O PSDB e as Farc – II

20 07 2010

Candidato de Serra acusado de ligações com as FARC
Enviado por luisnassif, ter, 20/07/2010 – 08:15

Por daSilvaEdison

Farc e o Aloysio na mesma matéria pode não dar certo.

No Governo FHC nossas autoridades participaram de diversas reuniões com as FARC.

Muitas delas formais, protocolares, documentadas. E outras nem tanto, como convém à diplomacia.

Consta que o Aloysio ciceroneava o Raul Reyes quando o comandante por aqui circulava em missão sigilosa. Será que esses encontros eram para tratar da logística do narcotráfico?

Eu não tenho dúvidas: não eram.

Comentário

Não leve o título do post a sério. É apenas uma demonstração de como é fácil manipular teorias conspiratórias envolvendo as FARC. Há tempos, blogs de ultra-direita disparam insinuações por todos os poros, algumas delas contra Aloysio Nunes Ferreira, o político que Serra queria para sucede-lo no governo do Estado.

Em sua coluna no Estadão, hoje, Dora Kramer trata o caso das FARC como “mais velha que a Sé de Braga e absolutamente inócua em termos eleitorais”.

Já o jornal menciona a tal capa da Veja sobre o tema, para tentar salvar o tema.

Clique aqui para ler o capítulo que escrevi sobre o tema na série “O Caso de Veja”, mostrando a maluquice da reportagem.

No final, uma “aula” de jornalismo do diretor de redação Eurípedes Alcântara, para uma turma da Abril, desdizendo tudo o que a reportagem insinuava.

Finalmente, notas e matérias sobre as supostas ligações de Aloysio com as FARCs.

O Caso FARCs

Na edição de 16 de março de 2005, Veja cometeria mais um de seus malabarismos editoriais, com a matéria “Tentáculos das FARC no Brasil”

Foi matéria de capa. A ilustração era uma metralhadora e o texto incriminador:

“Espiões da ABIN gravaram representantes da narcoguerrilha colombiana anunciando doação de 5 milhões de dólares para candidatos petistas na campanha de 2002”.

Depois, outro texto:

“PT: militantes serão expulsos se pegaram dinheiro das Farc”.

Havia excesso de textos na capa, ferindo princípios básicos de clareza editorial. A revista estava em plena campanha, na sucessão de capas sobre Lula. E pouco se lhe interessava saber da consistência ou não das matérias. Nas páginas internas, ficaria mais claro o estilo Veja de criar matérias através da manipulação de ênfases.

Jogam-se acusações enfáticas. Depois, algumas ressalvas para servir de blindagem contra ações judiciais, seguidas de novas acusações taxativas.

O que se tinha, objetivamente, era um informe da ABIN (Agência Brasileira de Inteligência), uma página, três parágrafos e nada mais, na qual um agente infiltrado relatava um encontro em uma chácara, com um padre supostamente ligado às FARCs. O padre era conhecido como um mitômano, há muito tempo afastado do contato com as FARCs.

No encontro, teria mencionado o suposto financiamento à campanha do PT. Não havia nenhuma indicação a mais sobre isso. Na ABIN, não se levou a sério o informe.

Para sustentar a matéria, Veja assegurava que o informe tinha recebido tratamento relevante da ABIN e que havia documentos comprovando as doações. Não aceitou a palavra oficial da ABIN, de que nunca levou a sério o informe.

Esses documentos, comprovando as supostas doações, nunca apareceram, o caso morreu de morte morrida. E o fecho se deu este ano, com a curiosa explicação do diretor de redação Eurípedes Alcântara para o papel de Vejano episódio.

Mas, antes disso, acompanhe o desenrolar dessas matérias. (clique aqui para continuar)

No final da matéria a “aula” de Eurípedes no curso Abril:

Escrever pensando

No dia 24 de janeiro de 2008, o diretor de redação de Veja, Eurípedes Alcântara, proferiu palestra para os alunos do Curso Abril de Jornalismo (clique aqui).

No intertítulo “As marcas de Veja”, Eurípedes descreve a receita de jornalismo praticado pela revista.

O Diretor de Redação expôs alguns pontos essenciais para a produção da revista. Um deles é o controle que o repórter precisa ter sobre a matéria. “Não é a pauta ou a fonte que têm de dominar o jornalista”, disse.

Provavelmente, nem a informação pode servir de limitação. Segundo a aula de Eurípedes, Veja pratica o conceito de “escrever pensando”:

Outro ponto é a diluição de conteúdo opinativo em meio às reportagens, a qual Eurípedes chama de “escrever pensando”. O jornalista ponderou sobre as diversas interpretações dos críticos sobre determinadas reportagens da revista. “Você só pode ser cobrado por aquilo que escreve. Não pelo que interpretam”.

Cobrado pela capa das FARCs, explicou o que a revista fez:

“A Veja disse que a Abin estava investigando. Não disse que Lula recebia de guerrilheiros. Isso é uma interpretação”.

De fato, tudo não passou de uma grande interpretação, com direito a capa.

O curioso, nesse endosso que o candidato José Serra dá às estripulias do “Viceíndio” (o endereço do Índio no Twitter), é que seu candidato do coração, Aloysio Nunes, já foi alvo da ultradireita, acusado de manter contatos com Raúl Reys, o primeiro homem das FARCs.

Do Cláudio Humberto, 12/03/2008

Encontro confirmado

Desmemoriado, o ex-ministro de FHC Aloysio Nunes Ferreira negou haver recebido o bandidão das Farc Raúl Reyes, morto há dias. Mas arapongas confirmam o encontro em um sítio em São Paulo, também com o ex-deputado João Herrmann (PPS) e outros esquerdóides.

Do Diárioweb

O chefe da Casa Civil do governo José Serra, Aloysio Nunes, negou, por meio de assessoria de imprensa, que como Ministro da Justiça, em 1997, tenha mantido contato com o número 2 das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Raúl Reyes.

…NÃO SEI…

A informação do suposto encontro foi divulgada ontem pela coluna do jornalista Cláudio Humberto (www.claudiohumberto.com.br). O contato entre Aloysio e o guerrilheiro morto na semana passada teria ocorrido em Porto Alegre, durante encontro do Foro de São Paulo, grupo que reúne esquerdistas de toda América Latina.

…E NEGO

Aloysio, porém, se recusou a dizer se, como político e também ex-guerrilheiro, já teve contato com as Farc em outra época e se aprova a conduta do grupo colombiano que se diz “revolucionário” e seqüestra pessoas como meio de negociação.

Do Blog do Mesquita

Brasil – Da série “Relembrar é preciso” – As Farc e a turma do FHC

José Mesquita Brasil, Circula na rede, Da série “relembrar é preciso”, Internet, Nota do editor, Política, Política internacional 13 de março de 2008 às 11:37

Não somente os maluquetes do PT – participaram, sob a batuta do aloprado Marco Aurélio “top-top” Garcia -, de um tal “Foro de São Paulo”, no qual os narcotraficantes colombianos foram incensados como os redentores da humanidade.

Mas, pasmem!, a curriola tucana esquerdete do sociólogo da entregação, também entabulou namoricos com os doidivanas das selvas do Uribe.

Confira nota abaixo.

Aloysio nega outra vez encontro com Reyes.

Coluna do Claudio Humberto

O ex-ministro de FHC Aloysio Nunes Ferreira insiste que não se encontrou com o bandidão das Farc Raúl Reyes, recentemente morto pelo exército colombiano. “Esta novela já ultrapassou as raias do delírio”, disse ele, para depois garantir que não é um desmemoriado: “Eu tenho uma excelente memória – como iria me esquecer de um encontro campestre com João Hermann?”

Arapongas ouvidos pela coluna, e que participaram do monitoramento da presença de Reys no País, em 1997, garantem que o então ministro de FHC se encontrou com o bandidão das Farc em um sítio, nos arredores de São Paulo, na companhia do então deputado João Hermann (PPS-SP) e outras figuras da esquerda brasileira.





O PSDB e as Farc – I

20 07 2010

Nada mais enojante do que a hipocrisia e a pilantragem advinda da corrosiva e deplorável aliança entre a mídia, setores do Judiciário e a chamada ‘oposição’ política brasileira – na verdade um bando de imbecis que se abrigam no Psdb, no Demo, no Pps e algumas doidivanas tipo Roberto Jeferson.
Como o assunto das ‘Farc’ vieram à tona, cabe aqui destacar como foi a convivência tucana com este grupo. Transcrevo o material do blog do Luis Nassif


Por Mario Sergio

Rapidamente, tentei acessar pelo Google algumas matérias da época FHC, sobre as FARCs.

Eu já tinha acessado antes, há uns dois anos atrás e algumas tratavam sobre encontros e intermediações diplomáticas do governo FHC com o intuito de intermediar o conflito com a guerrilha.

Quem se destacava nesses contatos era o hoje senador Arthur Virgilio. Lembro-me que usei alguns copy/paste das matérias para contrapor à tentativa (agora repetida) de criminalizar algo trivial e necessário em conflitos dessa natureza em países vizinhos.

Porém não encontrei mais as matérias sobre os encontros e declarações do Arthur Virgílio à epoca.

Folha – 10/11/98

GUERRILHA
Rebeldes colombianos estão em Brasília
Farc querem abrir escritório no Brasilda Redação

As Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) querem abrir um escritório regional em Brasília para facilitar a inclusão do governo brasileiro nas negociações de paz.

Desde a semana passada, Hernán Ramírez, um dos comandantes do grupo, está em Brasília negociando com parlamentares a abertura do escritório. Ele se juntou a Oliviero Medina, representante das Farc que vive no Brasil há um ano. Na quinta-feira passada, eles se encontraram com o deputado Tuga Angerami (PSDB-SP) e, amanhã, se reúnem com Artur Virgílio, secretário-geral dos tucanos.

Segundo Angerami, as Farc querem que o governo brasileiro participe do processo de paz como fez para solucionar o conflito entre Peru e Equador. Por isso, pedem reconhecimento político no Brasil.

Com 12 mil rebeldes, as Farc são a maior e a mais antiga guerrilha da Colômbia (surgiu em 1958).

Combates entre guerrilheiros e Exército deixam 3.000 mortos por ano. Há 16 anos, o governo colombiano negocia com o grupo um processo de paz. (LUÍS EBLAK)

Da Defesanet

Os contatos das FARC no Brasil

Alguns dos primeiros parlamentares brasileiros com os quais as FARC se encontraram, em final de 1998, foram os deputados tucanos Tuga Angerami (PSDB-SP) e Arthur Virgilio (PSDB-AM). À época, Virgilio era secretário-geral do PSDB. “O Brasil tem grande importância diplomática na América Latina. Podemos ajudar a Colômbia a pôr fim aos conflitos”, disse Virgílio à Folha de S. Paulo, para explicar sua atuação.

As FARC tentaram ser reconhecidas oficialmente como força beligerante pelo governo brasileiro, o que poderia ajudar nas negociações de paz – que naquele momento pareciam promissoras – com o governo colombiano. Poucas semanas antes, a intermediação brasileira havia levado a um histórico acordo de paz entre Peru e Equador.

Para tentar alcançar seu objetivo e serem autorizadas a abrir um escritório de representação em Brasília, as FARC enviaram um de seus comandantes, conhecido como Hernán Ramírez, para fazer contatos com políticos e diplomatas brasileiros. Ramirez encontrou, entre outros, dezenas e dezenas de deputados e senadores, de todas as forças políticas.

Os esforços das FARC não deram certo. O Itamaraty não aceitou reconhecer diplomaticamente a guerrilha colombiana, embora as Forças Armadas brasileiras – conforme declarou o general Alberto Cardoso em agosto de 1999 – considerassem seriamente a hipótese de que as FARC pudessem ganhar a guerra, e tomar o poder na Colômbia.

Ainda assim, segundo escreveu o Jornal do Brasil em 17/10/99, Arthur Virgilio (àquela altura promovido líder do governo no Congresso) continuou sendo um importante contato das FARC com o governo Fernando Henrique Cardoso. Ao JB, Virgilio explicou que aceitara esta “responsabilidade” com o objetivo de colaborar com o processo de paz na Colômbia. Ainda segundo o JB, Virgilio teria tentado interceder em favor das FARC junto ao Itamaraty, sem sucesso.