Enfim, notícias…

9 08 2010

Somente no final da tarde de domingo, 8, é que surgiram algumas informações sobre a matéria da Veja sobre o vídeo do Roriz em blogs aqui do DF. Depois da edição ter sumido das bancas, comprada que foi por misteriosos leitores adesivados – adivinha de qual candidato?
Mas, o mais estranho de tudo foi o destaque dado aos esclarecimentos. Tudo assim publicando na íntegra a versão dos releases. Nenhum questionamento. Nenhuma dúvida.
Vamos ver os jornais de amanhã. Ainda bem que na terça-feira tem o Passe Livre…





Sobre a liberdade e a fantasia

12 06 2010

Leio notícias, escuto vozes e indicativos de que se prepara um ‘encontro’ nacional de blogueiros independentes. Talvez seja uma grande oportunidade de se ‘organizar’ o povo que, meio que à margem do sistema, esteja hoje afzendo o melhor jornalismo do País. O grande risco é os organizadores passarem a pensar como os donos do PT, do PSDB e da mídia nacional – de que só a vida inteligente em São Paulo.

Em encontro nacional de blogueiros deve necessariamente estar aberto a imensa diversidade de linguagens e ter como premissas três pontos:

1 – O oferecimento gratuito de templates/modelos de blogs além daqueles hoje disponíveis no Ig, no Blogspot, no WordPress, no Uol e outros. É preciso ter ‘modelos’ nacionais. Onde estão os chamados programares jovens e conscientes? Onde está o povo do software livre que ainda não se atentou para esta realidade? Ou só conseguem pensar do ponto de vista de suas salas com ar condicionado?

2 – Hospedagem, que hoje é a forma mais safada e desgraçada de controle de conteúdo. Quantos blogueirtos já tiveram seus conteúdos bloqueados nestes pseudos portais de hospedagem ‘gratuitos’? Assim, sugiro que a primeira ação da ressucitada Telebrás seja a de disponibilizar, gratuitamente, hospedagem a todos os blogs

3 – Que a Secom destine recursos para a veiculação de ‘popas’ de anúncios do Governo Federal – porque pelas normas de hoje, só os grandes e poderosos conseguem acessar estas verbas.

Dito isto, reitero: discutir qualquer assunto centrado apenas na realidade do próprio umbigo é hiresia. Esquecer que o Brasil é muito além de São Paulo, é hipocrisia.





PO ludibriou blogueiros

18 02 2010

Uma das mais deploráveis práticas do jornalismo chama-se adivinhologia – ciência preferida dos blogueiros que preferem colocar no ar aquilo que alguém ‘assoprou’ nos seus ouvidos. Com muito pouco de jornalismo, os blogueiros buscam uma instantaneidade que não lhes permite colocar em dúvida as veraddes que lhes são passadas. Julgam-se sempre detentores de alguma fonte secreta.

O episódio de PO – onde 9 em cada 10 blogueiros diziam de fonte segura que até a carta de renúncia já estava na Câmara – mostra claramente como é fácil manipular estes pseudo-jornalistas que atuam mais como porta-vozes de interesses do que comprometidos com a informação.

Aqui no DF, por sinal, quase todo blogueiro é empregado de algum partido político – sendo que muitos deles trabalham descaradamente como prota-vozes. A volúpia em informar fez com que os distintos e distintas coleguinhas e as edições online de TODOS os jornais tivessem uma sucessão de ‘barrigas’ (para quem não sabe: mentira).

No mínimo os blogueiros devem, por dever de ofício, pedir desculpas por colocarem o compromisso com a informação num plano inferior…





Desinformação e jornalismo no DF

3 01 2010

A verdadeira pobreza do DF é cultural e isto tem a ver com a ausência de informação, quer advém do fato de não haver jornalismo local em Brasília. Trata-se de cruel realidade, mas que ajuda a entender a razão pela qual esfriou junto a sociedade o movimento anti-Arruda e Paulo Octávio. Não está aí a única razão, mas passa muito por aí…

Os meios de comunicação no DF – oficiais e comunitários (a exceção são ALGUMAS rádios comunitárias e a TV Comunitária, Canal 8 da Net) – são controlados, manipulados e financiados pelo dinheiro da publicidade do GDF e, pasmem, do Governo Federal. Possuem vínculos obscuros com o poder, empregos e benesses são trocadas – há uma conivência e convivência espúria entre jornalistas e fontes, numa troca de favores e de sustentações que só ajudam a denegrir a categoria.

Muitas das chamadas rádios comunitárias estão em mãos de políticos, de religiosos – responsabilidade do Ministério das Comunicações que não leva em conta a legislação, mas também a troca de favores políticos. Não há jornalismo comunitário, tendo em vista que os jornais não tem anunciantes privados que lhe dêem sustentação, tendo de recorrer ao GDF, que costuma mandar anúncio e indicar matéria a ser veiculada. Além disso, os jornais comunitários também estão ligados a políticos.

Para piorar, nem mesmo temos uma rede confiável de blogs, porque os jornalistas que os mantêm, possuem vínculos com os jornais tradicionais e, mais do que isso, em geral mamam nas tetas de algum cargo público. É uma situação deplorável e que mostra a pobreza de informação na qual vive o povo do DF. As informações mais precisas sobre falcatruas no GDf só são encontradas em blogs de fora – porque mesmo farsas como a tal de ‘ong’ Contas Abertas é uma pilantragem só.

É um quadro dantesco, que faz mal à sociedade do DF. Vejamos o caso do Hospital Regional de Santa Maria, repassado a uma ong supostamente espanhola, já corrida da Bahia por falcatruas e bizarrices. Mas no DF ela ganhou a bagatela de R$ 222 milhões para administrar um hospital construído com dinheiro do povo e do governo federal. E ninguém para denunciar…

O que dizer então da ação da Polícia Militar, bancada com dinheiro federal e que o governo local (do DF) usa para agredir os trabalhadores e proteger ladrões? E a Polícia Civil, também paga com dinheiro da União e que serve mesmo é para bisbilhotar a vida alheia, fazer política a favor de determinados candidatos que defendem o corporativismo que levou ao ponto de manter as delegacias operando emr egime de plantão das 6 da tarde até o meio dia do dia seguinte? Para que proteger a sociedade se é mais fácil proteger quem manda?

Não deve ser por acaso que o Correio Braziliense tem uma cobertura no mesmo padrão da Folha de São Paulo, afinal de contas tem no comando editorial alguém deformado por aquela escola paulista de fazer jornalismo. Digo escola, porque é uma forma de denunciar a perversão da mídia como algo institucionalizado nacionalmente. Volto a dizer: que o GDF injete milhões nestas coisas que alguns chamam de rádios, jornais, TVs e revistas até se compreende pela necessidade de levantar dinheiro – mas o Governo Federal também financiar este pessoal e suas estruturas, aí já é demais…

O esquema de amordaçamento da informação que hoje existe no DF foi montado ao longo dos anos pelo doublê de empresário e jornalista conhecido como Baiano, fiel escudeiro de Roriz e que hoje continua no Governo Arruda com as mesmas práticas. Conmo tenho dito: Arruda e Roriz são iguais em tudo e cúmplices em tudo…