Sobre mensalões e os venais da imprensa

3 04 2011

Por qual razão a mídia golpista está requentando o assunto mensalão?
Por uma razão simples: se o STF não for constrangido e achincalhado pela mídia e for julgar apenas pelos autos e as provas já colhidas, poucos serão os condenados. Esta é a opinião de advogados, de pessoas que, sem a paixão política que o caso gera, conhecem todo o emaranhado de documentos.
Basta observar que existe uma espécie de ‘escada’: um veículo requenta bombasticamente um tema já surrado e então entra blogueiros, comentaristas e outras doidivanas a tratar de manter em pauta algo que já está morto.
É ridículo ler, por exemplo, no blog do Josias Souza que ele se arvora no páladino da verdade, na quinta-essência da ala das baianas da Opus Dei. A verdade dele é ridícula e só serve para iludir beócios e imbecis de várias classificações.
Joaquim Barbosa, o ministro do STF sob a responsabilidade de quem está a peça acusatória, já se deu conta de que como está, nada se sustenta. Perguntou coisas, quer saber de novidades para a PF. A bem da verdade, há três novidades:
1 – Menção a um filho de Marco Maciel;
2 – O surgimento da filha de Roriz no imbróglio (e onde não há um Roriz envolvido em falcatrua?),
3 – E a extemporânea inclusão de Aécio – totalmente sem pé e nem cabeça.
Mas, em lugar de retratar estas novidades e, portanto, mostrar que nada há de novo no que diz respeito ao suposto mensalão, a revista Época e os cães que ladram e as viúvas que se lamentam da perda do País que era só deles, revista e jornalistas estão colocando, de forma irresponsável, como sendo ‘novidade’, algo que já foi divulgado anteriormente.
Lá estão as três bombas – que de tão ridículas, vão jogando cada vez mais no descrédito a imprensa oficial da oposição:
1 – O caso do segurança pessoal do ex-presidente Lula.
Este assunto foi largamente veiculado pela imprensa em 2006, mormente pelo jornal O Estado de São Paulo.
2 – O suposto envolvimento de assessores do Ministro Pimentel.
Quando o assunto veio a tona, o hoje ministro demitiu todos os assessores que então trabalhavam com ele.
3 – O custeio da posse de Lula.
Algo que já foi admitido e assumido por Delúbio Soares, ex-Tesoureiro do PT.

De envergonhar

Ou seja: nada há de novo e o que poderia ser novidade, foi ignorado.
Está em curso uma cruzada para chantagear ministros, para submetê-los ao ridículo – para que abandonem a condição e magistrados e passem a ser condicionados pela opinião pública.
Tenho dito e volto a repetir: ao se reduzir a serviçal da mídia, a oposição brasileira se destruiu, sem nenhuma capacidade de articulação e interlocução com a sociedade. A oposição política pensou que o Brasil ainda era dominado e condicionado pela mídia. É ruim, muito ruim, para o Brasil que ele não tenha uma oposição com capacidade de pensar, de entender o que se passa no Brasil. A oposição perdeu o discurso político ao assumir o discurso de rancor e ódio imposto pela mídia.
A mídia, cega em sua cruzada messiânica, não se deu conta ainda de sua dissociação com o Brasil real e com os brasileiros. Incrível como este segmento não percebe a queda na venda de exemplares, a redução da audiência…
Esta pressão, esta chantagem a mídia faz e obtém algum êxito porque ela sabe que hoje só quem a lê, escuta, acompanha e leva a sério é uma elite pestilenta e enojante. Esta minoria é onde os magistrados também se movimentam, razão pela qual, de uma hora para outra, a mídia voltou a requentar matérias – dando ares de bombástica a uma informação que já foi veiculada anteriormente.

O verdadeiro mensalão

Mas se a mídia e a elite estiverem realmente interessados em algo escabroso e que tem muitas provas, basta se debruçar sobre o Mensalão Tucano de Minas, de 1998; a Lista de Furnas de 2002; os escândalos do Governo Yeda no RS (inclusive com mortes nunca elucidadas) e o Mensalão do Dem no DF – que, conforme Arruda disse em entrevista para a Veja, encheu de dinheiro o bolso de demos, tucanos e assemelhados.





O PSDB e a liberdade

18 06 2010

Muito tem sido dito e falado sobre os conceitos de liberdade, mas é inegável que os chamados partidos do espectro do centro para a direita, tanto no Brasil como no mundo, se caracterizam pela absoluta falta de qualquer compromisso programático com a liberdade. Até gostam de encher a boca dizendo-se, arvorando-se em paladinos da liberdade, mas gostam mesmo é de viver e se mover nos subterrâneos – perseguindo, calando, matando, mentindo, manipulando e posando de ‘bons’ mocinhos.

Vale aqui destacar algo que está ocorrendo lá no RS, governado pela amiga do Serra – Yeda Cruzius, que passou quatro anos enxovalhando e envergonhando os gaúchos (ainda bem que ela não é de lá). O artigo é de Beatriz Fagundes.

Porto Alegre, 10 de junho de 2010.
 
Jornal O SUL – Coluna de Beatriz Fagundes
A suposta perseguição só não é evidente para pessoas além da ingenuidade política.
        Essa é uma coluna que espero que chegue ao conhecimento da excelentíssima governadora do Estado do Rio Grande do Sul, Yeda Rorato Crusius. A professora Yeda sempre foi, e é, defensora dos princípios democráticos, e se não chega a agradar a todos, isso, certamente, além de não a incomodar, apenas fortalece sua condição de independência a toda e qualquer cadeia que imponha um pensamento único.
        Longe de pretender mudar um átimo das decisões de governo, faço aqui um apelo público para que a governadora busque saber de forma objetiva e nos esclareça, se assim for de seu interesse, o motivo que levou o comando da Brigada Militar a remover, retirando todas as vantagens, o soldado César Otavio Brum Guimarães.
        O ofício de transferência é de n 05145/SAdm – DA/ 2010. O soldado Guimarães possui uma ficha irreparável de 21 anos de serviços à Brigada Militar. Segundo ficou aparente, uma suposta retaliação, com sua transferência e retirada de todas as vantagens funcionais, se deu em virtude de sua imagem ter sido veiculada elogiando o Pronasci no programa do Partido dos Trabalhadores, seguido de uma jovem também fazendo referências elogiosas ao ProUni, dois programas vitoriosos de grande impacto social, idealizados durante as administrações do pré-candidato Tarso Genro nos ministérios da Justiça e da Educação, no governo Lula.
        É voz corrente que o soldado foi enquadrado por motivos políticos, ou seja, por ter aparecido no programa do PT. Primeiro nos recusamos a acreditar que os boatos fossem verdadeiros, chegamos inclusive a pedir confirmação ao próprio comando da BM, que alegou, durante todo o tempo, estar em “reunião”. Mas, infelizmente, recebemos cópia do ofício, e a suposta perseguição só não ficaria evidente para pessoas além da ingenuidade política.
        Interessante que há algumas semanas coronéis comandantes estiveram na Assembleia Legislativa ameaçando com o “caos” caso não fosse aprovado projeto salarial de seu interesse, e nenhum deles, apesar do flagrante enfrentamento ao comando, com ameaças claras, foi removido ou sofreu qualquer sanção. Agora surge um soldado (!?) que apenas elogiou um programa federal e contra ele são tomadas todas as atitudes cabíveis no ainda comprometido regimento castrista, com viés ainda de ditadura, da Brigada Militar? Dizem que ele mentiu ao afirmar que “essa foi a primeira vez que tenho um investimento na minha carreira de formação de combate ao crime”. Ora, qualquer um sabe que são usados trechos de depoimentos, e ele se referia, obviamente, ao fato de que este programa – o Pronasci – oferece pagamento aos participantes. Ninguém desconhece a penúria salarial dos níveis inferiores da briosa BM.
        Senhora governadora, tomo a liberdade de publicamente pedir que o soldado tenha direito a plena defesa, e que sua transferência e perda total de todos os benefícios não venha a se caracterizar como perseguição política, pois, se assim for, estaremos rasgando toda a história recente dos partidos que defendem de forma radical a democracia.
        Se ele cometeu alguma falta grave, se desacatou algum superior, se foi flagrado cometendo algum crime, desconsidere nosso apelo, mas, se nada disso houve e o motivo tenha sido o que dizem os bastidores da política gaúcha, por razões de retaliação eleitoreira, tenho certeza de que essa injustiça não será suportada por quem jurou defender a Constituição Brasileira.
        Talvez eu não receba resposta a este apelo público, mas o faço consciente que estou apelando para uma autoridade que merece nosso respeito por suas qualidades democráticas e de justiça. Humildemente, ficarei aguardando uma resposta.





Yeda, a amiga de Serra… ferrada

29 05 2010

Manhã de sábado a gente sempre tem tempo, enfim, para fazer boas coisas – entre elas navegar pela diversidade de blogs de qualidade que hoje o brasileiro tem ao dispor para consultar. Um dos que sempre acesso, recomendo no meu blog e indico aos amigos e inimigos é http://rsurgente.opsblog.org/ – e dele transcrevo uma nota que o resto da mídia omite:

Aceito recurso do MPF contra exclusão de Yeda da ação de improbidade administrativa May 27th, 2010

by Marco Aurélio Weissheimer.

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) admitiu recurso interposto pelo Ministério Público Federal (MPF) contra a exclusão da governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), da ação civil pública de Pobre mundo... como suportar duas coisas junto?improbidade administrativa que tramita na Justiça Federal de Santa Maria (RS), referente à fraude no Detran, descoberta durante a Operação Rodin. Foram aceitos os recursos especial (dirigido ao Superior Tribunal de Justiça) e extraordinário (dirigido ao Supremo Tribunal Federal). O caso será encaminhado primeiramente ao STJ, para apreciação do recurso especial. As informações são do TRF4.





O embusteiro – 1

5 05 2010

Sob qualquer que seja o ângulo que Serra seja ‘olhado’, ele é uma farsa, um embuste, uma mentira. Sua vida pública sempre foi uma verdadeira cruzada em alimentar seu ego e seus serviços sempre foram no sentido de favorecer as elites, o sistema financeiro e a classe patronal.

Não há uma incoerência na vida dele: sempre foi assumidamente contra os trabalhadores. E mais: sempre foi exímio na arte de mentir, de inventar – inclusive o título de economista que ele ‘ostenta’, é pura falsidade ideológica. Mas há coisas mais perversas, como o fato de se adonar das idéias alheias – como no caso de se ‘vender’ como o ‘pai dos genéricos’ (o verdadeiro idealizador e mentor foi Jamil Hadad).

Vamos dissecar um pouco mais desta figura estranha, que na condição de ex-ministro da Saúde (se bem que do governo FHC, quando qualquer nulidade podia virar ministro) o que de melhor fez foi criar a máfia das ambulancias – desbaratada no governo Lula. O seu conselho sobre como não contrair a gripe suína é uma demonstração lapidar de sua inteligência suprema: basta não beijar o porquinho ou não estar perto dele quando ele espirrar.

Mas quem está com Serra, além de FHC – o presidente com a pior avaliação junto ao povo brasileiro? Vamos apontar apenas alguns dos seus aliados, pegando em um primeiro momento quatro estados (podem me mandar os dados de outros estados)

No Rio Grande do Sul, Serra é incensado por ninguém mais e nem menos do que a nefasta Yeda Cruzius – que transformou o RS em sinônimo de roubo, trambicagem e vilania. Até hoje ninguém entendeu a mágica da aquisição de uma mansão nababesca – coincidência ou não, logo depois das eleições. Por falar neste governo símbolo da podridão tucana, até hoje ninguém sabe o que aconteceu com aquele ‘suicida’ ocasional de Brasília – que morreu poucos dias antes de prestar depoimento, onde dissecaria a forma de agir desta organização criminosa que atua no RS e que apóia fortemente o Serra. Ainda em terras gaúchas, o peemedebista Eliseu Padilha também está com ele…

Indo para Santa Catarina, eis que vamos encontrar na linha de frente do apoio ao ‘coisa’ que quer ser presidente a figura nefanda e estranha de Leonel Pavan – o vice que asusmiu o governo e está todo enlameado por favorecimentos e trambicagens diversas. Lembrando que foi o governo tucano de SC quem bancou o comício religioso que Serra fez em Camboriú.

Em São Paulo, a coisa é mais patética. O ‘ético’ tucano, que é assim como o Saci Pererê, a mula sem cabeça, o Negrinho do Pastoreio e o Boi-tatá, tem o apoio de ninguém menos do que Orestes Quércia e Paulo Maluf. Ou seja: só a fina flor da delinquência política, pessoas que por si só representam um Brasil que precisa ser revisitado – não pela Justiça, mas por nós brasileiros.

O quarto Estado que merece uma avaliação preliminar é o RJ. Quem apóia Serra por lá? César Maia e Gabeira. São figuras exóticas que apenas num estado onde a ireverência tem mais valor que o ético teriam como vicejar. Vai ser engraçado o Serra estar no mesmo palanque do Gabeira, que defende a liberação das drogas e é um fervoroso defensor da união e matrimônio entre pessoas do mesmo sexo. Como ficará o Católico, simpatizante da Opus Dei e ex-coroinha Serra diante de tais contradições? De César Maia, convenhamos, ninguém precisa falar…

Os próximos posts abordarão outros aspectos relativos e relacionados com esta figura que tenta ser presidente do Brasil. Na sequência também farei abordagens sobre as companhias dele em outras unidades da federação…

Ou seja: só a fina flor da política nacional está com Serra…