Resultados da nossa primeira enquete

24 11 2010

Enfim, as eleições já acabaram, já passou um tempinho e ainda não havíamos colocado online os resultados da nossa enquete: “O que a “Dona” Weslian deve fazer depois do dia 31?”
Vejamos agora os resultados obtidos:
De um total de 385 votos, a seguinte distribuição pôde ser percebida:
20 votaram que ela deveria cuidar da bezerra de ouro
34 votaram para ela fazer um supletivo
40 votos diziam que ela deveria “defender toda aquela corrupção”
41 votaram para que ela deixasse Brasília para o povo ser feliz
43 votos diziam que ela devia dar um chuto no Roriz
e, enfim, o grande vencedor…
207 votos foram para a alternativa “Todas as anteriores”
Isso mesmo! 53,77% dos votos para “todas as anteriores”!!! Ganhou no primeiro turno, afinal. Será que serve como prêmio de consolação?





Vox Populi: Dilma mantém 14 pontos de vantagem

25 10 2010

Está cada vez mais difícil!
Nova pesquisa Vox Populi mostra que a dianteira de Dilma na votação foinal continua sendo de 14 pontos percentuais. Ou seja: Serra precisa tirar quase 3 pontos por dia…
Na reta final de campanha, mesmo contando com o apoio escancarado dos principais meios de comunicação – exceção da revista Carta Capital, da Isto É, do jornal Passe Livre e da TV Record – a candidatura de Serra claudica sobre o peso de suas contradições.
Serra não consegue responder questões de privatizações (FHC já está negociando em seu nome); Paulo Preto, aborto, seus dossiês contra Aécio, bolinha de papel e tantos outros factóides que fizeram com que ele passasse a ser ridicularizado em jornais de várias partes do mundo.
Esta é a matéria do IG…

Vox Populi: Dilma tem 49%, Serra 38%, indecisos 7%

Matheus Pichonelli, iG São Paulo | 25/10/2010 17:38

Pesquisa Vox Populi/iG publicada nesta segunda-feira mostra que, a menos de uma semana das eleições, a candidata do PT ao Palácio do Planalto, Dilma Rousseff, mantém a dianteira sobre o tucano José Serra na corrida presidencial. A ex-ministra da Casa Civil oscilou dois pontos para baixo em relação ao levantamento realizado pelo instituto entre os dias 15 e 17 de outubro e agora conta com 49% das intenções de voto. Serra, por sua vez, oscilou um ponto para baixo e aparece com 38%.

O número de eleitores que pretendem votar nulo ou em branco ainda é de 6% – mesmo índice contabilizado na última pesquisa. O Vox Populi apontou, no entanto, aumento do número de eleitores indecisos ou que não responderam ao questionário: de 4% para 7%.

Considerando-se apenas os votos válidos, Dilma seria eleita com 57% contra 43% de Serra. De acordo com esse critério, a distância entre os dois candidatos é de 14 pontos, igual à apontada pelo último levantamento. Ainda assim, 88% dos eleitores ainda afirma, porém, que já tem certeza da decisão tomada.

O Vox Populi ouviu 3.000 pessoas em 214 municípios, entre os dias 23 e 24 deste mês. A margem de erro é de 1,8 ponto percentual. A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral sob número 37059/10 em 20 de outubro.

Vantagem

A região onde a candidata do PT tem a maior vantagem em relação ao adversário tucano é o Nordeste: 64%, contra 27%. O Sul é a única região em que Serra tem vantagem sobre a petista: 47% a 39%. No Sudeste, onde está concentrada a maior fatia do eleitorado, ela venceria por 44% a 40%.

Entre os eleitores de Dilma, 53% são homens e 46%, mulheres. Já Serra tem mais apoio entre mulheres (40%) do que entre os homens (36%).

Num momento em que temas religiosos ganharam destaques na campanha, a pesquisa aponta também que Dilma venceria o rival entre eleitores católicos (51% a 39%), católicos não praticantes (53% a 35%) e evangélicos (44% a 41%). Entre os eleitores que não têm religião, a vantagem da petista é de 46% a 38%.





Datafolha: Dilma tem 50% na pesquisa

11 09 2010

Como deve doer no pessoal da Folha divulgar uma notícia assim…

10/09/2010 – 20h24
Com 50%, Dilma mantém vantagem e quadro é de estabilidade, diz Datafolha

ALEC DUARTE
EDITOR-ADJUNTO DE PODER

A 23 dias da eleição, pesquisa Datafolha realizada nos dias 8 e 9 de setembro aponta para um quadro de estabilidade na disputa presidencial.

Com 50% das intenções de voto, a candidata petista Dilma Rousseff manteve o percentual registrado na pesquisa anterior, realizada há cinco dias.

Seu principal adversário, o tucano José Serra, oscilou negativamente um ponto percentual e registrou agora 27% das menções do eleitorado. Marina Silva (PV) foi de 10% para 11%.

Todas as variações estão dentro da margem de erro do levantamento, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Os outros candidatos não alcançaram 1%, enquanto 6% dos entrevistados se dizem indecisos, e outros 4% declaram que irão votar em branco ou anular o voto.

A pesquisa Datafolha mostra que a ex-ministra ampliou sua vantagem na Bahia e em Pernambuco, exatamente os Estados em que Serra mais caiu.

A preferência por Dilma entre os pernambucanos é de 67% contra 18% que mencionam o nome do tucano (há cinco dias o levantamento registrou 62% a 21%), enquanto entre os baianos chega a 64% contra 18% que dizem votar em Serra (era de 60% a 22%).

A evolução por estratos socioeconômicos e demográficos apresentou pouca variação, e foi a senadora Marina Silva quem mais cresceu nos últimos cinco dias.

É o caso entre os eleitores com escolaridade superior, parcela em que Dilma caiu cinco pontos percentuais, para 37%, e Marina ganhou quatro, subindo para 23% (Serra oscilou um ponto para cima e está com 30%). Entre os de maior renda familiar, a petista perdeu sete pontos, enquanto a verde conquistou seis.

SEGUNDO TURNO
A simulação de segundo turno feita pelo Datafolha também apontou estabilidade. Dilma prosseguiu com os mesmos 56% que havia registrado no último levantamento, e Serra oscilou um ponto para baixo (35%).

O mesmo pode-se dizer para a rejeição dos candidatos: agora, 32% dizem que não votariam em José Serra (eram 31% há cinco dias), contra 22% que reprovam Dilma (21%) e 16% que não consideram votar em Marina (ante 17%).

Os contratantes do levantamento são a Folha e a Rede Globo. Foram ouvidos 11.660 eleitores em 414 municípios brasileiros. A pesquisa está registrada no TSE sob o número 28809/2010.





Pesquisa Datafolha: Roriz, o ficha-suja continua caindo

11 09 2010

Só falta a Soma assumir que some copm dados e ajusta as pesquisas aos interesses do chefe do atraZo. Depois dos números da pesquisa Exata, que muita gente tratou de desqualificar, eis que a serrista Datafolha sentenciou: Agnelo vbirou as eleições no DF e tem hoje 11 pontos de vantagem sobre Roriz – o ficha-suja.
Eis a matéria/repórtagem chupinhada do portal Uol Online.

10/09/2010 – 19h00

Agnelo sobe nove pontos e vira a eleição no DF, diz Datafolha

SILVIO NAVARRO
DE SÃO PAULO

Com a candidatura ameaçada pela aplicação da Lei da Ficha Limpa, Joaquim Roriz (PSC) caiu oito pontos e perdeu a dianteira da corrida eleitoral no Distrito Federal para o candidato do PT, Agnelo Queiroz. Segundo Datafolha, o petista cresceu nove pontos e tem hoje 44%, contra 33% do ex-governador.

Roriz aguarda o julgamento de um recurso contestando o impedimento de sua candidatura pela Justiça Eleitoral.

Toninho do PSOL tem 3% das intenções de voto, e três candidatos somam 1% cada: Rodrigo Dantas (PSTU), Eduardo Brandão (PV) e Newton Lins (PSL).





Pesquisa amiga alivia pressão sobre Roriz

27 08 2010

No mesmo dia no qual o Datafolha apontou situação de empate técnico entre as candidaturas ao GDF de Agenlo Queiroz e Joaquim Roriz (este considerado ‘ficha-suja’ pelo TRE-DF), com 35% para Agnelo e 41% de Roriz que faz tempo está estagnado neste patamar enquanto que Agnelo cresce a cada nova pesquisa, eis que, como se fosse um passe de mágica, poucos instantews depois surge uma pesquisa pontual da Soma colocando Roriz com 15 pontos de vantagem.
Nunca é demais lembrar que a Soma é empresa amiga do atraZo, tendo como dono Ricardo Penna, sempre prestando serviços tanto ao chefe Roriz quanto ao seu sucessor Arruda. Ricardo Pena foi, inclusive, indiciado pela CPI da Codeplan – a mesma que envolveu o próprio Roriz no esquema de corrupção implantado no DF a partir de janeiro de 1999.
Mas mesmo a Soma começou, de modo lento e perceptível, um ajuste com a realidade. Emagreceu 1% do Roriz e fez Agnelo crescer de 28% para 31%. Mas, cá entre nós, é muita cara de pau…





Dia do faz de conta

30 06 2010

Hoje, 30 de junho, é daqueles dias no qual cabe bem a máxima do ‘faz de conta que eu acredito’, ‘faz de conta que eu não estou vendo’, ‘faz de conta que é tudo verdade’.
De concreto e verdadeiro neste dia apenas a confirmação, por mais uma pesquisa, da dianteira consolidada da candidatura de Dilma Rousseff – sendo maior a sua vantagem na espontânea do que na estimulada (26% a 20% na primeira e 40% a 35% na segunda), ensejando uma leitura de que a fatura poderá ser liquidada no 1º turno.
Voltando ao dia…
Teoricamente último dia para convenções partidárias – mas todos nós sabemos que de hoje à meia-noite até o dia 5 de julho é que acontecerão as verdadeiras barbáries políticas, onde vagas de suplências de candidaturas majoritárias serão negociadas, trocadas por dinheiro, por compromisso de financiar as campanhas. É a parte que a Justiça Eleitoral sabe que é a mais podre de todas as etapas, mas nada faz. É preciso terminar com esta pequena licenciosidade, porque como bem sabemos, basta um minúsculo orifício para que a classe política construa verdadeiros túneis de ilegalidade. O correto e justo seria que o registro final em todo País ocorresse no dia 1º de julho – mas quem foi que disse que a Justiça Eleitoral e mesmo os partidos querem terminar com as brechas, as fendas e os ralos?
Nunca é demais lembrar que os dois mais significativos avanços na Legislação Eleitoral aconteceram por conta de iniciativa popular – se bem que no caso da chamada ‘ficha limpa’, tirante a pequena tentativa de esperteza do senador Dorneles, o adendo feito pelo Congresso Nacional quanto à necessidade de decisão colegiada para a ineligibilidade foi mais justa que a proposta original.
Teoricamente o dia no qual o Demo vai engolir o que lhe resta de auto-estima e vai, prostrado, humilhado e de joelhos pedir a benção a sua santidade o tucanato, aceitando o papel que lhe cabe antes de ir repousar na lata de lixo das coisas execráveis que a política brasileira já produziu. O lixo da história é o que aguarda o Demo – lugar mais do que adequado para este esbulhoda ditadura, que foi mudando de nome sem jamais mudar de prática e sem jamais contribuir para a consolidação da democracia.
Teoricamente hoje é o dia no qual saberemos quem é quem no cenário das composições. No caso da eleição presidencial, como ficará o Demo: se apenas humilhado ou humilhado e ridicularizado. Há pendências regionais, como no caso do Paraná, para ficar definido o palanque para Dilma; em Santa Catarina se o PMDB Nacional vai engolir a aliança do partido com o Demo feita no Estado e aqui no DF, qual o destino de três siglas fisiológicas ao extremo – Demo, PTB e o PP (cada qual com sua peculiaridade mercantilista).
No DF, todos ao balcão
Há três partidos que ainda não fecharam as negociações quanto ao lado com o qual fecharão aliança. O cenário é mais ou menos este:
1 – O Demo ensaia uma candidatura própria, mas ainda há quem acredite e aposte que na hora ‘agá’, o time dos ‘gagá’ (e quem diz isso é o próprio deputado Fraga) acabe ficando com Roriz. Este ao menos é o sonho da dupla Osório Adriano e Adelmir Santana.
2 – O PP é a melhor opção comercial de Benedito Domingos. Uma parte quer ficar com Roriz e outra com Agnelo, não propriamente pela candidatura local, mas convictos de que Dilma ganhará a eleição presidencial ainda no 1º turno. Rodovalho gosta de Roriz e os dois gostam de dinheiro. Benedito tem mágoas antigas do Roriz, por quem foi humilhado e publicamente execrado. Ao contrário de Abadia, que foi chamada de ‘vadia’ por Roriz e voltou a lhe beijar a mão, Benedito é homem de princpípios – e um deles é ser bom negociante.
3 – O PTB talvez seja a situação mais engraçada. De cobiçado e desejado pelo PT e pelo PMDB, hoje luta para ficar sem nada. Tenta emplacar Paulo Goyaz ou algum outroamigo de Gim Argello como suplente na chapa de Rodrigo Rollemberg (PSB). É instituição meramente cartorial – basta ver a forma como o PTB em nível nacional negociou o seu tempo do programa na TV para bajular Serra. Gim procura uma saída honrosa, depois de ver desmontada a tese de que interessaria ao Planalto um 2º palanque para Dilma no DF – algo que seria um contrasenso, na medida em que Lula e o PT fizeram das tripas coração para construir palanques únicos nos Estados. Se ganhar uma suplência na majoritária, fica com o PT. Na verdade, esta opção agrada muito ao próprio partido de Agnelo.
Por fim e sem ser o fim… ninguém quer andar com Roriz…
Hoje é apenas um faz de conta.
Definição mesmo, só no dia 6 de julho.





E o Ibope, quando chega?

29 05 2010

Muito estranho o silêncio do instituto de pesquisas oficial da Rede Globo e da campanha do Serra. Mesmo já se aproximando uma nova rodada de números do Vox Populi, da Census e do DataFolha – tido como instrumento auxiliar do Ibope e geralmente seus números são divulgados depois do Vox Populi e do Census, mas antes do global como forma de ir preparando o terreno para a manipulação – e nada do Ibope liberar seus números…

E a razão do silêncio é simples: nem emsmo torturando e expremendo os números, manipulando questionários, direcionando perguntas e massificando a presença do ‘coisa’ na TV e na mídia, mesmo assim não está sendo possível esconder a realidade: Dilma na frente.

Realmente a cada dia fica mais complicada a situação da campanha do candidato das elites: ninguém aceita ser vice de um cadáver adiado. Aécio fugiu, mesmo sendo chantageado por alguns empresários desesperados. Tasso Jeressatti pulou fora da idéia. Francisco Dornelles, aquele que salvou Maluf (aliado de Serra) de ser pego pela ‘ficha suja’ (e eu sou contra a proposta), nem deixou a idéia prosperar; Beto Richa, tucano do Paraná, nem recebeu Serra para tratar do assunto. Logo-logo a turma de FHC vai acabar optando por Roriz como vice de Serra. Roriz ou Yeda, são as duas melhores opções no mercado, condizentes com o perfil do exterminador.

Por falar nisto… até o vetusto O Estadão acabou revelando o desânimo da turma tucano-demoníaca: a nova amostragem da Vox Populi trará, ao que tudo indica, Dilma 5 pontos na frente do azedume e do desespero. Só 5 pontos? (confirme aqui a notícia: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100529/not_imp558472,0.php)

Portanto… preparem-se que a baixaria vai aumentar e muito…





Vozes sobre a pesquisa Vox Populi

19 05 2010

Para alguns, dizer que o cenário eleitoral de Roriz, o verdadeiro criador do Mensalão do Demo, é complicada, a despeito de ter 42% das intenções de voto na mais recente pesquisa do Vox Populi, pode soar apenas como provocação – quando isto reflete uma realidade que deixa apavorados os que esperam a volta dele para continuarem se locupletando ou levando algum tipo de vantagem à margem da legalidade.

Nunca Roriz começou uma campanha com índices tão baixos de intenção de votos e uma rejeição neste patamar (34%). Há, mesmo no eleitor cabresteado pela cegueira política,a percepção e o medo de que Roriz talvez não consiga chegar candidato até outubro. Qualquer pessoa com razoável capacidade de discernimento já percebeu as inúmeras contradições de Durval Barbosa na sua necessidade de aliviar o ex-governador e ‘tirar’ dele (Roriz) o título de verdadeiro mentor de todo este esquema que enlameia o DF desde janeiro de 1999. O caso de Eurides Brito é patente: alguém de sã consciência, sabendo a voracidade e o gosto de Roriz por patrimônio, acredita que um reles subalterno como Durval teria como pagar 40 mensalinhos de R$ 50 mil cada a Eurides, de 2003 a 2006, sem que o chefe soubesse?

É preciso ser muito idiota para acreditar em algo assim. E, além do mais… por quais razões Durval (a mando de Arruda, como ele diz para proteger Roriz) repassaria dinheiro mensalmente para Eurides, quando o governador era Roriz e Arruda apenas deputado federal? Ao menosprezar a inteligência alheia, Durval e Roriz começam a se enredar em suas próprias pernas.

Não há como dissociar os dois do ‘mensalão’. O escândalo que estourou em Arruda é coisa gestada no governo Roriz desde janeiro de 1999.

Mas, vejamos como dois colunistas anti-PT e anti-Lula avaliam a pesquisa aqui no DF.

Vamos começar por Josias de Souza, da serrista Folha de São Paulo:

“4. Distrito Federal: Dilma obtém vantagem de oito pontos sobre Serra: 42% a 34%. Marina aparece com 13%.

Quanto à briga pelo governo, o eleitor da Capital dá sinais de que não retirou do panetonegate as lições que o escândalo ministrou.

Mentor de Durval Barbosa, o delator de José Roberto Arruda, salta na frente o ex-governador Joaquim Roriz (PSC): 42%. Agnelo Queiroz (PT) belisca 32%. (http://josiasdesouza.folha.blog.uol.com.br/)

Outro colunista da mesma Folha, Fernando Rodrigues, assim disseca os números locais que o Vox Populi divulgou:

“DF: Roriz (PSC) 42% x 32% Agnelo Queiroz (PT)

Dilma leva a melhor no Distrito Federal e tem 42% contra 32% de Serra

Pesquisa Vox Populi realizada de 8 a 12.mai.2010, aponta favoritismo de Joaquim Roriz (PSC) na diputa pelo governo do Distrito Federal. Roriz tem 42% das intenções de voto contra 32% de Agnelo Queiroz (PT). Maria de Lourdes Abadia (PSDB) tem 6% das intenções de voto, seguida por Rogério Rosso (PDT), com 4%, e Alberto Fraga (DEM), com 3%. Votos em branco e nulos somam 9%. Não souberam ou não quiseram responder à questão 4% dos entrevistados.

A pesquisa tem margem de erro de 4 pontos percentuais (para ou mais ou para menos) e foi realizada de 8.mai.2010 a 12.mai.2010 com 600 eleitores, no Distrito Federal. Paga pela Bandeirantes, está registrada com o n° 11051/2010 no TRE-DF. Aqui, a íntegra da pesquisa.

Aqui, todas as pesquisas de todos os institutos para governos estaduais.

Quando solicitada a resposta espontânea (para a qual o entrevistador não apresenta o nome dos candidatos para os entrevistados), Roriz mantém a liderança com 30%. O 2° é Queroz, com 21%. José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM) tem 5%, à frente de Marina de Loudes Abadia (PSDB) que tem 2% e de Rogério Rosso, Fraga e Magela que têm 1% cada. Vão votar em branco, nulo ou em ninguém 8%. Não sabem ou não responderam à questão 29% dos eleitores do Distrito Federal.

Presidente e avaliação do governo
Dilma Rousseff (PT) leva vantagem no DF e fica com 42% das intenções de voto. José Serra (PSDB) tem 32%, Marina Silva (PV) tem 12% e Zé Maria (PSTU), 1%. Não sabem ou não responderam  7%. Vão votar nulo, em branco ou em ninguém 6% dos eleitores da capital.

O governo Lula é bem avaliado na capital do país. Consideram como ótimo o desempenho do presidente em seu cargo 40% dos eleitores entrevistados e 41% consideram como bom. Para 13% é regular positivo, para 2% é regular negativo, para 2% é ruim e para 2% é péssimo. Não soube ou não quis responder 1%. (http://uolpolitica.blog.uol.com.br/)

Percebe-se a estagnação de Roriz e o crescimento de Agnelo. O mais importante é observar o que ocorre na espontânea, quando Roriz tem míseros nove pontos de vantagem sobre ASgnelo.

Só mesmo a extrema cegueira ou a necessidade de não ver a realidade que pode justificar o ufanismo dos rorizistas. Faz menos de um mês que Agnelo é o pré-candidato a governador do campo ético de Brasília – enquanto que Roriz é useiro e vezeiro, com um eleitorado cativo de sua política demagógica de destruição da qualidade de vida no DF.

Outro fator importante revelado pela pesquisa é a avali~ção do governo Lula no DF: 81% consideram bom ou ótimo. Além disso, Dilma tem aqui no DF 42% das intenções de voto.

Roriz ainda está na frente, mas… até quando?





Folha detona Serra

16 05 2010

Por esta, nem os tucanos esperavam. Depois de receberem no sábado os dados da pesquisa Vox Populi colocando Dilma em 1º lugar nas intenções de voto, na edição deste domingo (16), mais uma revelalção:

Serra utiliza estrutura do Estado após deixar o cargo

Quarenta dias depois de sair do governo, tucano e equipe vão a eventos em carros oficiais

Na quarta-feira, 12 policiais faziam a segurança da casa do pré-candidato; assessorias do PSDB e do governo dizem que não há irregularidades

Eduardo Knapp – 6.abr.10/Folha Imagem
 

No início de abril, alguns dias após Serra ter deixado o governo, seguranças e motoristas aguardavam na frente de sua casa, em SP

CATIA SEABRA
BRENO COSTA
DA REPORTAGEM LOCAL

Quarenta dias depois de deixar oficialmente o governo de São Paulo, o pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra, tem usado estrutura do Estado em sua pré-campanha, iniciada formalmente no último dia 10 de abril.
O ex-governador, que transmitiu o cargo para o vice Alberto Goldman em 6 de abril, conta com policiais militares na sua segurança. Em São Paulo, ele e seu staff têm ido a eventos em carros oficiais.
Os agentes – policiais vinculados à Casa Militar – também acompanham Serra em viagens pelo Brasil. Os gastos com combustível e celular usados pela equipe de segurança também ficam a cargo do governo.
Os profissionais de comunicação contratados para a campanha mantinham, pelo menos até sexta-feira, os mesmos números de celular de quando atuavam na assessoria do Palácio dos Bandeirantes.
Amparado em decreto estadual, de março de 2004, o governo afirma, em nota, que não há ilegalidade no uso da segurança do Estado. O decreto prevê “a prestação de serviços de atendimento funcional e, complementarmente, de segurança” a ex-governadores durante todo o mandato do sucessor.
Contudo não estabelece um limite de policiais a serviço do ex-governador. Na última quarta-feira, 12 homens vigiavam a casa de Serra, no Alto de Pinheiros, na zona oeste da capital. O governo não informou o número de agentes que acompanham o pré-candidato, alegando “razões de segurança”.
Em 2006, quando, sob a vigência do mesmo decreto, também deixou o Palácio dos Bandeirantes para concorrer à Presidência da República, o ex-governador Geraldo Alckmin contou com o serviço de dois ajudantes-de-ordem e circulava em sua Parati particular.
Quanto aos celulares usados pelos profissionais de comunicação, a Secretaria de Comunicação afirma que os jornalistas podem optar pela manutenção dos números após o desligamento do governo. Ainda segundo a assessoria, os cofres públicos são ressarcidos em caso de despesas “residuais ou remanescentes”.
De acordo com a assessoria da campanha tucana, as despesas com comunicação são cobertas pelo PSDB.

Viagens
Embora a campanha só comece oficialmente em julho, Serra tem viajado pelo país desde o dia 14 de abril, quando desembarcou em Salvador (BA) -onde deve ocorrer a convenção oficial para formalizar sua candidatura, em 12 de junho.
Até sexta-feira, já tinha feito 15 viagens, passando por dez Estados. Nessas visitas, concede entrevistas a rádios e TVs locais, participa de eventos com empresários e políticos, e interage com os possíveis eleitores.
Suas atividades de pré-campanha são registradas por uma equipe de filmagem da empresa GW, do jornalista Luiz Gonzalez, responsável pelo marketing de sua campanha. A empresa é paga pelo diretório estadual do PSDB em São Paulo.
Em visita a Maceió, em 16 de abril, Serra disse que as filmagens destinavam-se a um “arquivo” e que, se as imagens fossem para a campanha, estaria usando um microfone de lapela. No entanto, ele tem usado o acessório em várias ocasiões.
A assessoria da campanha informou que “o objetivo das filmagens é documentação”. Não esclareceu se elas serão usadas posteriormente em propagandas eleitorais, com a disputa oficialmente em andamento.
Além de pagar a GW, o PSDB estadual assumiu gastos como aluguel de salas e de avião na atual fase de pré-campanha.





Dilma ultrapassa Serra

15 05 2010

Ainda que os jornais pró-Serra não tenham dado nenhuma linha em seus portais, aqui vai: Pesquisa Vox Populi coloca a candidata que tem compromisso com o País na frente do trapalhão do Serra, representante do que existe de pior e de mais nefasto na vida política nacional – a turma da destruição dos sonhos de um povo, de uma nação.

‘Chupinhei’ a reportagem do portal do Correio Braziliense.

Pela primeira vez, Dilma passa Serra em pesquisa de intenção de votos

Vinicius Sassine

Publicação: 15/05/2010 17:41 Atualização: 15/05/2010 18:06

A pré-candidata do PT à Presidência da República, a ex-ministra Dilma Rousseff, aparece pela primeira vez à frente do pré-candidato do PSDB, o ex-governador de São Paulo, José Serra, em pesquisa de intenção de votos feita pelo Instituto Vox Populi.

O levantamento traz a petista com 37% das intenções de voto, em empate técnico com Serra, que tem 34% na pesquisa estimulada. A margem de erro do levantamento é de 2,2%, para mais ou para menos.

Dois mil eleitores, moradores de 117 cidades (nas cinco regiões brasileiras), foram ouvidos no levantamento. Num eventual segundo turno, Dilma e Serra também estariam tecnicamente empatados, com 40% e 38%, respectivamente, dentro, portanto, da margem de erro de 2,2%.

A pesquisa de intenção de voto espontâneo – quando o eleitor abordado pelos pesquisadores diz em quem vai votar – também aponta a liderança de Dilma Rousseff. Ela aparece com 19% das intenções de voto, enquanto Serra tem 15%. Em janeiro, cada candidato obteve 9% das intenções de votos espontâneos.

A candidata do PV, a ex-ministra Marina Silva, consolidou-se na terceira posição da pesquisa estimulada de intenção de voto, com 7%. O levantamento de votos espontâneos mostra o presidente Lula em terceiro lugar, com 10% das intenções de voto, o que confirma a popularidade do presidente (mesmo sem poder se candidatar a um terceiro mandato, Lula é citado pelos eleitores).

As regiões onde Dilma Rousseff é mais lembrada são o Nordeste (44%) e o Norte (41%). Serra lidera no Sul (44%) e está tecnicamente empatado com a petista no Sudeste.

A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 7 de maio de 2010, sob o número 11.266/2010. As duas mil pessoas foram entrevistas entre os dias 8 e 13. O Correio publica todos os detalhes do levantamento na edição impressa de amanhã.