DF: Roriz, Rosso e Estevão armam golpe

13 10 2010

Está tudo pronto. O trio que envolve o condenado Luiz Estevão – conforme bem disse o advogado Paulo Goyaz é muito estranho que Estevão esteja condenado, com transitado e julgado, há mais de dois anos e até agora não tenha sido publicado o acórdão mandando-o para a cadeia – o ficha-suja Roriz e Rosso, o governador de fancaria, oportunista de plantão e ególatra doentio que manda secretários de estado coagirem servidores para trabalharem abertamente pela eleição da mais ignominável toupeira política (Weslian), agora trabalham para armar um golpe – usando para isso uma ‘vantagem’.
Como se sabe, a eleição no DF só foi para o 2º turno por conta do tradicional reacionarismo de um segmento pequeno burguês que se diz de esquerda, mas que na realidade sempre trabalha de braçõs dados com a direita. O Psol amealhou entre este segmento algo como 16% dos votos, tonificados por um eleitor que se pensa consc iente, mas que serve de instrumento de manipulação da extrema-direita.
Pois bem… haverá 2º turno no DF e a despeito da grande vantagem de Agnelo (64 a 36) nas pesquisas, o trio maquiavélico está bolando algo que só mesmo quem tem a ficha criminal dos mesmos poderia colocar em prática.
Como o feriado do dia do Servidor incide numa quinta-feira e na terça-feira será dia de finados, Rosso, Roriz e Estevão estão trabalhando para mostrar uma extrema generosidade: darão ponto facultativo na sexta-feira, dia 29, e na segunda-feira, dia 1º (de novembro).
Com esta artimanha, pretednem esvaziar a cidade e assim, pela abstenção, eleger uma ‘gracinha’ de presépio como governadora do DF.
Se isto acontecer, será a mais retumbante vitória eleitoral do Psol em 2010. Similar a de Marina, do PV.

Em tempo:
No próximo fim de semana, a Exta divulga nova pesquisa com intenções de voto para Governador e Presidente aqui no DF. Lembrando que no levantamento anterior, Agnelo tinha 55% e Weslian 38%. O tracking mostra evolução de Agnelo, consolidando sua posição com algo como 58% das intenções nominais de voto, sendo que Weslian oscila negativamente dentro da margem de erro ficando como 36%.
Em relação à disputa presidencial, o tracking aqui em Brasília mostra que o quadro começa a sofrer um rearranjo, sendo que Serra oscila na margemd e erro para baixo e Dilma cresce acima da margem de erro. A previsão é que a próxima pesquisa os coloque praticamente empatados aqui no DF – o que significa dizer que Serra perde a dianteira de 10 pontos que apresentou na primeira pesquisa pós 1º turno quando o grosso dos eleitores de Marina diziam-se propensos a votar em Serra.
É esperar para ver…





DF: Weslian também é ficha-suja?

11 10 2010

Trata-se de reportagem veiculada pela Folha Online – porque aqui no DF, os jornais sabem apenas silenciar…

10/10/2010 – 11h34

Tribunal de Contas liga ONG de Weslian Roriz a mensalão do DEM

FILIPE COUTINHO
GABRIELA GUERREIRO
DE BRASÍLIA

O instituto fundado pela candidata ao governo do Distrito Federal, Weslian Roriz (PSC), foi beneficiado pelo mesmo esquema que mais tarde patrocinou o mensalão do DEM, segundo o Tribunal de Contas do DF.

O Instituto Integra aparece na lista de irregularidades em contratos de informática da Codeplan (Companhia do Desenvolvimento do DF). Na época, a companhia estava sob a administração do governador Joaquim Roriz (2003-2006) e era presidida por Durval Barbosa.

Barbosa veio a ser o delator do mensalão do DEM. O caso envolve empresas também contempladas pelo esquema já no governo José Roberto Arruda (2007-2010). Essas empresas foram indiciadas pela Polícia Federal na operação Caixa de Pandora.

Segundo o delator e a CPI da Codeplan, a companhia de desenvolvimento foi o embrião do esquema do mensalão –possibilidade admitida pelo próprio Roriz.

Todas as “falhas graves” apuradas pelo tribunal no Instituto Integra são do período em que Weslian era presidente da ONG (2004-2006). O TCDF afirma que as facilidades obtidas pela ONG podem ser consideradas uma violação do princípio constitucional da impessoalidade, dada a relação do “casal 20” –slogan de Weslian na campanha ao governo após substituir o marido “ficha-suja” na disputa.

Segundo o tribunal, a ONG recebeu da Codeplan obras e equipamentos para montar laboratórios de informática para cegos, e o governo bancou os instrutores, sem a ONG ter comprovado que ofereceu os cursos. O governo pagou a manutenção dos computadores sem a organização oferecer de fato o programa de inclusão digital. Mesmo assim, o convênio foi renovado duas vezes.

A auditoria apontou também que os programas da ONG “Fábrica Minha Sopa” e “Cão Guia” não tinham relação com inclusão digital.

Não é possível saber quanto foi gasto pela Codeplan com a ONG. Não houve transferência direta de recursos e há quatro anos o governo não informa os valores gastos. Isso foi considerado mais uma irregularidade.

CARTÃO DE VISITAS

Usada na campanha como principal experiência da novata Weslian, a Integra contou ainda com outras facilidades no governo Roriz. A sala do instituto foi doada pelo governo e, segundo a auditoria, material de informática foi deixado para a ONG. Só para “adequar o ambiente”, o governo gastou R$ 343 mil (em valores atualizados).

A procuradoria do tribunal afirma ainda que funcionário terceirizado do governo, que deveria trabalhar no maior hospital de Brasília, dava expediente na ONG de Weslian. Além disso, um decreto de Joaquim Roriz deu exclusividade para o instituto Integra capacitar cães-guia.

O processo no TCDF se arrasta desde 2006 porque dirigentes da Codeplan não compareceram às audiências. No período, a Codeplan também foi presidida pelo atual governador, Rogério Rosso (PMDB). Aliado de Weslian, ele não prestou as informações pedidas pelo tribunal.

OUTRO LADO

Weslian Roriz não se manifestou sobre as irregularidades identificadas pelo Tribunal de Contas do Distrito Federal na ONG Integra.

A Folha encaminhou na quinta-feira uma lista de perguntas para a assessoria da candidata, mas não obteve resposta.

A presidente do Integra, Lúcia Bittar, também não atendeu às ligações telefônicas da Folha. Segundo funcionários da ONG, ela está em viagem para o exterior.

Aliado de Weslian Roriz e ex-presidente da Codeplan, o governador Rogério Rosso (PMDB) afirmou que não poderia responder sobre irregularidades encontradas em governos anteriores ao seu.

Por meio da assessoria, Rosso afirmou que não prestou informações ao Tribunal de Contas do DF, quando era da Codeplan, porque o órgão estava subordinado à Secretaria de Desenvolvimento Urbano do DF, e os contratos de informática não eram mais de sua responsabilidade.





2º turno no DF: Agnelo tem 55%

9 10 2010

Faz pouco a Exata terminou de tabular os dados relativos ao 2º turno da disputa para governador do DF. A pesquisa mostrou que Agnelo está em 1º, com 55% das intenções de voto e Weslian tem 38% – sendo que ainda existem 7% de indecisos.
Esta pesquisa estará sendo veiculada amanhã nos meios de comunicação aqui em todo o DF.
Também no sábado estará concluído o levantamento para presidência da República, 2º turno, aqui no DF e será divulgado em torno do meio-dia.
Agora a expectativa está nos números que serão apresentados neste final de semana pela Soma – tradicional instituto de pesquisa que é vinculado ao esquema Roriz/Arruda.





2º turno no DF: Roriz já está em campo

5 10 2010

Candidatos a distrital, de várias coligações, que tiveram decepções nas urnas foram surpreendidos com um agradável telefonema vindo da coordenação da campanha de Weslian, dizendo que falavam em nome do ‘governador’ e da sua laranja. O propósito das ligações era simples e incidia na mesma conversa: que as urnas são cruéis, mas que o importante é que mesmo nesta hora aqueles votos são fundamentais e um monte de conversa mole.
Antes do final, dois tópicos que acabam soando como canção aos ouvidos de quem recebeu a crueldade das urnas: se ficou devendo e… que se houver interesse em estar junto a um projeto vencedor…
No caso, o projeto vencedor implica em pagar as contas que ficaram e espaço generoso no futuro governo.





Família Roriz em ação

3 10 2010

Deu na Folha Online

03/10/2010 – 16h42
Candidato a deputado agride fiscal de coligação no Distrito Federal
DA AGÊNCIA BRASIL

Ao distribuir santinhos às pessoas que chegavam para votar numa seção eleitoral em Santa Maria (DF), o candidato a deputado distrital Paulo Roriz (DEM) agrediu a fiscal da coligação contrária (PT, PDT, PSB), Tatiana Gomes Araújo.

Tatiana alertou Paulo Roriz de que a prática era proibida e, com isso, recebeu um empurrão. Ela revidou com tapas e socos e acabou sendo agredida por Roriz. O caso foi parar na 33ª Delegacia de Polícia para registro de ocorrência.

O delegado do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) esteve na delegacia e informou que o episódio não foi caracterizado como crime eleitoral.

===
Ou seja: são sempre eles. Até quando?





Roriz e Durval continuam filmando…

1 10 2010

O Jornal Passe Livre, edição 454, que circulou entre 17 e 20 de setembro já tinha denunciado que a parceria Roriz e Durval estava em plena atividade.
É longa, perversa e criminosa a parceria entre Joaquim Roriz e Durval Barbosa. Advém desde bem antes que alguns imaginam. Foram unidos pela mesma paixão pela contravenção, pela bisbilhotagem, pela paixão pela extorsão, pelo crime.
Foi assim na vergonhosa e impune montagem do chamado ‘Massacre da Estrutural’ que tantos estragos causou à candidatura de Cristovam em 1998, então candidato a reeleição. Sabe-se, agora, que o massacre na realidade foi uma ação coordenada pela campanha de Roriz em 98 – realizada por quem? Hum… adivinhou…
E esta parceria entre os dois nunca foi ‘diminuida’ ou sofreu qualquer abalo. Durval sempre foi o pitbull para os serviços sujos de Roriz. Por trás de cada vídeo, tem as digitais de Roriz.
Ao revelar que possui um vídeo com um genro de um Ministro do Supremo, Roriz mandou um recado para todos aqueles que conversaram com ele nos últimos meses: tenho material…
A nota que está na edição do Jornal Passe Livre é a seguinte:

VISTANTE
Clientes dos quiosques do Sia nas proximidades do comitê de Roriz falam da presença de Durval Barbosa no local. Estará ele arrumando as câmeras para flagar e registrar as reuniões e os acordos políticos – dentro da velha escola rorizista de fazer política?

Ou seja: para se manter informado no DF… Basta ler o Jornal Passe Livre – que desde 1998 é a Informação que viaja com você!





Roriz desrespeita liminar

29 09 2010

Para quem, tal qual Roriz, resolveu transformar a eleição num grande circo, buscando, através do descrédito de todo o processo, uma espécie de cortina de fumaça para não reconhecer a vitória do adversário, nada deve surpreender.
Durante a tarde, já com a vigência da liminar, cabos eleitorais estavam ao longo da Epia colocando faixas e fixando material. Numa demonstração de que, para esta gente, viver à margem da lei é uma opção de vida, um modo de se relacionar com a sociedade.
Transcrevo o material – desta vez bem completo e com um texto de qualidade – veiculado no portal do Correio Braziliense:

TRE-DF suspende material de propaganda eleitoral de Weslian Roriz
Ana Elisa Santana

Publicação: 29/09/2010 13:39 Atualização: 29/09/2010 14:32

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Distrito Federal decidiu, nesta quarta-feira (29/9), suspender o material de propaganda eleitoral da coligação Esperança Renovada, da candidata Weslian Roriz (PSC), que faça referência a Joaquim Roriz como aspirante ao GDF. A medida foi tomada após o tribunal receber uma representação protocolada pela coligação Novo Caminho, do concorrente de Weslian, Agnelo Queiroz (PT).

De acordo com a decisão do TRE, está proibida a veiculação de propaganda em rádio, televisão e internet em que Joaquim Roriz figure como candidato. Em um prazo de 12 horas, a coligação deverá ainda retirar das ruas todo material impresso, pintado ou estampado, que indique o ex-governador como aspirante ao Buriti. A mesma regra vale para as propagandas de candidatos a outros cargos que sejam apoiadores de Roriz.

Segundo o coordenador jurídico de campanha da coligação Novo Caminho, Claudismar Zupiroli, a ação foi protocolada para que o eleitor não seja induzido ao erro, já que o material em questão não esclarecia que a real candidata ao GDF, após a renúncia de Joaquim Roriz, é a esposa dele, Weslian Roriz.

Caso a determinação não seja cumprida, a fiscalização do TRE fará o recolhimento do material irregular. Está prevista, ainda, multa diária de R$ 10 mil, tanto em caso de veiculação de programas que não estejam de acordo com a decisão do tribunal, quanto pela exposição de material irregular nas ruas.

===
Apenas para ajudar:
Se o pessoal do TRE quiser realmente cumprir a liminar, pode fazer um comboio pela Epia, no Guará e principalmente recolhendo placas de rua onde está a foto de Roriz, o ficha-suja, com algum candidato.