O que a bolinha de papel revelou sobre o Serra…

21 10 2010

Antes de qualquer questionamento: sou contra todas as formas de violência ou de agressão. Por isso mesmo, concordo com a deputada Manuela (PCdoB-RS) ao dizer que não é responsável o líder que diante de uma situação de conflito não busque acalmar os ânimos e, pelo contrário, opte por acirrá-los.
A bem da verdade, ao não ter o povo ao seu lado, Serra está construindo uma atmosfera de ódio. E isto não faz bem para a campanha. E isto não faz bem para o Brasil.
Certa vez li uma frase: quando um livro bate na cabeça de uma pessoa, nem sempre o som de oco vem do livro. No caso do Serra, a percepção que a gente tem, olhando a matéria do SBT, é que a encenação ridícula mostrou algumas verdades:
– Serra não é bom de cabeça!
– POr ter cabeça oca, a bolinha bateu e quico. Nem ela quis ficar perto dele!
– Serra tem reflexos retardados – demorou mais de 15 min para sentir!
– Observando as imagens, veremos que a bolinha atingiu a cabeça do Serra em um local e depois ele passa a mão em outro local.
Assim… imaginemos Serra sendo torturado. Ele contaria tudo. Entregaria tudo – como FHC está prometendo entregar.
Olhando as imagens do Serra, sou obrigado a concluir:
FHC tem razão ao dizer que Serra é desmiolado.
Cá entre nós: eu quero meu papel presidido por alguém que não tenha frescuras e nem chiliques. Eu quero na presidência alguém que tenha a dignidade de não se expor (e expor o país e nem os seus habitantes ao ridículo) atuando como um palhaço de quinta categoria.

Portanto, observem o circo: Serra e a bolinha de papel





A TFP ainda apoia o Serra?

16 10 2010

Observando a reação de alguns amigos e amigas católicos – destes devotos, fervorosos e num certo sentido cegados pelo ódio – fiquei com a certeza que esta reta final de campanha terá um acirramento do ódio. Mas nãos erá apenas a continuidade do ódio pela Dilma. Conversando com católicos, percebi que eles hoje estão com ódio de Serra.
Em verdade, não sabem o que dizer. Não sabem como reagir. Apenas odeiam. Sentem-se traídos e enganados por Serra. A questão do aborto foi como a gota d’água – de uma série de mentiras que Serra e sua campanha vinham pespegando contra os adversários, tentando transformá-los em inimigos da liberdade, da fé e do seu (dele, Serra) direito de mentir.
Cansaram-se desta fantoche porque mesmo grupos abjetos como da TFP, da maçonaria e outros agrupamentos fascistas, porque mesmo eles tem alguns pudores éticos. Para estes, Paulo Preto soou como uma barreira, uma espécie de alerta. O suposto abor, a gota d’água.
Resta saber se a TFP ainda continuará dando apoio e guarida para alguém tão vil e descartável como Serra. Não só pela questão do aborto, mas pelo roseiral de mentiras e de trapalhadas.

Em tempo:

Que fique bem claro: não faço nenhum julgamento da opção que Serra e Mônica fizeram acerca do aborto. Alegar situação de ‘vulnerabilidade’ é tão óbvio que chega a ser risível: toda mulher e/ou casal é levado ao aborto por uma situação de vulnerabilidade. O que resta aguardar é se o Serra terá uma atitude de homem e vai ser solidário com a esposa Mônica ou vai deixar sobre os ombros dela a responsabilidade individual de uma prática que, no caso do casal, sempre é tomada pelos dois.





Prefeitos do Psdb, Demo e Pps apoiam continuidade do Governo Lula

20 05 2010

Esta notícia é muito reveladora do processo de fritura da candidatura do Serra – e deve ser por isso que FHC ainda acalenta o sonho de ter Aécio como vice. Mas não se admire se o candidato a presidente for mesmo Aécio e o Serra for jogado fora, descartado.

Prefeitos do PSDB, do DEM e do PPS apoiam continuidade do Governo Lula

19/05/2010

Fonte : Brasília Confidencial

Prefeitos filiados ao PSDB, ao DEM e ao PPS, que formam a facção aliada em torno da candidatura presidencial de José Serra, compareceram ontem a um ato multipartidário com a presença da pré-candidata petista, Dilma Rousseff, para afirmar que desejam a continuidade do Governo Lula e que trabalharão por isso.

“Eu quero falar em nome dos prefeitos de cidades pequenas que, pela primeira vez, foram respeitadas, não como pontinho no mapa, mas como entes federativos – e respeitadas pelo Governo Lula”, discursou Marcos Carvalho, do PSDB, prefeito do município mineiro de Itamonte”. E continuou com uma conclamação::

“Não podemos voltar atrás! Infelizmente, não falo pelo meu partido, mas como cidadão. Quando cheguei a Brasília nunca me perguntaram qual era meu partido. Sempre trouxe meus projetos e, desde que estivessem corretos, levávamos os recursos”.

Gustavo Lopes, do PPS, prefeito de Jaguariúna, em São Paulo, anunciou que seguirá com Dilma.

“Eu não sei qual vai ser o meu futuro partidário, mas o meu compromisso é com o futuro do povo brasileiro. Eu seguirei aquela que foi indicada pelo presidente Lula para dar continuidade a esse trabalho que melhorou a vida de milhões de brasileiros”.

A continuidade do Governo Lula foi defendida também pelo prefeito de Sopé, na Paraíba, filiado ao DEM, durante o evento de que participaram aproximadamente 1.100 governantes municipais.

Dilma, em pronunciamento, enalteceu a coragem dos prefeitos filiados aos partidos de oposição em contrariarem suas agremiações. E voltou a exaltar a importância de parcerias entre o governo federal e as prefeituras.

A pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, ressaltou hoje que o governo federal precisa sempre fazer uma gestão com foco municipalista e construir parcerias produtivas e criativas com os prefeitos.

“Melhorar cada vez mais a gestão de vocês e ajudar vocês está expresso no PAC 2. Temos que ajudar os prefeitos e prefeitas a desenvolver projetos. Vamos ter que estabelecer um diálogo produtivo e criativo para criar condições para que não se retroceda”. E prosseguiu:

“Temos clareza do quanto mudou e melhorou, mas não conseguimos melhorar tudo, até porque é uma trajetória de situações muito difíceis para os municípios. Avançamos muito, até porque recebemos os prefeitos para um diálogo positivo. Não colocamos cães e polícia em cima dos prefeitos”.

REDUZIR IMPOSTOS

Em entrevista coletiva, Dilma defendeu um regime tributário específico para alimentos, medicamentos, energia e telefonia.

“Em questões básicas como energia, telefonia, remédios e alimentação, temos que ter política clara de desoneração, porque isso melhora substancialmente o ambiente econômico e a vida das pessoas”.

Para a pré-candidata petista, uma reforma no sistema tributário produzirá avanços importantes para a economia.

“Acho que no Brasil tem que reduzir tributo e não aumentar. Sempre tenho dito que sou a favor da Reforma Tributária, porque a questão do tributo no Brasil já beirou o limite. Isso vai significar desoneração da folha de salários, desoneração dos investimentos e melhorar uma coisa que é crucial, que é a dificuldade imensa de devolução dos créditos fiscais das empresas, que elas não têm como recuperar e utilizar. Acho que devolução tem que ser automática.”





Alguém leva o Serra a sério?

14 05 2010

A cada dia, mais fico convicto de uma previsão de um tucano: a candidatura do Serra não vai resistir ao festival de besteiras que ele é capaz de formular. Quando li esta matéria no portal dos Frias, nem eu mesmo acredirtei em algo assim…

Serra defende Polícia Federal uniformizada

da Reportagem Local

Atualizado às 20h35.

O pré-candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, defendeu em entrevista ao “Programa do Ratinho”, do SBT, a criação de uma Polícia Federal uniformizada para combater o crime organizado nas regiões de fronteira do Brasil.

Segundo o ex-governador de São Paulo, essa polícia deveria ser “muito numerosa” e “especialista em floresta, em fronteira”. Serra voltou a declarar que vai criar o Ministério da Segurança caso seja eleito. Ele defendeu a contratação de pessoal para o setor e a utilização de mais tecnologia de monitoramento.

O presidenciável tucano disse ainda que é favorável à mudanças na legislação para que o governo possa atuar mais na questão.

“O governo federal tem que entrar na luta pela segurança. Se for preciso, tem que mudar a Constituição”, afirmou.

Serra se esquivou mais uma vez de responder sobre o reajuste de 7,7% para aposentados do INSS, aprovado na Câmara na semana passada. Ele disse apenas que é “a favor de melhorar as condições deles”. Segundo Serra, o governo “tem os instrumentos necessários” e vai saber o que fazer.

Quando perguntado sobre a pré-candidata do PT à presidência, Dilma Rousseff, o ex-governador tucano classificou-a como “uma mulher de valor, assim como a Marina [Silva, também pré-candidata, pelo PV].

Serra revelou, no fim da entrevista, que manteve conversas com o senador Osmar Dias (PDT), pré-candidato ao governo do Paraná. O tucano disse que a “agricultura tem sido a galinha dos ovos de ouro do Brasil” e elogiou Dias por ser “um homem que entende muito de agricultura”. O senador pedetista mantinha conversas com o PT para uma aliança no Estado, mas os petistas insistem em lançar a candidatura de Gleise Hoffmann ao Senado. O fato desagradou Dias, que queria reservar a vaga ao PP, e passou a negociar alianças com o PSDB.





Debate sobre eleições no DF

15 02 2010

Recebo do Avel de Alencar, com autorização de publicação e veiculação, uma interessante troca de mensagens sobre o PT e o atual momento político que o DF vive. Alfredo Bessow

Alfredo para seu conhecimento. Leia a última msg que deu origem a esta.
Um abraço,
Avel de Alencar
Diretor Presidente EFTI
Diretor Jurídico SINDPD-DF

—– Original Message —–

Sent: Tuesday, February 02, 2010 1:27 PM

Subject: Re: eleições no DF
É Benildes você não está sendo diferente de ninguém. Quando se levanta uma questão que desagrada os capas se desqualifica o debate e quem o propoe. É uma pena, de desqualificação em desqualificação o PT vai se transformando num partido igual aos outros. e devolvendo sua provocação: Como posso ser porta voz de alguém se o debate não existe?? E quanto as suas ilações parece carapuça vestida, se você está desfiando toda esta argumentação e porque alguma coisa está pertubando as mentes, afinal os pré-candidatos citados até agora nos jornais são todos vinculados aos esquemas de corrupção do GDF. Se o Agnelo, de quem gosto muito, foi citado, com certeza é uma forma de desqualificá-lo como aconteceu com Magela. Portanto sua explanação é infeliz e desnecessária, demonstra a necessidade cabal de se discutir o assunto a luz dos acontecimentos, afinal não existe até o momento a oficialização de candidaturas e posições podem ser revistas ou não, só acredito que a participação da militância dará maior respaldo a quem quer que seja o candidato, afinal você mesma questionou várias vezes a forma de discussão excludente.
Avel de Alencar
Diretor Presidente EFTI
Diretor Jurídico SINDPD-DF
—– Original Message —–
From: Benildes

Sent: Tuesday, February 02, 2010 1:05 PM

Subject: Re: eleições no DF
Não sou ingênua. Sou partidária. Eu não defendo nome de ninguém, defendo o nome que representa a construção do projeto político defendido pelo meu partido. Portanto, não defendo Agnelo e nem Magela. Defendo o nome escolhido pelo PT. Pelo que me consta, a partir da desistência do Magela, ficou o Agnelo e nesse caso, não há necessidade de prévia.
Em nenhum momento insinuei que você era porta voz oficial, mas aceitando a provocação, me diga, quando você reindroduz a questão de Prévia você está sendo porta voz de alguém?
Esse “envolvimento” de pré candidato que você diz é linha de argumento para tirar o Agnelo da disputa, porque ele enviou um comunicado dizendo que o Durval o convidou p/ ver as fitas do mensalão do DEM? Onde que isso prova que ele está envolvido com a corrupção? Ele recebeu propina? Se a estratégia é essa para trazer de volta o nome do Magela para disputar prévia no PT, é lamentável.  Disputa política não se faz tentando destruir ou desconstruir candidaturas de companheiros.
Se a linha de raciocino for essa, o PT-DF não terá candidato ao Buriti, afinal quem não se lembra que Magela também teve o nome envolvido (INJUSTAMENTE) no escândalo que, por sinal, também tinha o mesmo do escândalo local. Esse tipo de injustiça não se pode cometer com outros companheiros.
Ressalvo: Não defendo nomes. Defendo PT. O candidato que o PT apresentar será o meu candidato.
Benildes
—– Original Message —–
Sent: Tuesday, February 02, 2010 12:23 PM
Subject: Re: eleições no DF
Você esta agindo como porta voz oficial ou é ingenuidade mesmo?? Com as situações criadas pelo escândalo do DEM/PSDB e com as publicações na imprensa envolvendo vários pré candidatos,  acho importante que esta discussão seja reaberta para maior respaldo das decisões.
Avel de Alencar
Diretor Jurídico SINDPD-DF
—– Original Message —–
Sent: Tuesday, February 02, 2010 10:46 AM
Subject: eleições no DF
Prezados Companheiros, a algum tempo, tenho me mantido afastado da militância partidária e me excluido de participar dos eventos envolvendo o PT e a corrente majoritária. Entretanto, como todo animal político, não posso deixar de opinar sobre as coisas que estão me incomodando no PT. A forma de discussão ou a não forma de discussão sobre as candidaturas majoritárias é uma delas.

A meses se discute quem será o candidato a governador e a senador pelo PT. Fizeram conchavos de cúpula, deciram não decidir, distribuiram as vagas, declararam acordos em público e tudo isto sem a paticipação da militância, como se os filiados do partido, suas lideranças locais, seus militantes sindicais fossem meros homologadores de uma minoria de “capas pretas”. Agora, com os escândalos que estão envolvendo do DEM ao PMDB parece-me que tudo está sendo rediscutido, pior mantendo-se os vícios da primeira fase,  as conversas estão correndo por debaixo do pano deixando mais uma vez como  desimportante a democracia interna do PT.

Com a eleição do companheiro Roberto Policarpo para presidentre do PT/DF talvez seja a chance de voltarmos a ter debates internos no partido. Policarpo é uma pessoa centrada e não possui os vícios e os rancores de antigos dirigentes. Acredito que talvez possamos fazer esta discussão de forma mais ampla com a participação de todos e esta forma de discussão coletiva está prevista no estatuto do partido que é a PRÉVIA para definição das candidaturas. Este método unifica o partido e compromissa os militantes com os candidatos escolhidos. O Companheiro Lula disse que a militância fará a diferença em 2010. Pode ser, se formos ouvidos.

Avel de Alencar
Diretor Jurídico SINDPD-DF