Arruda e o enterro do Demo

18 03 2011

Arruda, o vice dos sonhos de Serra, resolveu voltar à ativa.
Ninguém sabe se a entrevista é recente. Alguns acreditam que é coisa antiga.
Se for recente, indica que Arruda desta vez não vai deixar Durval comandar o espetáculo sozinho.
Se for coisa antiga, de antes das eleições como acreditam alguns, então a Veja terá cometido um crime – mais um! – na sua vasta folha corrida de compromissos com a desinformação. Lembram da tórrida história do grampo sem áudio? Por ironia, nas denúncias de Arruda e no episódio do grampo, uma figuira perversa e patética permeia as duas: o senador careca Demóstenes de Goiás.
E fez de tal forma que enterrou numa só lapada o Demo e deixou bem claro que pode puxar o Psdb para a cova também. Aproveitou para chamuscar o PT do Goiás, mormente pela parceria no Entorno, e lembrar de sua estreita amizade com Cristovam – algo que todos aqui no DF já sabem muito bem! Sobre o Cristovam, a revelação do Arruda fez voltar na pauta das conversas aquela história de que o ex-governador do DF só entrou na campanha para bater no Lula. Algo que a Marina fez em 2010, desta feita batendo na Dilma… E foi dando nome aos bois… melhor, aos nobres e honestos Demos, puxou para o lamaçal os tucanos e daí resolveu ainda poupar nomes, jogando tudo nas costas do Guerra – tudo figuras ilibadas. Ícones do moralismo. Impolutos, singulares – bandidos que cada vez mais se sabe apenas ganaciosos e vulgares.
Estranhamente, ao menos por agora, resolveu poupar Aécio – mas poderia, por exemplo, dizer que trouxe e ainda está com contrato em vigor a Agência Nacional, empresa de BH que aportou por terras candangas em contas de muito dinheiro do GDF a pedido do governador mineiro. Reciprocidades.
O enterro do Demo chegou a ser patético: Arruda – ou terá sido Serra? – deixou que o partido elegesse um novo presidente e o alvejou na lata – Agripino Maia. Seria interessante dar uma olhada na prestação de contas da Micarla e ver se tem o dinheiro doado pelo Arruda. E de todos os demais mencionados.
Vingativo, também detonou Kassab, esta figura estranha, um ser meio anódino. Surgiu do nada e para o nada voltará. Muitos são os que dizem que a vingança do Arruda um dia chegaria – e pelo visto chegou ceifando diguras e dizimando ainda mais onde já havia apenas escombros, perfis fantasmas e ranços.
Vale a pena ler a entrevista que o Arruda deu para a Veja – antes ele tinha dado muito, mas bota muito dinheiro nisso para a revista. A entrevista vale pelas revelações, pelas confirmações -mas também porque elas oferecem um contraponto às gravações do Durval e possibilitam uma leitura mais demorada do perfil corrupto e perverso de Demos, Tucanos e a papagaiada do PPS.





Senado – a briga no DF ainda não começou

31 05 2010

Os primeiros levantamentos acerca das intenções de voto para as duas vagas de Senador aqui pelo DF revelam a dianteira de Cristovam Buarque (Pdt) e a rápida alavancada em torno do nome de Rodrigo Rollemberg (Psb), em qualquer dos cenários pesquisados. Mas estes dados não podem ser usados nem para ufanismo e nem para desânimo em face do elevado número de indecisos – percentual acima dos 50%.

Somando 1º e 2º voto, Cristovam atinge o patamar de 47%, cabendo a Rodrigo Rollemberg 29,2. Na sequência, 17% optam por Abadia; 14,3% preferiram Gim – seguindo-se Fraga com 11% e Adelmir Santana com 7%.

Tanto Cristovam quanto Rollemberg levam vantagem pelo fato de estarem na mídia e já terem, os dois, colocado a campanha na rua – ao contrário de Abadia que ainda não sabe qual o rumo que a tucanaiada vai tomar aqui no DF. Dentro desta mesma premissa, Gim tem anunciado a disposição de concorrer – mas ainda não definiu a qual cargo – numa indefinição que em nada ajuda a consolidar o nome para a disputa.

Por outro lado, os números devem manter o folego de Fraga, que pretende concorrer ao Senado pelo Demo, na vaga que hoje está ocupada por Adelmir Santana – outro suplente que herdou o mandato.

Por falar em senado, espera-se que desta vez o eleitor observe com cuidado quem são os suplentes – lembrando que cadaSenador tem na sua sombra mais dois nomes.

A bem da verdade, nem mesmo Cristovam – o Senador-viajante – tem a eleição garantida, ainda mais que a sua rejeição entre os petistas continua alta e em alguns setores tem ares de ser definitiva.





Folha de São Paulo confirma Passe Livre

6 01 2010

Reportagem do Uol/Folha de São Paulo requenta e valoriza, quase dois meses depois, notícia veiculada com exclusividade pelo Jornal Passe Livre. Está lá, para quem quiser conferir no Jornal Passe Livre nº 402/Especial, de 27 a 30 de novembro:

O plano ‘B’ de Aruda (e de Serra)

“Acossados pelo noticiário dos jornais ‘de fora’, pois os diários locais se mostram coniventes e omissos, algum aliados de Arruda já definiram que pretendem apoiar o nome do Senador Cristovam Buarque ao Buriti em 2010. Eleito pelo PT, mas hoje no PDT, o senador já é ‘sócio’ do governo Arruda com vários nomes indicados em postos chaves. A favor da ‘aliança’ com Cristovam pesa, ainda, a extrema amizade com o vice de Arruda, Paulo Octávio, e o fato de que quando foi eleito governador em 1994, não realizou a devassa que todos esperavam nas contas das obras do metrô – comandadas por Arruda e que lhe valeram eleição para o Senado de onde foi defenestrado depois do episódio da violação do painel eletrônico de votação”.

Este tema agora foi requentado pela Folha de São Paulo, sob o ponto de vista do Serra:

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/2010/01/06/ult5772u6919.jhtm

Ou seja: os pedetistas do DF, que odeiam o PT, estão prontos para fazer sua parte na destruição de um projeto de nação.