A direita é incansável. E burra

3 03 2011

Eu pensei, confesso: sou um ingênuo, que o ódio, o rancor e a cegueira da direita estariam restritos ao período eleitoral. Mas eis que percebo que eles continuam vociferando suas esquizofrenias. Perdem eleição depois de eleição e não entendem o que está acontecendo no Brasil.
Quero compartilhar com meus diletos amigos da blogosfera esta preciosidade que chegou hoje no meu e-mail. E veio com assinatura e tudo mais.
Recomendo que os mais sensíveis tenham por perto algo onde possam se aliviar depois de ler este abjeto material – mas que reflete o ponto de vista de uma direita rancorosa e desesperada.
Volto a dizer, seguindo inclusive pedido e recomendação apropriados de um amigo leitor, que o texto a seguir não é meu. ASpenas o estou divulgando para que mais pessoas saibam o que andam rolando na blogosfera. É preciso tirar este povo da obscuridade e trazê-los à luz do dia.

CAMPANHA LULA-2014

Com o patrocínio de empresários traidores do país o ex-presidente Lula começa sua campanha para voltar ao poder em 2014 junto com José Dirceu como seu braço direito formal, já que todos sabem que o chefe da gang do mensalão, que deu a Lula a garantia da aprovação de seu projeto de transformar o país em um Paraíso de Patifes, e o Parlamento em um covil de bandidos, vai ser inocentado pelo STF.

O homem que enfiou o Brasil, de maneira inconsequente, irresponsável e desonesta, no buraco de uma dívida pública impagável, para financiar seu assistencialismo comprador de votos e a campanha de sua indicada à presidência, recebeu nada menos – conforme especulado pelo mercado – R$200 mil para fazer uma palestra preparada por terceiros, e que somente pode ser presenciada por jornalistas nos seus primeiros 15 minutos. “É UM ATO DE UM VERDADEIRO DEMOCRATA QUE NÃO TEM NADA A ESCONDER E NEM TEM MEDO DE SER JULGADO PELAS MENTIRAS QUE FALA.” QUE A IMPRENSA MARROM CONTINUE PRESTIGIANDO O RETIRANTE PINÓQUIO COMO RECIPROCIDADE PELO TRATAMENTO QUE RECEBE.

Todos sabem que dinheiro não vai faltar para o ex-presidente fazer sua campanha pois na família Lula/PT isso não é mais problema, com a vantagem da estrutura de mordomias paga pelo contribuinte, e que foi colocada à sua disposição como direito de um ex-presidente.

Prestigiar, e pior, pagar para o mentor e executor do mais sórdido projeto de poder político da história do país fazer uma palestra, é realmente o papel de uma sociedade que não tem mais vergonha na cara, especialmente seus canalhas esclarecidos. O lugar dessa gente sórdida é no paredão da vergonha.

Geraldo Almendra





Por trás da queda

3 03 2011

Confesso que ontem, depois do anúncio da queda de Emir Sader, fiquei preocupado com o rumo que este governo da Dilma está tomando. Volto a repisar uma tecla que me angustia: o PT já ocupou, no coração da elite, o espaço que antes era reservado ao PSDB. Se voltarmos ao começo dos anos 90, haveremos de nos lembrar que a agremiação tucana surgiu com um forte discurso social-democrata – que é hoje o retrato mais acabado deste PT.
A caminhada para o centro, sem preconceitos se aliando com agrupamentos de centro direita e de centro esquerda, já forçou os tucanos a adotarem um discurso de extrema-direita nas eleições de 2010. Digo, inclusive, se os tucanos quiserem sobreviver, terão de ocupar o espectro, o espaço e o campo que hoje está nas mãos do Demo, do PV, do PPS, do PTB e um sem fim de siglas que não chegam a se configurar em partidos – assumindo, também, a aliança com as alas mais conservadoras da maçonaria, tfp, udr, igrejas católica e pentecostais e outros grupos.
Com a ida do PT para o centro, com uma forte visão social-democrata nos moldes europeus dos anos 60 e 70, e com a ida do PSDB para a extrema-direita, há espaço sim para um partido de esquerda – ideia que deve mover boa parte de quem está no PSB, mas este sofre também pelo fato de sua cúpula ser de centro, com fortes pendores para a direita.
Assim… quem fica na esquerda? Nem Pstu e nem Psol dão sinais de capacidade política de transcenderem a dimensão de agrupamentos – com bons e preparados quadros, mas ainda carecendo de maior interação com o conjunto da sociedade, com dificuldade de levar a sua mensagem e sendo estereotipado até mesmo pela mídia, que acolheu o PT e rejeita divulgar as ações destes grupos efetivamente de esquerda.
Dentro desta visão, o episódio Emir Sader revela algumas questões fundaentais e isto ficou claro na extremada alegria com que comentaristas de TV, de jornais/blogues/portais e de rádio, ligados ao conservadorismo e obscurantismo da mídia comentavam que Ana de Holanda havia vencido a queda de braço contra os petistas. Também confirma, como já disse antes, que o PT hoje é o partido de centro que as elites adotaram.
Este episódio vem na esteira de outras ações de Dilma que deixam a militância de cabelos em pé, como a presença no convescote da Folha, nos programas de tititi e na relutância do governo de assumir a luta política pela regulação da mídia.
Para quem esperava que Dilma ajudasse a embicar o barco do governo um pouco a bombordo pode ir se acostumando com a certeza de que a timoneira está mais interessada em flertar a estibordo/boroeste. A travessia até 2014, ao que tudo indica, será de muitas e outras tantas frustrações de curso e não se admirem se esta mesma militância começar a trabalhar silenciosamente pela volta inexorável de Lula nas próximas eleições.