DF: abstenção não ameaça vitória de Agnelo

31 10 2010

O DF deverá registrar abstenção supeiro a 30% neste 2º turno, mas nem isto coloca em risco a vitória de Agnelo. A pesquisa da Exata, realizada neste sábado, já tinha este ingrediente, e mesmo assim a diferença do levantamento mantinha-se em 64 a 36. A previsão de hoje é que Agnelo deve vencer na proporção de 62 a 38.
No Goiás, pelo que tenho falado com jornalistas que estão afzendo compilação de resultados em cidades de todo estado apontam a vitória de Perillo na proporção de 53 a 47. Por uma questão de estratégia deles, não estão fazendo nenhum trabalho com a eleição presidencial. Neste sentido, valho-me das informações de Delúbio Soares apontando para a força de Dilma no Estado.
Volta a chover pesado em todo o DF.
Meu filho, do alto dos seus 16 anos, indo votar. Aluno de Direito da UnB, eleitor de Dilma e Agnelo. Futuro embaixador. Consciente de que não vota apenas por ele. Mas por todos que sonham com um Brasil mais justo, digno, humano, fraterno e igualitário.
Por telefone, falei com o pessoal do Filippelli – nunca sei como se escreve corretamente o nome dele. Estão também na expectativa.
As denúncias de malversações do rorizismo são esporádicas. Coisas pontuais. As tradicionais maracutaias de gente votando com documento de outros. Gente recebendo dinheiro para votar.
Sobre a Dilma aqui no DF, os dados apontam que ela e o ‘coiso’ disputam cabeça com cabeça. Voto por voto.
É esperar mais um tempo. Os minutos se arrastam…





Perguntas que ficam no ar

30 10 2010

Sábado.
Falta um dia.
Amanhã à noite, 8 e meia, mais ou menos, já saberemos.
Se é que ainda restam dúvidas.
Lembrando: eu não confio em urna eletrônica.
Mas algumas perguntas martelam em minha cabeça, com a insistência da ladainha que o vendedor de cocada usa todo sábado de manhã ao passar em minha rua.
– Onde está Mônica Serra?
– Foi Serra quem mandou a Mônica abortar?
– O dinheiro do Paulo Preto sumiu ou viajou para as contas ‘lá de fora’?
– Quanto dinheiro foi desviado das obras do metrô/SP?
– Qual o conceito de Serra acerca de liberdade de imprensa?
– A Soninha Francine vai manter os empregos da família ou vai criar vergonha na cara?
– O Governo de SP vai continuar servindo de cabide de emprego para políticos derrotados em outros estados?
– O Serra vai usar o direito de resposta no twitter?
– Ele será candidato em 2012 a prefeito?
– O Governo Federal vai continuar com a mesma política de injetar dinheiro em Globo, Veja e Folha?





Weslian confirma na Globo que votará em Agnelo!

29 10 2010

Ainda restam dois dias.
Como diz o povo… São mais duas edições do Jornal Nacional. O debate da Globo. A capa da Veja. E uma edição da Folha.
Há medo no ar.
Passei naquilo que seria o comitê do Serra aqui no DF. Desânimo.
Passei no comite de Weslian. As pessoas estão cabisbaixas. Havia cobranças. Dinheiro atrasado em fim de campanha é sempre um problema.
Fui na Feira do Paraguai, reduto do rorizismo e me deparei com a cena de ver mais adesivo de Agnelo do que Weslian.
Depois, uma passada pelo comitê de Dilma e Agnelo, que ficam próximos aqui em Brasília – por vezes fica a sensação de que faltou mais interação entre as duas coordenações.
Esta é a minha sexta campanha aqui no DF. Nunca vi o rorizismo tão fraco. Também pudera: o velho morubixaba foi matando todos os que, sendo aliados, poderiam colocar em risco o seu mandonismo.
Assim, defenestrou Valmir Campelo, Abadia (esta, de modo totalmente humilhante, depois de ser chamada de ‘vadia’ por Roriz, voltou a fazer parte de sua ‘base’), Paulo Octávio, Arruda (foi Roriz quem divulgou os vídeos como retaliação por conta do episódio do PMDB) e tantos outros. Restaram apenas que, por serem restos, ninguém mais queria.
Na disputa presidencial, uma constatação: os eleitores de Serra são mais enrustidos. Omitem suas preferências. Em verdade, quem vota nele, vota com vergonha. Vota muito mais por seus preconceitos contra o PT, contra Lula e contra Dilma do que propriamente por ver qualidades em Serra.
Faltam dois dias…
E terá o Serra condições de responder as tantas interrogações que continuam a lhe perseguir:
– Mônica Serra fez aborto. E, segundo o relato das alunas, com conhecimento dele. Serra é a favor do aborto?
– Onde está a Mônica Serra – que sumiu depois de ser desmascarada?
– Qual é a sua efetiva relação com Paulo Preto?
– Por que a Alstom é sinônimo de Psdb?
– Como a filha conseguiu comprar aquela mansão em SP?
– Tem falado com os Vedoin?
– Qual o conceito dele, Serra, acerca da liberdade de imprensa?
– Mandar demitir jornalistas é base do seu conceito sobre liberdade de imprensa?
– o Candidato Serra é a favor da prostituição?
– Qual a opinião do Serra sobre o papel das mulheres na sociedade?
– Qual o seu conceito de aparelhamento da máquina pública?
– Se ele, Serra, é contra acordos, por qual razão Soninha, Márcio Fortes, Roberto Freire e tantos outros políticos de siglas aliadas estão pendurados em empresas paulistas?
E tantas outras perguntas que a gente fica pensando…
Para a Dilma, eu faria algumas perguntas pontuais:
– A senhora e seu partido aprenderam como tratar a mídia?
– No seu mandato, a Secom vai continuar alimentando com dinheiro da sociedade veículos como Globo, Veja e Folha?
– Vai ser apresentada a Lei dos Meios de Comunicação?
– O seu governo vai apoiar de modo mais decisivo a II Confereência de Comunicação?
– O sistema Globo continuará sendo dono do do Ministério das Comunicações?
Sewxta-feira.
O Grêmio foi roubado pelo Herbert no jogo contra o Flu.
Sei, todo juiz erra. Mas juiz que entra de má-fé em campo é perverso.
Herbert é daqueles que odeiam o Grêmio. E sempre afana o time gaúcho. Foi assim no 1º turno nmo jogo do Grêmio x Vasco – outro penalti não marcado.
Pode ser cisma. Mas careca costuma ser problema. Ele é um exemplo. Serra é outro…
Sexta-feira…
Dois dias.
E continua o estranho cheiro de armação no ar.
Domingo, 8 e meia da noite.
Só então meu coração estará sossegado.
São três torcidas que se entrelaçam.
Dilma presidente, 13. Confirma.
Agnelo governador, 13. Confirma.
E para o povo aqui do Entorno é Iris governador, 15. Confirma.

Antes de encerrar, uma constatação depois do debate de ontem à noite: Weslian Roriz com certeza vota no Agnelo. Basta ver que ela o chamou de ‘nosso candidato’ e também de Governador. Foi muito bom escutar isto. Enfim, a ‘dona’ Weslian mesma sempre disse que falava com o coração. abriu o coração e confirmou: ela vota sim em Agnelo.
Assim, tenho pela primeira vez uma razão para cumprimentá-la pela sábia decisão anunciada solenemente ao vivo na TV Globo…
Dois dias…





Porque hoje é quinta-feira…

28 10 2010

É claro que, quanto mais se aproxima o dia e a hora, mais acelerado e por vezes descontrolado o coração bate.
Toma-se mais café.
As conversas mesclam euforia e preocupação.
Disparam-se telefonemas a amigos.
São feitas ligações a amigos do outro lado, para descobrir como anda o clima por lá. A gente tenta entender e ler até mesmo as diferenças na respiração… nos silêncios.
É quinta-feira. Faltam três dias.
Continua o cheiro de armação no ar.
Continua esta Marina Silva sem coragem de assumir.
Reclama que os tucanos distorcem suas palavras.
Diz que os tucanos – leia-se campanha do Serra – inventam declarações.
Diz que não é dela o falso e-mail que anda circulando pela blogosfera.
Mas ela é frouxa, mole. Não tem fibra. Parece uma ameba.
Por vezes penso que é melhor assim: ela pensa que teve 20 milhões de votos…
Mas é quinta-feira.
Tem jogo do Grêmio com o Fluminense, lá no Engenhão – que parece um chiqueiro de tão descuidado que está. Mas mesmo assim, vamos torcer… É dia de ganhar, continuar na luta por uma vaga na Libertadores… Na outra semana, será aqui ao lado, no Serra Dourada contra o Goiás e já tenho convite da equipe de esportes da Rádio Cultura para comentar o jogo – confesso: será bom voltar a comentar uma partida de futebol depois de 25 anos… nos tempos de Guarujá de Floripa… pelos idos de 1985…
Hoje é dia de preparar mais um Jornal Passe Livre, que lançado em 1998, com a proposta de ser semanal, foi transformado em bi-semanal e nesta reta final está sendo diário e com tiragem de 150 mil exemplares.
Pode não ser muito, mas é uma forma de guerrilha.
E tenho certeza que vai ajudar a virar o jogo pró-Dilma no DF – lembrando que na primeira pesquisa depois de 3 de outubro, Serra tinha 10 pontos de vantagem sobre Dilma aqui no DF.
Como tenho certeza também que o Jornal Passe Livre vai ajudar a consolidar a vitória de Agnelo.
Mas é quinta-feira…
Falta três dias.
Sobra tempo para a extrema direita mentir, inventar, manipular.
É quinta-feira e eu não acredito em urna eletrônica.
Não adianta. Nada me convence da lisura destas máquinas.
Hoje é quinta-feira.
Ninguém sabe da Mônica Serra, a chilena que vociferava pelas ruas que a Dilma mata criancinhas. Tadinha. Tenho pena dela. Logo ela que carrega a dor de um aborto. Ela e o Serra.
Confesso, sem maldade, que sempre pensei que o Serra fosse um aborto da natrureza pela forma doentia como s eposiciona. Mas, falando com outros psicólogos, me disseram que o descontrole do Serra é o peso na consciência.
Bom, se for isto – menos mal: ao menos se descobre que ele tem consciência. Pesada, mas tem…
Hoje é quinta-feira. Faltam três dias.
Dizem que a Folha não vai mais publicar a matéria contra Dilma.
Duvido. Logo-logo Gilmar Dantas, ops, Gilmar Mendes libera.
Logo ele, Gilmar, que ontem babava de tanto ódio. De tanto rancor.
E acabou reconhecendo: a Lei da Ficha Limpa é do PT.
Agora o Sera terá de ligar de novo para ele?
E como fica o Índio que queria roubar a relatoria do projeto, que na verdade foi do Cardoso do PT-SP? E Índio vai ter que falar com o Gilmar…
Continuar também na guerrilha virtual.
Seguir estruturando o projeto de um seminário para novembro – OS DESAFIOS DA BLOGOSFERA. Quem falando para quem.
Coisa que se mesclam.
Já preocupado. Domingo é dia de vestir uma camisa vermelha, verdadeiro sacrilégio. Só visto de 4 em 4 anos. Por causa das eleições.
Hoje é quinta…
Faltam três dias…





Serra não conhece o Brasil. E nem aos brasileiros

26 10 2010

Até agora, salvo engano, foram três debates para o 2º turno. Resta o da Globo, na quinta. A percepção que advém destes três momentos é, segundo definição lapidar captada ao acaso no twitter, que a campanha dos tucanos se resume em: favela falsa, promessa falsa, agressão falsa, passeata falsa, discurso falso, candidato falso.
O grande problema de Serra, e das elites que ele representa, é a extrema incapacidade de não ver o Brasil e nem os brasileiros como algo possível, como algo viável. No processo de reprodução dos conceitos de classe, eles não tiveram nem capacidade e nem interesse em rever seus preconceitos. Estão acostumados a olhar a ‘sociedade’ como algo sobre o qual eles detém o controle.
Até foi assim. Houve um tempo no qual as elites mantinham absoluto controle sobre o povo.
Mas a velocidade com que os brasileiros estão mudando a forma de se enxergarem não mais como párias, mas partes de um processo de conquista de voz – esta velocidade não tem sido engolida pelas elites. A opção por Serra é, e a cada debate isto fica mais claro, a tentativa das elites (e seus instrumentos como TFP, Maçonaria, Opus Dei, meio de comunicação, segmentos das igrejas Católica e pentecostais – praticamente uma versão tupiniquim dos chamados AIE-Aparelhos Ideológicos do Estado conforme definição de Althusser) de retomar o controle do Brasil. As elites, perversas no seu egoísmo, sabem que apenas alguém neurótico como Serra será capaz de atacar de frente os movimentos sociais.
Este é o intuito. Serra não quer apenas privatizar o pré-sal, vender o BB e a Caixa. Desfazer-se do controle de Itaipu. As elites precisam, e Serra fará o papel de cão raivoso (que foi esta a percepção de sua face de ódio e rancor na saudação de encerramento do debate na TV Record), mutilzar os movimentos sociais. Quebrar-lhes a capacidade de luta. Tolher-lhes as condições operacionais de agir, atuar e intervir.
Serra e as elites batem no MST, mas na verdade miram associações, sindicatos, centrais e entidades de luta. Já dobraram e trouxeram para seu lado a CNBB e a própria OAB. Quem não aderir, será destruído.
Volto a dizer: Serra e as elites atacam o MST, mas o objetivo é destruir, mitigar o poder de intervenção dos movimentos sociais.
Mas, Serra revela o quanto desconhece o Brasil e os brasileiros ao tentar ridicularizar as conquistas dos últimos anos. Ao negar a mudança no perfil social do brasileiro, Serra (na condição de boneco das elites) reitera e descarrega sua carga de preconceito e ódio contra o povo.
Ainda que Dilma disponha de confortável dianteira, segundo as pesquisas, é importante que cada um de nós esteja consciente do que estará em jogo no domingo.
De um lado o representante de um segmento ideológico da sociedade que acredita que a razão de existir um país e haver povo nele é estarem sempre ao dispor destas elites. Estes votam no Serra.
De outro lado, a proposta de continuidade de um projeto que vem sendo implementado desde 2003 – com seus defeitos, com suas limitações. Mas um projeto que representa a perspectiva de tornar o Brasil um País de todos. Estes votam Dilma, 13.





Vox Populi: Dilma mantém 14 pontos de vantagem

25 10 2010

Está cada vez mais difícil!
Nova pesquisa Vox Populi mostra que a dianteira de Dilma na votação foinal continua sendo de 14 pontos percentuais. Ou seja: Serra precisa tirar quase 3 pontos por dia…
Na reta final de campanha, mesmo contando com o apoio escancarado dos principais meios de comunicação – exceção da revista Carta Capital, da Isto É, do jornal Passe Livre e da TV Record – a candidatura de Serra claudica sobre o peso de suas contradições.
Serra não consegue responder questões de privatizações (FHC já está negociando em seu nome); Paulo Preto, aborto, seus dossiês contra Aécio, bolinha de papel e tantos outros factóides que fizeram com que ele passasse a ser ridicularizado em jornais de várias partes do mundo.
Esta é a matéria do IG…

Vox Populi: Dilma tem 49%, Serra 38%, indecisos 7%

Matheus Pichonelli, iG São Paulo | 25/10/2010 17:38

Pesquisa Vox Populi/iG publicada nesta segunda-feira mostra que, a menos de uma semana das eleições, a candidata do PT ao Palácio do Planalto, Dilma Rousseff, mantém a dianteira sobre o tucano José Serra na corrida presidencial. A ex-ministra da Casa Civil oscilou dois pontos para baixo em relação ao levantamento realizado pelo instituto entre os dias 15 e 17 de outubro e agora conta com 49% das intenções de voto. Serra, por sua vez, oscilou um ponto para baixo e aparece com 38%.

O número de eleitores que pretendem votar nulo ou em branco ainda é de 6% – mesmo índice contabilizado na última pesquisa. O Vox Populi apontou, no entanto, aumento do número de eleitores indecisos ou que não responderam ao questionário: de 4% para 7%.

Considerando-se apenas os votos válidos, Dilma seria eleita com 57% contra 43% de Serra. De acordo com esse critério, a distância entre os dois candidatos é de 14 pontos, igual à apontada pelo último levantamento. Ainda assim, 88% dos eleitores ainda afirma, porém, que já tem certeza da decisão tomada.

O Vox Populi ouviu 3.000 pessoas em 214 municípios, entre os dias 23 e 24 deste mês. A margem de erro é de 1,8 ponto percentual. A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral sob número 37059/10 em 20 de outubro.

Vantagem

A região onde a candidata do PT tem a maior vantagem em relação ao adversário tucano é o Nordeste: 64%, contra 27%. O Sul é a única região em que Serra tem vantagem sobre a petista: 47% a 39%. No Sudeste, onde está concentrada a maior fatia do eleitorado, ela venceria por 44% a 40%.

Entre os eleitores de Dilma, 53% são homens e 46%, mulheres. Já Serra tem mais apoio entre mulheres (40%) do que entre os homens (36%).

Num momento em que temas religiosos ganharam destaques na campanha, a pesquisa aponta também que Dilma venceria o rival entre eleitores católicos (51% a 39%), católicos não praticantes (53% a 35%) e evangélicos (44% a 41%). Entre os eleitores que não têm religião, a vantagem da petista é de 46% a 38%.





O que esperar do debate na Record?

25 10 2010

Antes de mais nada, uma certeza – mesmo sem saber o formato do debate, é certo que haverá mais audiência. O debate na Band teve mais repercussão que audiência, o da RedeTV/Folha, nem um e nem outro. Assim, vamos para o 3º embate. De um lado Dilma Rousseff, que representa os anseios dos brasileiros, que tem uma relação de respeito com os movimentos sociais e, acima de tudo, representa a continuidade do projeto político e das ações sociais e de desenvolvimento implementadas pelo presidente Lula/PT. De outro, temos Serra que representa a parte mais retrógrada das chamadas elites brasileiras e tem o apoio de grupos que se escondem por trás de siglas como UDR, Opus Dei, TFP, Maçonaria, Monarquistas e o grande conglomerado monopolista da mídia.
Acredito que será oportunidade para Dilma responder algumas mentiras do Serra que até o momento ela não soube colocar de forma clara:
– O Serra fala que o governo Lula privatizou empresas, quais foram;
– O Serra fala que o Governo Lula ‘vendeu’ o BB na Bolsa de Valores;
– O Serra fala que o Zé Dutra elogiou a m.. que os tucanos fizeram na Petrobras;
– O Serra fala que a Dilma, o Lula e o PT elogiaram o programa de picaretização do sistema de Telefonia;
– O Serra fala que o Governo Lula terminou com os cursos do FAT, mas a Dilma não diz o quanto era roubado nestes cursos no Governo FHC e que aqueles cursos não qualificavam ninguém para o mercado de trabalho.
De outra parte, Dilma deve enfatizar:
– O custo dos pedágios – mostrar o paralelo com os preços cobrados em praças da alçada do Governo Federal;
– Por que Paulo Preto é protegido pelo Governo de SP?
– Por que foram engavetadas mais de 60 CPIs contra os tucanos em SP?
– Onde está a Mônica Serra e como foi a história do abor. Sabe-se, por depoimentos de várias alunas, que Mônica deixou claro que o aborto foi uma decisão do Serra e que ela aquiesceu
– Se o BB não tivesse comprado a Nossa Caixa, ela teria sido privatizada como forma outras empresas públicas de São Paulo?
– Para quem os tucanos querem o Pré-Sal?
– Como falar de aparelhamento, se o próprio Jornal da Tarde de São paulo mostrou que o governo paulista é um puleiro de fantasmas de partidos de vários estados, inclusive ghente que hoje está trabalhando o tempo todo na campanha tucana…
– Deixar claro que enquanto LUla é motivo de orgulho para os brasileiros, ele, Serra, já virou motivo de chacota…
– Falar da destruição da indústria naval brasileira, que nos tempos de FHC/Serra empregava menos de 2 mil pessoas e hoje são mais de 50 mil.
É hora de pontuar estas questões e respondê-las de modo claro, incisivo. Vamos, pois, esperar para ver o bicho que vai dar.
Quais sereiam as sugestões de perguntas que cada um dos que me acompanham teria?





Como ficarão a Globo e a Veja depois das eleições?

23 10 2010

Não é de hoje que o sistema Globo, mas de modo mais incisivo a TV Globo, resolveu partir para uma de ação e de atuação típicas de um grupo político. O grupo – famiglia Globo – pode até fazer acordos pontuais, mas tem uma clara definição de qual universo que ela ocupa e dentro do qual procura se mover. Por não ser brasileiro, em verdade a postura pública do grupo é sempre um reflexo das determinações de fora – onde os ventriluquos que supostamente a administram em terras tupiniquins… Resgatando, por não ser brasileiro, o grupo não se sente comprometido com as aspirações do conjunto da sociedade. Construiu, conslidou e solidificou uma liderança que vai ruindo lentamente – mas enquanto não se esvai, continua disseminando a defesa de seus postulados como se eles fossem paradigmas de liberdade, igualdade e democracia.
A TV Globo está apostando alto na eleição de Serra. Sabe que a vitória de Dilma será um probelma a mais, pois como foi bem posto pelo Paulo Henrique Amorim, a Globo (ou seja, a extrema direita) perdeu o controle que tinha no Senado. A aposta da Globo envolve mentiras, montagens, edições e todo um arsenal de crimes que, tivéssemos uma Lei dos Meios de Comunicação, já a teriam tirado do ar tal a reiterada opção pela mentira.
Cabe lembrar, neste sentido, que a tag #globomente é, faz dias, líder mundial entre as mais citadas pelo twitter. A TV Globo, que vai perdendo audiência e com isso recursos privados e públicos (responsáveis pela saúde financeira), sabe que não terá como se recompor com Dilma. Por isso, chafurda cada vez mais no anti-jornalismo, abrindo espaço e dando notoriedade a figuras como Jabor, Molina, Miriam Leitão, Merval, Waack e outros que não passam de entes totêmicos a repetir o que lhes é mandado.
Talvez o ponto alto tenha sido a edição do ‘atentado’ sofrido por Serra. Amparado pela falta de credibilidade do perito Molina – que virou uma espécie de boca-de-aluguel – a Globo materializou umas das mais estapafúrdias criações do seu anti-jornalismo. A reação dos profisisonais de São Paulo após a exibição da matéria talvez tenha sido a mais clara demonstração de que a farsa era grotesca demais. Houve vaias e o assunto logo estourou na rede.
Resta mais uma semana.
Ainda há tempo para a Globo se superar.
Mas que a história da bolinha de papel mostrou o quão ridícula a ex-vênus platinada pode ser na defesa dos seus interesses.
Depois das eleições, restará o desafio de convencer alguns petistas do tipo do Suplicy, do Pallocci, do Rui Falcão, da Helena Chagas (que subitamente abandonou sua paixão pelos tucanos e virou porta-voz da Dilma), do Zé Dutra e outros inomináveis, de que, como disse o Lula, é possível viver sem a Globo. E que isto também chegue até ao pessoal de comunicação/marketing/publicidade da Secom e das empresas como BB, CEF, Eletrobrás, etc.

Veja – por que o governo ainda anuncia?

A Revista Veja é uma história a parte, mesmo sendo parte do mesmo sistema que foi estruturado para atacar o governo, atacar o PT e atacar o Brasil. De escola para bons jornalistas, a Veja transformou-se em depósito da escória do jornalismo. Profisisonais que, em troca do salário, aviltam a própria biografia – esmeram-se em desrespeitar as biografias alheias.
A edição desta semana volta a utilizar uma ferramenta fundamental: a acusação sem provas, o grampo sem áudio. Antes foi aquela palhaçada envolvendo Demóstenes Torres – uma das figuras mais patéticas do Senado – e o Gilmar Mendes (a quem muitos chamam de Gilmar Dantas) num grampo nunca provado, numa interceptação que nunca existiu. Foi uma ação criminosa envolvendo os três – Veja, Gilmar e Demóstenes – com o intuito claro de brecar a ação da Polícia Federal no cerco às ações criminosas que, de uma forma ou de outra, têm guarida em altas esferas…
A Veja, a despeito desta postura reiterada, ainda assim merece anúncios do Governo Federal. Qual a lógica desta insanidade? Já escrevi várias vezes que a Secom do Governo Federal é um depósito tucano, um entulho. Lá, o que não falta é a hipocrisia de quem assume um discurso ético – mas que não sobrevive a um lampejo de seriedade. Se a Dilma quiser mudar o Brasil, deve começar a mudar a perspectiva de um governo que injeta milhões numa publicação – e não é só a Veja, pois o mesmo acontece com o grupo RBS, a Folha, famiglia Marinho, Estadão (que inclusive conseguiu um financiamento privilegiado) – que pratica um jornalismo de esgoto.
Reitero aqui, inclusive, a estranheza de ver que o ‘Núcleo de Mídia’ é coordenado por alguém que num passado não muito distante, se vangloriava de ser anti-petista. Dizem que o Núcleo não manda nada, então a situação é ainda mais ridícula na medida em que mantêm uma estrutura (salas, telefones, funcionários, etc) que não possui valor e nem tem importância. Pior: pagam para alguém anti-petista e que tem ódio por comunicação comunitária e alternativa.
Já propus inclusive que se fizesse algo simples: que se veiculasse em cada anúncio na Veja o valor que o Governo pagou por aquele espaço. Desta maneira, o contribuinte poderia ver como um governo que tanto fez como o do Lula/PT às vezes gasta mal o seu dinheiro. Na verdade o meu dinheiro. O nosso dinheiro.





Por que Serra não faz comício?

23 10 2010

Já estava pronto o post quando recebi mensagem no twitter sugerindo uma olhada urgente no Blog da Cidadania do Eduardo Guimarães. E o que está lá, é estarrecedor: pelas imagens veiculadas, a bolinha de papel foi arremeçada por um militante tucano. Vale a pena dar uma olhada.

Por que Serra não faz comício?

A velha mídia grita, estrila, se descabela e se desespera. Dia após dia, Lula e Dilma resgatam o velho hábito dos comícios que levam milhares de pessoas. Quer em Valparaíso (GO), na Ceilândia (DF), em Caxias do Sul (RS), em Uberlândia (MG).
Quem chegasse de fora, de outro país, ficaria questionando: mas só um lado tem esta coragem, esta vinculação com o povo? E o que o outro representa? O que ele faz, caminhadas?
E é exatamente isso que acontece. Enquanto Dilma, amparada pelo PT e pelo presidente Lula, arrasta multidões, gente do povo, Serra é a antítese. Sua candidatura e os partidos que a sustentam – tucanos e demos – não se ampara no povo. É uma vontade das elites podres e pérfidas, contra o sonho e os desejos do conjunto da sociedade.
Cá entre nós: quem o Serra representa? Talvez aqueles 4% que consideram péssima a gestão de Lula. Um segmento da elite, que mesmo apoiando Lula, querem a volta de um branco, europeisado, alguém que se ajoelhe para os EUA.
Serra não faz comícios porque a parte que lhe interessa ele a faz em reuniões e conchavetes como aquele patrocinado por FHC em um hotel em Foz do Iguaçu – quando assumiu o compromisso de botar Serra no colo e obedecer o ideário neoliberal.
Serra não precisa do povo, porque tem a imensa maioria dos meios de comunicação. Meios estes que manipulam a realidade, distorcem os fatos e tratam o Brasil como uma latrina e os brasileiros como gado. Os meios de comunicação pensam que nós, brasileiros, somos lacaios deles. Estes que sendo concessão do Estado, atuam contra o Estado e contra o povo. Onde está a história do aborto? E pelos depoimentos das alunas, a opção pelo aborto foi do Serra marido que impôs a sua vontade, que determinou que a chilena Allende – que está sumida da campanha – simplesmente fizesse o aborto e pronto. Mas isto os meios de comunicação não falam…
Serra não faz comício porque sabe que sua eleição é sem povo. Se vencer – e tudo pode acontecer diante de tanta manipulação – este país vai entrar num período de delicada radicalização. Mesmo com o apoio do Judiciário, Serra terá dificuldades de botar de volta nas jaulas os movimentos sociais que com Lula ganharam o direito de respirar em liberdade.
Tenho muitas e claras divergências com o governo do Lula/PT – foi omisso na questão do BC, que está privatizado; foi conivente com a perseguição que Hélio Costa a mando das redes de rádio e tv fez contra rádios e tvs alternativas e comunitárias em todo País; não teve a capacidade de romper com o domínio das bancas na indicação dos ministros do STF; entre outras. Mas a dspeito de eventuais e pontuais divergências, tenho claro que o único caminho para que o Brasil continue com os projetos que mudaram a cara da pirâmide social em nosso país, propiciando uma mobilidade social sem precedentes, enfim, a continuidade desta caminhada passa obrigatoriamente pela eleição de Dilma Rousseff.
Assim, fica a pergunta e uma sugestão de resposta: Por que o Serra não faz comícios? Porque a ele e aos que o cercam e imolam, falta povo…





Baixaria dá voto?

22 10 2010

Me criei fazendo campanha no tempo em que se discutiam propostas. Lembro que participei da campanha do Brossard (MDB) contra o Nestor Jost (Arena) – mesmo o Jost sendo da minha cidade (Candelária-RS). Lembro ainda de um discurso, em 1974, do Brossard, feito no CTG Sentinela dos Pampas onde ele, com aquele sotaque de fronteira dizia: “Nós temos que perder o medo. Nós temos que voltar a acreditar na democracia. Esta noite não poderá ser eterna”.
Nesta reta final de campanha, lembro do Brossard (aquele que sendo um liberal, na oposição ao regime militar virou um democrata radical). Temos que perder o medo da imprensa. Temos que perder o medo do poder das trevas que o Serra representa. E nós aqui no DF, precisamos voltar a ter orgulho de dizer que somos ‘brasilienses’ e não partícipes de uma bandalheira como forma os oitos anos de Roriz e os quatro anos de Arruda.
Transcrevo a seguir o texto ‘de capa’ do Jornal Passe Livre que circulou hoje em Brasília – 150 mil exemplares distribuídos gratuitamente – na rodoviária, em Taguatinga, na Ceilândia e no Guará.

BAIXARIA DÁ VOTO?

Na medida em que se aproxima o 2º turno das eleições para presidente em todo país e para governador no DF e em outros estados, o eleitor volta a conviver com o estigma da baixaria e da mentira.
Mas o eleitor está cansado de tanta patifaria e de tanta armação. As ‘revelações’ da turma do atraZo e da campanha do Serra não conseguem mais ludibriar ninguém. O problema do Serra e da turma do atraZo é que eles gostam de tratar o eleitor como se ele fosse um burro, uma anta e não tivesse capacidade de entender que tudo não passa de coisas enjambradas, mutretas e vídeos editados.
As mentiras e a hipocrisia do Serra estão fazendo com que Dilma abra 12 pontos de vantagem na pesquisa do Ibope divulgada na quarta-feira, dia 20. Ninguém tolera a leviandade e a irresponsabilidade de alguém que no afã de conquistar a presidência acaba optando pelo ‘vale tudo’.
Este quadro de irresponsabilidade se repete aqui no DF, onde a turma do atraZo despenca nas pesquisas e na tentativa de sobrevivência, parte para um proselitismo político que revela a leviandade que norteia suas ações demagógicas. Quem eles pensam snsibilizar com a promessa de anistiar multas? Só aqueles que já estavam com eles e que adoram ilegalidades e falcatruas. O que a turma do atraZo esquece é que aqui no DF vivem também pessoas com dignidade e com responsabilidade – que, conforme o 1º turno, representam a imensa maioria dos habitantes.
Fala-se em coisas bombásticas, mas o eleitor está vacinado: vindo da turma do atraZo não tem credibilidade. Afinal de contas, são sempre os mesmos, usando os mesmos métodos – valendo-se do mesmo roteiro da mentira. Nesta reta final da campanha para o 2º turno é preciso ficar atento e prestar bem atenção. Muitas ‘denúncias’ serão lançadas ao ar, tentarão destruir a reputação de muitas pessoas, muitas promessas estapafúrdias serão anunciadas.
A turma do atraZo e o pessoal do Serra ainda não se deu conta que o povo cansou de ser tratado como massa de manobra, como se não tivesse capacidade de decidir acerca do seu próprio destino.