnelo, Lula e Rollemberg no comício no Val

Foi uma festa da democracia. E uma demonstração de que aqui no DF, o medo, o atraso e o obscurantismo serão derrotados em 3 de outubro. Mais de 10 mil pessoas estiveram no Céu Azul, bairro de Valparaíso de Goiás, para participar de um ato que confirmou a profunda identidade do Governo Lula, do PT, de Dilma Rousseff, de Agnelo Queiroz e seus aliados com os anseios do povo brasileiro. Como disse com muita propriedade, enquanto o adversário consegue apenas fazer passeatas com meia dúzia de gatos pingados, a coligação que representa  um Brasil e os brasileiros que querem continuar melhorando tem rteunido multidões pelo País afora.

Apenas para exemplificar a diferença. Na última sexta-feira, dia 3, Serra esteve em Joinville – a maior cidade de Santa Catarina. Não conseguiu encher o salão de um clube local, sendo que menos de 300 cabos eleitorais se fizeram presentes. Por não contar com o respaldo do povo é que Serra tem apelado para a baixaria, para uma campanha amplamente apoiada pela mídia.

O comício serviu também para tonificar a campanha de Iris Rezende ao Governo de Goiás – tendo em vista que o chamado Entorno de Brasília é o segundo colégio eleitoral do Estado. E faz oito anos que esta região foi abandonada pelos Governos de Perilo e Cidinho. Faz oito anos que o Governo de Goiás trata o Entorno com desprezo – dando-se ao luxo de manter um hospital quase pronto fechado apenas porque foi obra realizada no governo de Maguito Vilela.

No comício, Iris reiterou seu compromisso de resgatar o estado de Goiás, que hoje é administrado com miopia e sem compromisso com os segmentos mais humildes da população. Ele lembrou que os últimos govcernos estaduais apenas administraram  o Estado para fortalecimento dos mais abastados.

Agnelo, por sua vez, reiterou a importância de fazer um governo sério e ético e que ataque de frente os estragos causados por 12 anos de desgoverno. Neste período, houve o sucateamento dos serviços públicos, o inchaço populacional e a perda brutal da qualidade de vida dos brasilienses.

Dilma, por sua vez, reiterou que a oposição sempre apostou no fracasso do governo, dizendo que o Brasil mergulharia no caos com um presidente metalúrgico. Como quebraram a cara, passaram a apostar no preconceito contra as mulheres.  Como isso também não deu certo, trataram de ir para a baixaria, para as mentiras e apelam para os chamdos factóides – que é um nome um pouco mais chique para a velha e surrada fofoca. A oposição hoje, digo eu, vive de fofocas e futricos. Cada vez mais longe do povo.

Quanto ao discurso de Lula… bem, Lula é Lula – ou alguém precisa falar mais alguma coisa?

Em tempo: quando sera o comício de Serra com Roriz aqui no DF ou no Entorno?





Pesquisas no DF: Agnelo na liderança

31 08 2010

Foi divulgada ontem uma ‘nova’ pesquisa pela Soma – que continua sem informar quem a contratou. A diferença está em abiçais 10 pontos – em favor de Roriz, é claro. Cabe lembrar apenas e para que fique bem claro: o dono da Soma, Ricardo Pena, é antigo aliado de Roriz e de Arruda, tendo sido inclusive notório mensaleiro. Ou seja: é da turma que desde janeiro de 1999 transformou o GDF numa grande fonte de negociata e de poder.
Mal comparando, a Soma está sendo obrigada a fazer a ‘convergência’ de seus números com a realidade, na tentativa de mostrar alguma credibilidade. Algfo pouco provável, levando-se em conta o histórico de parcialidade e de comprometimento da empresa e do seu proprietário.
Mas pode-se dizer também que a diferença entre Agnelo e Roriz é de apenas 3,8% – se levarmos em conta os extremos da margem de erro. Feito este exercício, chega-se a um patamar mais próximo daquilo que as demais pesquisas indicam (38,2 a 35,4 pró Agnelo pela Exata e 41 a 35 pró atraZo pelo Datafolha).
Outra leitura possível está nas linhas das duas candidaturas – e então será possível entender o desespero, a truculência e a agressividade de Roriz (aquele que, segundo o TRE-DF é candidato ficha-suja). O ex-governador está na descendente, perdendo entre 2 e 6 pontos de uma pesquisa para outra. Em contrapartida, desde o início da campanha, Agnelo só vem crescendo nas pesquisas.
Trata-se de algo normal, afinal de contas o nome de Roriz – a despeito de todas as mazelas que seus governos geraram, de ter sido fundamental para o inchaço habitacional e a perda da qualidade de vida dos moradores do DF e a destruição dos serviços públçicos – é parte de uma história do DF que nós, enquanto cidadãos, não precisaríamos ter vivido e com certeza o DF como um todo seria um lugar bem melhor de viver. Mas seu nome é forte, mormente por tudo que ele enseja de ilegalidade (invasão de áreas públicas, negociatas, pirataria, camelôs, vans, etc).
A virada eleitoral de Agnelo, conforme pesquisas, mostra que também aqui no DF, a esperança está vencendo o atraZo.





A estranha mania de bajular

12 08 2010

Observando o comportamento da mídia nacional – em suas manifestações de desenfreada parcialidade e partidarização, a despeito de uma cínica defesa da imparcialidade, neutralidade e democracia/liberdade – não tem como não culpar o Governo Lula e o PT pela manutenção de uma mesmice no que diz respeito aos meios de comunicação. Depois reclamam do tratamento que o Jornal Nacional, que a Veja, que a Globo e que o escambau destina ao veicular informações, ao manipular notícias e dados, ao entrevistar quem tenha qualquer vínculo ou relação com o Governo Federal.
Todos nós desejávamos que os deuses petistas tivessem aprendido que não adianta bajular, puxar o saco e babar os ovos dos donos da verdade. Mesmo tendo assumido, governado e reinado em municípios, estados e mesmo em nível federal, a verdade é que os petistas são sábios demais para aprender com os próprios erros e ególatras demais para ver os erros alheios e deles tirar lições.
Trata-se de algo doentio em termos de PT – e num certo sentido, algo que se repete em termos de PSB, PDT e outras siglas do consórcio amplo do chamado campo popular e democrático. A verdade é que os salamaleques dos poderosos, suas roupas bem cortadas, suas secretárias sempre obsequiosas, os presentes e cortesias acabam servindo para embotar a realidade e quando chegam ao poder – qualquer nível de poder e isso se dá também em boa parte dos sindicatos e mesmo na CUT se observa a obtuosidade com que a comunicação é tratada – deixam do lado de fora, de preferência na lata de lixo mais próxima, qualquer esboço ou idéia de fortalecer os meios e mecanismos alternativos de comunicação. Parece que existe o medo de ver algo surgir sem que possam manipular, usar ou assumir a ‘paternidade’.
Em lugar de ter uma política de fortalecimento de meios de comunicação alternativos, fomentar a criação de novas redes e assim quebrar a hegemonia da informação que é usada para a desinformação sistemática, percebe-se que os partidos ‘das esquerdas’ optam por se iludir, pensando que os empresários trocarão de lado pelo dinheiro. Ou abandonarão suas arcaicas e carcomidas ideologias em troca de uma visão de mundo coletiva.
Assim foi em São Paulo (prefeitura), Porto Alegre (prefeitura), Rio Grande do Sul (estado), DF e todos os demais níveis de poder – vergonhosamente também em nível federal. Em lugar de romper com a velha mídia, o pessoal prefere fazer conchavos e assim acaba fortalecendo-a. Em lugar de despejar milhões em veículos de linha editorial comprometida com o atraso, os chamados governos dos campos popular e democrático deveriam se preocupar em criar uma nova alternativa de comunicação, apoiando o surgimento de novos jornais, de novas redes de rádio e de TV.
Estamos prestar a acompanhar o início de um novo governo, tanto em nível federal quanto aqui no DF – onde se espera que Agnelo consiga vencer as eleições ainda não se sabe contra quem. É pouco provável que Roriz sobreviva, mas de qualquer modo ele usa a estratégia de manter-se na campanha, mesmo sabendo que será impedido pelo TSE, para difundir o papel de que está sendo vítima de uma armação – quando na realidade ele apenas um ficha suja a mais que tenta continuar usufruindo as benesses do poder. Reiterando: estamos prestes a começar ‘novos’ governos, mas não pensem que eu tenho qualquer otimismo quanto a uma mudança de postura, de comportamento ou mesmo de relacionamento dos ‘donos do poder’ com a mídia tradicional.
Não vejo em Dilma Rousseff, nem em Tarso Genro (RS), nem em Agnelo Queiroz (DF) e nem em qualquer outro dos candidatos do chamado campo popular e democrático qualquer lampejo de coragem e de compromisso em romper com este esquema.
É lamentável, mas continuaremos – nós, os produtores de mídias alternativas e por ironia do destino também o povo humilde – sendo solenemente ignorados por governantes que não têm a ousadia de um Roberto Requião (que mandou a Globo às favas, fortaleceu a TV e a Rádio públicas no Paraná, injetou recursos em mídias alternativas, etc).
Não falo do desconhecido. Basta ver como as assessorias de comunicação da Dilma e do próprio Agnelo se relacionam com a mídia alternativa. Se os produtores desta mídia não correm atrás, são ignorados. As equipes de comunicação são compostas por jornalistas contratados, por altos salários, de empresas tradicionais e portanto com os vícios de acharem que apenas os ‘grandes’ merecem tratamento em termos de agenda, de entrevistas.
Fico pensando: será que depois de tanto apanhar este povo ainda não teve capacidade de aprender?





O isolamento de Roriz

24 06 2010

Só mesmo alguns blogueiros simpáticos ao ex-governador Roriz ainda insistem em dar-lhe sobrevida política. Ele mesmo dá sinais de que está entregando os pontos. Sabe, aconselhado por advogados, que sua luta será inglória. Ainda tenta vender uma imagem de otimismo, mas a percepção do desânimo e do abandono é patética.

Hoje se aninham ao redor de Roriz algumas siglas de aluguel – PSC, PMN, PTDB, PSDC, PTS e PRTB – nenhuma delas capaz de garantir o mínimo de seriedade para a sua candidatura.

Partidos como o PR e o PP negociam abertamente com Agnelo Queiroz e com Lula no sentido de encontrarem espaços na chapa do petista. As reuniões que se sucedem na residência do governador estão sendo vistas mais como ações de náufragos na espera de algo para salvá-los.

Por que o PR não pretende abraçar Roriz? É simples. Izalci sabe que a coligação não terá votos suficientes para eleger a ele e Jaqueline Roriz. Percebeu que esta conformaçãod e nomes e de partidos tem o único objetivo de garantir o mandato de deputada federal para a filha. Ele entraria como um ´ze mané’ somando votos. Por esta razão, é o maior interessado em estar numa coligação boa de votos onde possa garantir o seu mandato sem sobressaltos e riscos. Caso o PT/PMDB consigam acomodar Frejat numa das suplências ao Senado, é certo que deixarão Roriz. Até memso porque esta é uma articulação via Palácio do Planalto…

E o PP que é visto como aliado? Só mesmo quem conhece muito pouco de Brasília e da história política local poderá apostar nesta possibilidade. Benedito Domingos tem verdadeira ojeriza pessoal ao nome de Roriz – tanto assim que não tem participado das reuniões. Benedito, homem de fibra e fé, foi humilhado durante os quatro anos nos quais serviu de vice de Roriz entre 1999 e 2002. Roriz inclusive vivia disseminando, pela máquina de mentiras que sempre foi a Secom nos governos de Roriz, notícias desairosas contra Benedito. Porque este é o jeito do Roriz fazer política: engoliu Benedito porque precisava do voto dos evangélicos para vencer Cristovam e o PT em 1998. Consumado seu objetivo, tratou de destruir e ridicularizar Benedito.

E o PSDB? Trata-se de um grande enigma. Abadia quer um mandato e para isso se humilha pré-aceitando aliança com alguém que a chamou de ‘vadia’ no passado. Os tucanos no DF, por sinal, vivem em frangalhos e se atacando pelos bastidores. A Executiva Nacional ainda não bateu o martelo. O ideal seria uma terceira via, mas há o entendimento de que falta tempo para consolidar uma mensagem junto ao eleitorado.

O Demo, os verdes e o PPS juntos? É o que se desenha e este cenário, com anúncio de que se o PSDB continuar com frescura vão fornecer palanque para Marina Silva no DF, pode ser uma espécie de nau de franco atiradores. Fraga como candidato será uma metralhadora giratória para todos os lados, até porque viveu nas entranhas os governos de Roriz e de Arruda. Resta saber o que existe de verdadeiro e o que é apenas blefe na cruzada de Fraga. No caso do PPS, a sinuca é complicada e o partido teme ficar sem deputado federal e nem distrital.

O Gim vai com quem? O Senador Gim Argello vive um dilema de lealdade: mesmo desejando ser candidato, tem seu destino nas mãos do Planalto. O PTB deve levar uma das suplências ao Senado da chapa majoritária do PT. Neste caso, o nome mais forte para ocupar a vaga é a do advogado Paulo Goyaz, profundamente identificado com a sigla no DF e que é o preferido da militância e dos filiados.





Jornal Passe Livre – 80 mil exemplares semanais

10 06 2010

A partir da próxima semana, o Jornal Passe Livre – lançado em fevereiro de 1998 e distribuído semanalmente na rodoviária urbana de Brasília (sempre às terças-feiras) – terá um acréscimo de 20 mil exemplares na sua tiragem, passando a 80 mil/semana.

Trata-se de conquista importante, porque – mesmo sem NENHUM apoio do Governo Federal (afinal de contas o Governo Lula precisa injetar muitos milhões de reais na Abril, na Globo, na RBS, no Estadão e outros veículos da ‘grande mídia’ para que ela tenha condições de atacar o Lula, o PT, outros partidos do campo popular e democrático, demonizar e criminalizar os movimentos sociais) – estamos conseguindo manter e ampliar um instrumento em defesa das propostas do Governo, ressaltando a importância de mudar a condução política no DF e assumidamente defender as candidaturas de Dilma Roussef e Agnelo Queiroz.

Chegamos a 80 mil/semana e vamos chegar a 100 mil/semana. Para desespero do pessoal da Secom do Governo Federal…