Weslian confirma na Globo que votará em Agnelo!

29 10 2010

Ainda restam dois dias.
Como diz o povo… São mais duas edições do Jornal Nacional. O debate da Globo. A capa da Veja. E uma edição da Folha.
Há medo no ar.
Passei naquilo que seria o comitê do Serra aqui no DF. Desânimo.
Passei no comite de Weslian. As pessoas estão cabisbaixas. Havia cobranças. Dinheiro atrasado em fim de campanha é sempre um problema.
Fui na Feira do Paraguai, reduto do rorizismo e me deparei com a cena de ver mais adesivo de Agnelo do que Weslian.
Depois, uma passada pelo comitê de Dilma e Agnelo, que ficam próximos aqui em Brasília – por vezes fica a sensação de que faltou mais interação entre as duas coordenações.
Esta é a minha sexta campanha aqui no DF. Nunca vi o rorizismo tão fraco. Também pudera: o velho morubixaba foi matando todos os que, sendo aliados, poderiam colocar em risco o seu mandonismo.
Assim, defenestrou Valmir Campelo, Abadia (esta, de modo totalmente humilhante, depois de ser chamada de ‘vadia’ por Roriz, voltou a fazer parte de sua ‘base’), Paulo Octávio, Arruda (foi Roriz quem divulgou os vídeos como retaliação por conta do episódio do PMDB) e tantos outros. Restaram apenas que, por serem restos, ninguém mais queria.
Na disputa presidencial, uma constatação: os eleitores de Serra são mais enrustidos. Omitem suas preferências. Em verdade, quem vota nele, vota com vergonha. Vota muito mais por seus preconceitos contra o PT, contra Lula e contra Dilma do que propriamente por ver qualidades em Serra.
Faltam dois dias…
E terá o Serra condições de responder as tantas interrogações que continuam a lhe perseguir:
– Mônica Serra fez aborto. E, segundo o relato das alunas, com conhecimento dele. Serra é a favor do aborto?
– Onde está a Mônica Serra – que sumiu depois de ser desmascarada?
– Qual é a sua efetiva relação com Paulo Preto?
– Por que a Alstom é sinônimo de Psdb?
– Como a filha conseguiu comprar aquela mansão em SP?
– Tem falado com os Vedoin?
– Qual o conceito dele, Serra, acerca da liberdade de imprensa?
– Mandar demitir jornalistas é base do seu conceito sobre liberdade de imprensa?
– o Candidato Serra é a favor da prostituição?
– Qual a opinião do Serra sobre o papel das mulheres na sociedade?
– Qual o seu conceito de aparelhamento da máquina pública?
– Se ele, Serra, é contra acordos, por qual razão Soninha, Márcio Fortes, Roberto Freire e tantos outros políticos de siglas aliadas estão pendurados em empresas paulistas?
E tantas outras perguntas que a gente fica pensando…
Para a Dilma, eu faria algumas perguntas pontuais:
– A senhora e seu partido aprenderam como tratar a mídia?
– No seu mandato, a Secom vai continuar alimentando com dinheiro da sociedade veículos como Globo, Veja e Folha?
– Vai ser apresentada a Lei dos Meios de Comunicação?
– O seu governo vai apoiar de modo mais decisivo a II Confereência de Comunicação?
– O sistema Globo continuará sendo dono do do Ministério das Comunicações?
Sewxta-feira.
O Grêmio foi roubado pelo Herbert no jogo contra o Flu.
Sei, todo juiz erra. Mas juiz que entra de má-fé em campo é perverso.
Herbert é daqueles que odeiam o Grêmio. E sempre afana o time gaúcho. Foi assim no 1º turno nmo jogo do Grêmio x Vasco – outro penalti não marcado.
Pode ser cisma. Mas careca costuma ser problema. Ele é um exemplo. Serra é outro…
Sexta-feira…
Dois dias.
E continua o estranho cheiro de armação no ar.
Domingo, 8 e meia da noite.
Só então meu coração estará sossegado.
São três torcidas que se entrelaçam.
Dilma presidente, 13. Confirma.
Agnelo governador, 13. Confirma.
E para o povo aqui do Entorno é Iris governador, 15. Confirma.

Antes de encerrar, uma constatação depois do debate de ontem à noite: Weslian Roriz com certeza vota no Agnelo. Basta ver que ela o chamou de ‘nosso candidato’ e também de Governador. Foi muito bom escutar isto. Enfim, a ‘dona’ Weslian mesma sempre disse que falava com o coração. abriu o coração e confirmou: ela vota sim em Agnelo.
Assim, tenho pela primeira vez uma razão para cumprimentá-la pela sábia decisão anunciada solenemente ao vivo na TV Globo…
Dois dias…





A Globo e o aborto do Serra

17 10 2010

É no mínimo sui generis a situação vivida pela famiglia Marinho e os veículos de comunicação da Globo. Assumidamente defensores de Serra e que adoram veicular uma linha editorial que criminaliza os movimentos sociais, que ridiculariza aqueles que defendem um projeto nacional, adversários ferrenhos da política externa brasileira implementada a partir de janeiro de 2003.
Em verdade, há uma postura radical da famiglia Marinho em ser contra tudo aquilo que o Governo Lula/PT defende enquanto política de governo.
E aqui é preciso mais uma vez fazer três registros e um resgate:
1. a famiglia Marinho é contra o Governo, apesar de ter se fartado de ganhar dinheiro deste governo;
2. a famiglia Marinho teve inúmeros benefícios em linhas de financiamento (de igual modo que O Estadão);
3. o governo não teve nenhuma preocupação ou cuidado em fazer valer o seu poder na questão das concessões de rádios e TVs de grupos ligados a TV Globo;
4. o resgate necessário: os petistas babam de desejo, algo que seguramente uma terapia poderia ajudar a resolver, de aparecer na TV Globo. Diria até que têm sonhos eróticos sendo entrevistados pela ex-vênus platinada, hoje reles e sabuja enlameada. Mas é patético observar o desejo de ser entrevistado0 pela Globo. Ridículo seria mais correto dizer.
Diante de um quadro assim tão favorável, a Globo quer Serra por uma questão de afinidade ideológica. De apego ao neoliberalismo – quem sabe na esperança de ‘ganhar’ alguma empresa a ser privatizada.
Mas a Globo também é – ou ainda é – uma empresa jornalística.
E agora está diante de um dilema: como tratar a questão do aborto que, segundo duas testemunhas, teria sido confessado por Mônica Serra em aulas? Continuar omitindo o assunto, como tem feito até agora – ainda que no horário eleitoral gratuito o assunto já tenha sido veiculado? Fingir que nada existe, mesmo o assunto sendo veiculado em jornais, rádios e TVs ‘rivais’? Deixar a água passar por debaixo da ponte, olhando descuidadamente para o outro lado e assim nem reparar que até mesmo ‘seus’ blogueiros tratam do assunto?
O dilema (e/ou quem sabe medo) do jornalismo Global – que me parece ser administrado pelo departamento comercial da empresa – está numa sutileza: se ela der publicidade e veicular o desmentido do carcamano Serra e sua esposa acerca do aborto, estará levantando a bola para o principal assunto político deste 2º turno que para ela ainda não é jornalismo (similar ao imbróglio Paulo Preto, igualmente ignorado pela famiglia Marinho). Se não veicular, estará desrespeitando seu ‘público’, mas para a famiglia isso parece ser coisa de menos importância.
É por estas e outras que apenas alguns petistas ainda continuam tendo sonhos com a Globo, cada vez mais venal, cada vez mais enrascada nas suas próprias contradições.

Em tempo:

Que fique bem claro: não faço nenhum juízo de valor ou julgamento da opção que Serra e Mônica fizeram acerca do aborto. Alegar situação de ‘vulnerabilidade’ é tão óbvio que chega a ser risível: toda mulher e/ou casal é levado ao aborto por uma situação de vulnerabilidade. O que resta aguardar é se o Serra terá uma atitude de homem e vai ser solidário com a esposa Mônica ou vai deixar sobre os ombros dela a responsabilidade individual de uma prática que, no caso do casal, sempre é tomada pelos dois.





A insanidade da Folha

3 10 2010

Tenho para mim que as eleições deste ano entram para a história como o divisor de águas acerca do papel que os meios de comunicação assumem em toda e qualquer campanha. Não que em 2010 tenha sido diferente do que foi nos anteriores. A postura golpista dos meios de comunicação está presente desde antes do suicídio de Vargas.
A diferença é que este ano trouxe um novo protagonista para o ringue: uma blogosfera onde jornalistas mais bem preparados do que os que estavam escrevendo nos jornais fez, pela primeira vez, um contraponto à manipulação.
Não houve nenhuma mentira montada contra Dilma e veiculada pela mídia tradicional, por exemplo, que tenha resistido mais de seis horas de desconstrução pela blogosfera – sendo que a mídia tradicional, muitas vezes, demorou dias para assumir o erro (em alguns casos, a despeito de todas as provas e evidências, manteve-se apegada a sua versão e contribuindo, por teimosia, para o seu próprio descrédito).
O protagonismo propositivo da blogosfera estabeleceu o antes inexistente contraditório – algo assim primário, elementar, mas que pela primeira vez fez valer a diferença. E não se diga, como Serra e alguns sabujos, que o ‘nosso’ papel tenha sido o de fazer o jogo sujo. Pelo contrário: coube a este segmento fazer a limpeza da sujeira colocada na mídia e na rede.
Ao exteriotipar os adversários como ‘sujos’, Serra, a mídia e a elite por seus porta-vozes, acabou atraindo a atenção de muitos para as baixarias veiculadas contra Dilma, a montagem grotesca de fotos, as inverdades e as insanidades – que iam repercutindo em antas como Merval, Eliane, Reinaldo, Diogo. Na medida em que iam sendo desmascarados e condenados, eles próprios tornaram-se vítimas das próprias leviandades.
Assim, um fugiu e os outros foram ficando cada qual do seu verdadeiro tamanho intelectual, profissional e de subserviência profissional. Ou alguém ainda tem estômago para escutar Miriam Leitão? Ou alguém vai me dizer que não ficou arranhada a credibilidade do JN pela agressividade com que o Bonner, esta coisinha rica e fofa, atacou Dilma ao ser entrevistada? Ou não virou hit o pedido de desculpas ao ter que cortar Serra? Ou alguém haverá de esquecer que em face da repercussão negativa da entrevista até a Globo teve que soltar nota dizendo-se neutra?
Não faltam exemplos. Depois das eleições – mesmo que ocorra o improvável 2º turno – jornais como O Globo, Zero Hora (que é um verdadeiro câncer a corroer o RS e só quero ver se o Tarso Genro vai ter coragem de governar sem se ajoelhar para o povo da RBS), Folha de São Paulo e o Estadão terão de se reinventar ou serão cada vez mais jornais identificados apenas com um segmento derrotado da sociedade). O mesmo vale para revistas como a Veja – a despeito de algumas derrapadas, percebe-se que a famiglia Marinho parece que tirou as mãos do Kammel da linha editorial da Época. A TV terá de conviver cada vez mais com outra realidade: ela é a imagem da decadência.
Goste-se ou não de Edir Macedo enquanto empresário – permito-me como Luterano não questionar a suposta teologia da igreja por ele criada – mas a verdade é que ele partiu ativamente para o confronto. Não teve medo. Não aceitou a chantagem global. Correu o risco e está enfrentando a Globo e seus tentáculos com a mesma estratégia de sempre: sem recuar.
Mas… nada superou uma declaração de impotência que a Folha de São Paulo estampou na capa do portal Folha Online:

É o reconhecimento da impotência: Conheça os cargos em disputa; aprenda a votar branco ou nulo.





Ibope: Dilma tem 50%. Só o Datafolha salva o Serra

29 09 2010

Tirante o Datafolha, que se presta a servir de escada para a campanha de Serra, os demais institutos de pesquisa confirmam que Dilma Rousseff ganha a eleição no 1º turno. Depois do alento da pesquisa Datafolha trazendo números sob medida para reanimar a turma do Demo e os verdes, eis que voltamos à realidade: tanto para o Vox Populi, quanto para o Ibope, a fatura está liquidada.
Para desespero da mídia, a pesquisa do Ibope divulgada hoje é devastadora para os planos da imprensa e aponta que a fatura, salvo alguma hecatombe de última hora ou uma manipulação estrondosa do noticiário. Os dados coletados nos dias 26, 27 e 28 de setembro indicam que Dilma tem 50% das intenções de voto; Serra, sabe-se como, consegue ter 27% e a Marina ‘sem sentido’ consegue 13%. Os outros, entre os quais o Plínio, somam 1%.
Noves fora, tirante um percentual de brancos e nulos (4%) e de indecisos (4%), pode-se dizer que a fatura está liquidada e a vaca do Serra e sua trouppe foi para o brejo.
Vamos ver como a mídia vai manipular estes dados.





Serra, o inigualável

4 09 2010

É de impressionar a forma como Serra usa do cinismo e da cara de pau para contar as mais deslavadas mentiras, a antecipar as mais deslavadas armações que ele faz. Tenho para mim que o Serra não faz nada disso sozinho.

Duvido que uma pessoa só, sem apoio e assessoria, consiga ser tão idiota assim. Ninguém me convence que o Mainardi, que a turma da Globo, que os babacas da Folha e aquele guru indiano, além do Gilma Mendes e  Daniel Dantas não sejam os verdadeiros mentores do besteirol que o Serra vocifera.

Ele, que não é economista e nem engenheiro, agora passa a sedr também a negação do político que ele, em seus devaneios, um dia sonhou ser. Até onde ele conseguirá ir, embalado por uma mídia complacente e o acesso a certas instâncias de poder (como os seus inegáveis vínculos dentro da Receita e mesmo da PF – bases aparelhadas ao longo de muitos anos pelos tucanos e assemelhados).

Do que sobrevive a campanha do Serra? De factóides e debilóides, como esta verdadeira excrecência da vida pública que é o tal do Roberto Jeferson – este sim um desempregado e que desde que deixou de ser deputado sobrevive às expensas do partido (PTB). Ou será que já está em algum conselho de alguma empresa tucana, a exemplo do que ocorre com Roberto Freire?

Vamos ver até quando resiste esta afirmação de que o procurador da filha dele é do PT. Será que naquele assalto pra lá de suspeito a sede do PT em Mauá não andaram roubando algumas fichas? Em se tratando de Serra e do PSDB, que ninguém duvide de nada…





Oposição, mídia e judiciário preparam o golpe

2 09 2010

Assumindo a derrota nas urnas, logo eles que pensavam que seriam aclamados como os salvadores do caos, os tucanos armam o circo para preparar o terreno para um golpe ou apostar na ‘ingovernabilidade’ pelo verdadeiro inferno que pretendem criar caso Dilma Rousseff confirme nas urnas em 3 de outubro o que apontam as pesquisdas.

É importante dizer que o governo Lula em muito contribuiu para este estado de coisas em três instâncias.

Primeiro, ao manter na Secom um grupo com um modo de agir tucano – marcado pelo cinismo, pela hipocrisia e pelo reiterado culto aos padrões do mercado. Qual outra justificativa para o governo despejar generosos milhões de reais.

Em segundo ao render-se ao poder das bancas na indicação de ministros ao STF – sendo que estas sempre usaram Marcio Thomaz Bastos como mensageiro de seus intereses junto ao presidente. A manutenção de um Supremo com um viés reacionário não condiz com as indicações de um governo democrático e popular.

Em terceiro, ao não fortalecer os mecanismos alternativos e populares de comunicação. E neste ponto volta-se outra vez para o nefasto papel cumprido pela Secom. Dizer que houve a pulverização na liberação dos recursos é misturar alhos com bugalhos. Distribuíram recursos sim, mas para representantes da mesma velha e preconceituosa mídia, valendo-se dos mesmos mecanismos de protecionismo político. A ‘pulverização’ não contemplou com um montante específico – 40%, o que seria o mínimo – para rádios, jornais e tvs comunitárias.

A Secom com suas mentiras e sua manipulação afronta a inteligência de qualquer pessoa que consiga viver sem o cabresto da conveniência. E hoje o governo e a sociedade pagam o duro preço do padrão tucano de legalismo e de hipocrisia.

A bem da verdade, a única rede de sustentação que o governo ainda mantém é pela internet, onde o trabalho militante acontece. Enquanto o governo despeja milhões na Veja, os blogueiros que fazem a resistência penam para defender o emprego do pessoal da Secom. Estranha e absurda ironia.

É dentro deste quadro que a oposição arma, de modo descarado na repetição da aliança entre a mídia e o Judiciário, o cenário para um golpe e, este não podendo acontecer, para a infernalização do mandato de Dilma.

Volto a dizer: boa parte da culpa de trudo que acontece hoje foi pela prevalência do modo tucano de agir de muitos pseudo-petistas.





A estranha mania de bajular

12 08 2010

Observando o comportamento da mídia nacional – em suas manifestações de desenfreada parcialidade e partidarização, a despeito de uma cínica defesa da imparcialidade, neutralidade e democracia/liberdade – não tem como não culpar o Governo Lula e o PT pela manutenção de uma mesmice no que diz respeito aos meios de comunicação. Depois reclamam do tratamento que o Jornal Nacional, que a Veja, que a Globo e que o escambau destina ao veicular informações, ao manipular notícias e dados, ao entrevistar quem tenha qualquer vínculo ou relação com o Governo Federal.
Todos nós desejávamos que os deuses petistas tivessem aprendido que não adianta bajular, puxar o saco e babar os ovos dos donos da verdade. Mesmo tendo assumido, governado e reinado em municípios, estados e mesmo em nível federal, a verdade é que os petistas são sábios demais para aprender com os próprios erros e ególatras demais para ver os erros alheios e deles tirar lições.
Trata-se de algo doentio em termos de PT – e num certo sentido, algo que se repete em termos de PSB, PDT e outras siglas do consórcio amplo do chamado campo popular e democrático. A verdade é que os salamaleques dos poderosos, suas roupas bem cortadas, suas secretárias sempre obsequiosas, os presentes e cortesias acabam servindo para embotar a realidade e quando chegam ao poder – qualquer nível de poder e isso se dá também em boa parte dos sindicatos e mesmo na CUT se observa a obtuosidade com que a comunicação é tratada – deixam do lado de fora, de preferência na lata de lixo mais próxima, qualquer esboço ou idéia de fortalecer os meios e mecanismos alternativos de comunicação. Parece que existe o medo de ver algo surgir sem que possam manipular, usar ou assumir a ‘paternidade’.
Em lugar de ter uma política de fortalecimento de meios de comunicação alternativos, fomentar a criação de novas redes e assim quebrar a hegemonia da informação que é usada para a desinformação sistemática, percebe-se que os partidos ‘das esquerdas’ optam por se iludir, pensando que os empresários trocarão de lado pelo dinheiro. Ou abandonarão suas arcaicas e carcomidas ideologias em troca de uma visão de mundo coletiva.
Assim foi em São Paulo (prefeitura), Porto Alegre (prefeitura), Rio Grande do Sul (estado), DF e todos os demais níveis de poder – vergonhosamente também em nível federal. Em lugar de romper com a velha mídia, o pessoal prefere fazer conchavos e assim acaba fortalecendo-a. Em lugar de despejar milhões em veículos de linha editorial comprometida com o atraso, os chamados governos dos campos popular e democrático deveriam se preocupar em criar uma nova alternativa de comunicação, apoiando o surgimento de novos jornais, de novas redes de rádio e de TV.
Estamos prestar a acompanhar o início de um novo governo, tanto em nível federal quanto aqui no DF – onde se espera que Agnelo consiga vencer as eleições ainda não se sabe contra quem. É pouco provável que Roriz sobreviva, mas de qualquer modo ele usa a estratégia de manter-se na campanha, mesmo sabendo que será impedido pelo TSE, para difundir o papel de que está sendo vítima de uma armação – quando na realidade ele apenas um ficha suja a mais que tenta continuar usufruindo as benesses do poder. Reiterando: estamos prestes a começar ‘novos’ governos, mas não pensem que eu tenho qualquer otimismo quanto a uma mudança de postura, de comportamento ou mesmo de relacionamento dos ‘donos do poder’ com a mídia tradicional.
Não vejo em Dilma Rousseff, nem em Tarso Genro (RS), nem em Agnelo Queiroz (DF) e nem em qualquer outro dos candidatos do chamado campo popular e democrático qualquer lampejo de coragem e de compromisso em romper com este esquema.
É lamentável, mas continuaremos – nós, os produtores de mídias alternativas e por ironia do destino também o povo humilde – sendo solenemente ignorados por governantes que não têm a ousadia de um Roberto Requião (que mandou a Globo às favas, fortaleceu a TV e a Rádio públicas no Paraná, injetou recursos em mídias alternativas, etc).
Não falo do desconhecido. Basta ver como as assessorias de comunicação da Dilma e do próprio Agnelo se relacionam com a mídia alternativa. Se os produtores desta mídia não correm atrás, são ignorados. As equipes de comunicação são compostas por jornalistas contratados, por altos salários, de empresas tradicionais e portanto com os vícios de acharem que apenas os ‘grandes’ merecem tratamento em termos de agenda, de entrevistas.
Fico pensando: será que depois de tanto apanhar este povo ainda não teve capacidade de aprender?