A direita quer ‘matar’ Bolsonaro

4 04 2011

Na blogosfera, tudo é possível.
Mas hoje percebi pelo twitter que algumas pessoas conseguem se superar no surrealismo de suas paranóias.
A linha de raciocínio de uma que se assume como sendo da direita inteligente (sic) começou a atacar em mensagens seguidas a postura de Bolsonaro. Não por não concordar com ele, mas por entender que as entrevistas do deputado federal pelo Rio de Janeiro estavam desviando o foco que a direita deveria centrar que é a história do suposto mensalão do PT. Veja bem: não se fala do mensalão do PSDB, nem do Demo, nem da Yeda e nem de quem quer que seja.
Percebe-se, assim, de modo insofismável que a direita montou uma estratégia de requentar informações e desta forma manter o assunto na ordem do dia. Mas a estratégia revelou-se frágil para fazer frente, na blogosfera, aos episódios envolvendo Bolsonaro.
Esta é a razão do ódio do povo da direita ques e asusme como inteligente (sic): Bolsonaro atrapalha a estratégia. Chegaram a tal ponto de dizer que ele estava a serviço da…. esquerda.
Por ter dado com os burros na água com sua estratégia, é bem capaz desta direita que se vangloria de ser inteligente, acabar culpando Bolsonaro pela absolvição do pessoal do mensalão pelo STF – e não a absoluta falta de provas e a fragiliade das acusações que parte, em sua maioria, de suposições e achismo. Algo que qualquer estudante de Direito, mesmo de uma faculdade privada, sabe que não tem qualquer valor jurídico.





Sobre mensalões e os venais da imprensa

3 04 2011

Por qual razão a mídia golpista está requentando o assunto mensalão?
Por uma razão simples: se o STF não for constrangido e achincalhado pela mídia e for julgar apenas pelos autos e as provas já colhidas, poucos serão os condenados. Esta é a opinião de advogados, de pessoas que, sem a paixão política que o caso gera, conhecem todo o emaranhado de documentos.
Basta observar que existe uma espécie de ‘escada’: um veículo requenta bombasticamente um tema já surrado e então entra blogueiros, comentaristas e outras doidivanas a tratar de manter em pauta algo que já está morto.
É ridículo ler, por exemplo, no blog do Josias Souza que ele se arvora no páladino da verdade, na quinta-essência da ala das baianas da Opus Dei. A verdade dele é ridícula e só serve para iludir beócios e imbecis de várias classificações.
Joaquim Barbosa, o ministro do STF sob a responsabilidade de quem está a peça acusatória, já se deu conta de que como está, nada se sustenta. Perguntou coisas, quer saber de novidades para a PF. A bem da verdade, há três novidades:
1 – Menção a um filho de Marco Maciel;
2 – O surgimento da filha de Roriz no imbróglio (e onde não há um Roriz envolvido em falcatrua?),
3 – E a extemporânea inclusão de Aécio – totalmente sem pé e nem cabeça.
Mas, em lugar de retratar estas novidades e, portanto, mostrar que nada há de novo no que diz respeito ao suposto mensalão, a revista Época e os cães que ladram e as viúvas que se lamentam da perda do País que era só deles, revista e jornalistas estão colocando, de forma irresponsável, como sendo ‘novidade’, algo que já foi divulgado anteriormente.
Lá estão as três bombas – que de tão ridículas, vão jogando cada vez mais no descrédito a imprensa oficial da oposição:
1 – O caso do segurança pessoal do ex-presidente Lula.
Este assunto foi largamente veiculado pela imprensa em 2006, mormente pelo jornal O Estado de São Paulo.
2 – O suposto envolvimento de assessores do Ministro Pimentel.
Quando o assunto veio a tona, o hoje ministro demitiu todos os assessores que então trabalhavam com ele.
3 – O custeio da posse de Lula.
Algo que já foi admitido e assumido por Delúbio Soares, ex-Tesoureiro do PT.

De envergonhar

Ou seja: nada há de novo e o que poderia ser novidade, foi ignorado.
Está em curso uma cruzada para chantagear ministros, para submetê-los ao ridículo – para que abandonem a condição e magistrados e passem a ser condicionados pela opinião pública.
Tenho dito e volto a repetir: ao se reduzir a serviçal da mídia, a oposição brasileira se destruiu, sem nenhuma capacidade de articulação e interlocução com a sociedade. A oposição política pensou que o Brasil ainda era dominado e condicionado pela mídia. É ruim, muito ruim, para o Brasil que ele não tenha uma oposição com capacidade de pensar, de entender o que se passa no Brasil. A oposição perdeu o discurso político ao assumir o discurso de rancor e ódio imposto pela mídia.
A mídia, cega em sua cruzada messiânica, não se deu conta ainda de sua dissociação com o Brasil real e com os brasileiros. Incrível como este segmento não percebe a queda na venda de exemplares, a redução da audiência…
Esta pressão, esta chantagem a mídia faz e obtém algum êxito porque ela sabe que hoje só quem a lê, escuta, acompanha e leva a sério é uma elite pestilenta e enojante. Esta minoria é onde os magistrados também se movimentam, razão pela qual, de uma hora para outra, a mídia voltou a requentar matérias – dando ares de bombástica a uma informação que já foi veiculada anteriormente.

O verdadeiro mensalão

Mas se a mídia e a elite estiverem realmente interessados em algo escabroso e que tem muitas provas, basta se debruçar sobre o Mensalão Tucano de Minas, de 1998; a Lista de Furnas de 2002; os escândalos do Governo Yeda no RS (inclusive com mortes nunca elucidadas) e o Mensalão do Dem no DF – que, conforme Arruda disse em entrevista para a Veja, encheu de dinheiro o bolso de demos, tucanos e assemelhados.





STF: arrogância e prepotência

24 09 2010

Confesso que, tirante o horário do meu programa nas rádios Brasília 1.210 AM e 88,9 FM de 8 às 9 da noite, sempre de segunda a sexta, acompanhei todo o julgamento – mesmo nos votos enfadonhos (e por que não dizer medonhos) de figuras como Gilmar, Marco Aurélio e Peluzo. Dois deles (Gilmar e Peluzo), por sinal externaram toda a imbecilidade humana que escondem por trás da toga ao dizerem que se lixam para o que pensda o povo, para os anseios da sociedade. Quem estes dois imbecis pensam que são? Eles não sabem que são pagos com o dinheiro da sociedade? Eles não sabem que o salário que recebem e todos os outros tantos benefícios e vantagens – e todos nós sabemos como existem vantagens ocultas e que não passam no contra-cheque e muito menos na declaração de imposto de renda – vêm única e exclusivamente do bolso do povo?

É revoltante observar pseudos ministros, desprovidos do senso do ridículo, dizerem que se lixam para o que o povo pensa, visto que têm a vitalicidade a protegê-los.

Enganam-se estas figuras: quem paga o salário deles sou eu, é a sociedade e não apenas o Daniel Dantas.

Dentro deste quadro, é preciso saudar os votos serenos de Dias Tófoli e Celso de Melo e deplorar que a Suprema Corte do País abrigue figuras como Gilmar, Peluzo e Marco Aurélio.





STF: Golpe contra a ficha limpa?

23 09 2010

Uma das ações incompreensíveis do presidente Lula foi não ter indicado para o STF ‘magistrados’ com uma visãod e Brasil e de ética. Cézar Peluso, o atual presidnete do STF, por exemplo, é alguém que seja arrogante e acintoso em sua cruzada contra ações moralizantes – ainda que no âmbito do conservador e anti-democrático CNJ-Conselho Nacional de Justiça.

Dizem que o avalidor das indicações de Lula ao STF é o ex-ministro Márcio Thomaz Bastos – razão que explica o descompasso de certas nomeações.

No julgamento do recurso de hoje, o tal do Peluso criou uma ‘adin’ estempoeânea e que pode colocar em risco a própria independência e autonomia dos poderes. É sabido que o Supremo para se manifestar sobre a inconstitucionalidade de uma Lei deve ser provocado, sob pena de abrir um precedente jurídico vergonhoso: cada vez que um Ministro do Supremo não gostar de uma Lei no Congresso Nacional poderá arguir sua inconstitucionalidade. É o STF brincando com fogo. Mas como já disse, o que esperar de figuras como Peluso, Celso de Melo, Marco Melo e Gilmar Dantas?

O julgamento do recurso de Roriz será retomado nesta quinta, mas tudo indica que o Supremo está armando um golpe para liberar todos os fichas-sujas para participarem das eleições.

Como o própio Arruda confidenciou: ministros do TSE e do Supremo foram subornados por Roriz. Isso foi no passado. E quem disse que não pode ter acontecido de novo?





Roriz JÁ subornou Ministros do Supremo?

19 09 2010

Conversei com alguns rorizistas nos últimos dias – está cada vez mais difícil de localizá-los, inclusive um grupo ruidoso que se reunia toda noite para avaliações de campanha em uma casa em frente à minha, faz uns 10 dias que se dispersou – e notei um súbito ânimo com a proximidade do julgamento de Roriz no Supremo.

Em primeiro lugar, acho estranho o argumento que a turma do homem da bezerra de ouro usa: bom, Roriz é ficha-suja sim – mas ele será salvo pela anterioridade e a não-retroatividade da Lei. Estas duas teses subsistem, mas o que acho estranho é que eles, os rorizistas, digam e assumam que o candidato deles é ficha-suja MAS que será salvo por filigranas jurídicas.

No entanto, este súbito ânimo dos rorizistas deve ser motivo de preocupação e angústia pelo histórico de absolvições estranhas que o Roriz com tanto orgulho ostenta. E como entender a morosidade conivente do Judiciário – possibilitando a prescrição dos crimes por conta da idade avançada do velho morubixaba?

‘Folheando’ alguns blogues, passei pelo conteúdo de Os amigos do Presidente Lula (http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/) e lá encontrei este post que eles colocaram e que havia sido extraído do http://www.redebrasilatual.com.br – amparado em noticiário de jornal.

É estarrecedor confirmar as piores suspeitas contra o STF – logo na semana em que ele estará julgando o recurso de Roriz. Fica a dúvida: o ânimo dos rorizistas com os quais conversei nos últimos dias tem algo a ver com pagamento de propinas a algum dos atuais ministros do STF?

Transcrição da PF captou Arruda falando em propina de Roriz para “comprar voto” do STF e do TSE

A transcrição de um dos vídeos que incriminam José Roberto Arruda (ex-DEM e ex-pré-candidato a vice de José Serra), gravado por Durval Barbosa – ex-secretário de governo –, mostram Arruda afirmando que o dinheiro que ele acabara de receber serviria para o ex-governador Roriz pagar votos comprados no Supremo Tribunal Federal (STF) e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O Jornal de Brasília teve acesso ao relatório com a transcrição do vídeo, feito pela Polícia Federal e analisado por peritos. Nos três segundos finais, Arruda diz: “Esse governador (Roriz) é uma parada! Esse negócio aqui, esse assunto aqui [referindo-se ao dinheiro], é o seguinte, um dos votos do Supremo, do TSE”.

De acordo com as investigações da PF, o encontro gravado em vídeo aconteceu em 4 de setembro de 2006. No mês seguinte, Arruda foi eleito governador em primeiro turno.

A suposta compra de votos seria para evitar que Roriz tivesse o mandato de senador cassado, após o escândalo que veio à tona com a Operação Aquarela, da Polícia Civil do DF. Roriz acabou renunciando ao Senado em julho de 2007. (Da Rede Brasil atual)





STF nega registro de candidatura a Roriz

9 09 2010

Pelo visto, só restou mesmo ao ex-governador Roriz a opção pela truculência. Tido, havido e apontado como seu refúgio, o STF – ou ao menos alguns mos ministros – deu a primeira demonstração de que algo também está mudando no Judiciário.
O Ministro Ayres Brito – um dos que merecem o M maiúsculo – não só considerou improcedente a ação dos advogados de Roriz como ainda resloveu lhes aplicar algumas lições básicas destacando que extrair partes de votos ou pontos de vista jamais pode ser compreendido como o entendimento pleno do próprio voto (de algum ministro).
Eis a reportagem publicada no portal do Uol:

09/09/2010 – 01h40

STF nega primeiro recurso de Roriz

FELIPE SELIGMAN
DE BRASÍLIA

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Carlos Ayres Britto julgou improcedente a primeira tentativa do candidato ao governo do Distrito Federal Joaquim Roriz (PSC) de reverter decisão do TSE, que barrou sua candidatura por considerá-lo “ficha suja”.

Roriz entrou com a chamada representação, afirmando que a decisão do TSE desrespeitou diversos julgamentos do STF, segundo os quais qualquer mudança nas regras eleitorais deve ocorrer pelo menos um ano antes do pleito.

Para Ayres Britto, porém, os casos citados pelos advogados de Joaquim Roriz nada têm a ver com a decisão do TSE que negou seu registro de candidatura. “o reclamante, ao transcrever trechos isolados de determinados votos plenários (alguns deles vencidos), não conseguiu demonstrar, minimamente que fosse, as supostas violações às nossas decisões plenárias”, diz a decisão do ministro do STF.

O candidato ainda pode recorrer ao plenário e já entrou com um recurso extraordinário no próprio TSE para que seja enviado ao Supremo.

Na semana passada, o TSE confirmou, por 6 votos a 1, que Joaquim Roriz é “ficha suja” e não pode concorrer nas eleições deste ano.

Os ministros entenderam que a Lei do Ficha Limpa vale para quem já renunciou, inclusive para alguém como Roriz, que o fez antes da promulgação da legislação.

Roriz foi alvo de impugnação por ter renunciado ao cargo de Senador, em 2007, para escapar de processo de cassação. Ele era acusado de ter quebrado decoro parlamentar, após ter sido flagrado em conversa telefônica, discutindo a partilha de cheque de R$ 2 milhões. Roriz alega que se tratava de uma discussão para comprar uma bezerra.

A Lei do Ficha Limpa estabelece que o político que renuncia para não ser cassado fica inelegível por oito anos após o fim do mandato que ele cumpriria. Como seu mandato se encerraria somente em 2014, ele fica inelegível até o final de 2022, quando ele terá 86 anos.





PL 445 (extra): Roriz está fora!

5 08 2010

Com o resultado do julgamento de ontem (04/08/2010) do TRE-DF, produzimos uma edição extra do Jornal Passe Livre que estará sendo distribuída hoje à tarde na rodoviária de Brasília. Aqui você confere a edição: